Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A TETA ASSUSTADA" (2008)




Alguns assuntos parecem inesgotáveis e sempre estão sendo abordados de alguma maneira. Um desses temas, sem dúvida, passa pelas ditaduras militares que tivemos na América Latina entre as décadas de 60 e 80. Parece que, por não conseguimos ainda expurgar tais demônios, precisamos fazer seu exorcismo pela arte.

Claro que existem resultados duvidosos quanto à qualidade de muitos desses produtos, mas, às vezes, um deles se destaca. É o caso do filme "A Teta Assustada". O nome, à primeira vista, pode soar inusitado e até engraçado, mas quando se sabe o real significado dele, percebe-se o quão assustador isso é.

Estamos no Peru, um dos países que sofreu com as ditaduras. E, o título do filme faz menção a um folclore do local. A mulher que possui uma "teta assustada" é aquela que foi estuprada em períodos de guerra, muitas vezes, estando grávida. Seu pavor se torna tão grande que o sentimento de medo é passado para o filho através do leite materno.

Conhecemos, então, Fausta, cuja mãe sofre desse tipo de violência. A produção já começa com essa senhora cantado uma música para a filha, onde relata o que teve de passar nas mãos dos seus carrascos. O relato, mesmo poético, é chocante.




Só que a mãe de Fausta morre, e enquanto ele tenta fazer o possível para enterrá-la de maneira digna, ainda tem que superar seus medos. Descobre-se, por exemplo, que ela sempre coloca uma batata em sua vagina para evitar ser estuprada, assim como sua mãe foi.

Durante a maior parte do tempo, o filme se foca nos dramas internos de Fausta, com suas angústias e seus receios de se aproximar das pessoas (principalmente, os homens). É um ponto positivo do roteiro, pois evita apelar para cenas de tortura, que, em geral, estão numa produção com essa temática.




Muitas sequências são poéticas e bonitas. Tendo aprendido a cantar com a mãe, Fausta, em muitas ocasiões, expressa o que sente através de canções. Triste, é verdade, porém, bastante espontâneo.

É um filme que só se perde quando mostra, excessivamente, os preparativos para o casamente de uma parente da personagem principal. Evidente que a mensagem passada diz que, enquanto vivemos nossos vidas cotidianamente, coisas terríveis podem estar acontecendo ao nosso redor. Mas, um pouco de economia aqui mais adequado.




No campo das atuações, Magaly Solier se sai bem como Fausta. Ela consegue passar a sensação de uma mulher frágil e debilitada com horríveis traumas, mas sem cair no trivial. E, a direção de Claudia Llosa também é eficaz, conduzindo o enredo sem atropelos ou exageros.

"A Teta Assustada" não é um filme, necessariamente, para você ficar indignado imediatamente. Longe disso, é uma produção mais estática, mais reflexiva. Há um desconforto sutil. Uma forma, por fim, bem interessante de expôr uma tragédia social, como uma ditadura, através de um contexto mais individual (e até mais visivelmente humano).


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…