Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Vá e Veja" (1985)
DIREÇÃO: Elem Klimov.





Podemos dizer que a inocência é o tema central do filme "Vá e Veja". Mas, não aquela inocência engessada, e sim aquela que precisa se adaptar ao meio, aquela que está em constante transformação para não perder a essência, ou, pelo menos, para manter a sanidade intacta diante da barbárie.

As sequências inicias dessa produção, por exemplo, mostram crianças, em plena guerra brincando como se fossem soldados. Agem como oficiais adultos, sendo violentos e soltando palavrões aos montes. Mesmo assim, vemos o tempo todo que se tratam ainda de crianças.



Outra cena que ilustra muito bem isso é quando um dos garotos mostrados no início (e que será o protagonista ao longo do filme) chega em casa e fala para sua mãe que vai se alistar. Esta, em desespero, implora para que ele não vá, enquanto ele tenta acalmar as pequenas irmãs fingindo que tudo não passa de uma brincadeira da mãe.

Somos transportados para a Bielorrússia de 1943, plena Segunda Guerra, com moradores das aldeias se reunindo em guerrilhas para combater os inimigos alemães. Todos eles (inclusive, os próprios oficiais) tentam achar um sentido para uma guerra que, provavelmente, não entendem. Tentam permanecer com uma certa dignidade, o que é bem mostrado na cena em que um bando de soldados já estropiados posam para uma foto em grupo, com todos cantando um hino que simboliza seu desejo de vitória.


O ambiente inóspito, desolado, fica cada vez mais opressor a medida que o conflito avança. A tensão cresce. A brutalidade da guerra vai se mostrando mais visível. E, o garoto que conhecemos no início, com claros problemas mentais, continua sua interna e inglória luta de continuar a ser apenas um menino que acabou de sair da infância.

Tudo aqui tem um propósito; nada é gratuito. Até as explosões que servem de mero enfeite em outros filmes de guerra, em "Vá e Veja" possuem até mesmo uma função narrativa, como quando interrompem um momento de alegria do pobre garoto, que acabara de conhecer uma nova amiga.


Inclusive, essa amiga se junta a ele para tentarem escapar da guerra da maneira mais lúdica possível: tentando ser felizes, fazendo brincadeiras, quase num esforço sobre-humano de manterem alguma espécie de pureza no meio do caos. E, serão os últimos instantes de felicidade deles.

Em muitos momentos, "Vá e Veja" consegue ser perturbador, bastante perturbador. São cenas que mexem demais com os sentidos dos espectador. Os nervos são abalados de maneira muito forte, mostrando que o lado mais perverso de uma guerra não precisa ser, necessariamente, no campo de batalha.


Nesse sentido, é bom lembrar que mais de 600 aldeias da Bielorrússia foram queimadas por tropas alemãs, com toda a sua população junta. Informação, essa, muito bem retratada aqui, e de uma maneira tão brutal que é impossível não ficar indiferente.

"Vá e Veja" tem vários méritos, e um deles, é mostrar que a guerra não é uma diversão. Por isso, esqueçam aquelas cenas plásticas, esteticamente bonitas, de filmes do gênero feitos, principalmente, em Hollywood. Aqui, tudo é feio, sujo, desesperador. Limites são testados constantemente, e chega uma hora que o espectador pensa que não pode ficar pior (e fica).


No filme, a figura de Hitler é particularmente ridicularizada, principalmente no final, onde o garoto do início da produção mostra um misto de desprezo e ódio ao atirar, loucamente, num quadro com a imagem do ditador nazista.

Em termos ideológicos, também ao contrário de muitos filmes do gênero, este não se posiciona contra regimes ou sistemas. Nem anti-Comunismo, nem anti-Capitalismo; o que vemos aqui é um grito desesperado contra a brutalidade, a estupidez e a ignorância. Em última instância, uma produção anti-guerra.


Apesar de longo e com um ritmo, por vezes, muito lento, "Vá e Veja" não tem desperdício de cenas. Tudo o que é mostrado é necessário. E, as atuações, é bom que se diga, são nada menos do que brilhantes.

Enfim, trata-se de um filme de guerra como tem de ser: violento, brutal e extremamente triste (mas, sem ser apelativo). Importante e urgente assistí-lo. Nem que seja para buscarmos um pouco de humanidade em tempos difíceis.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…