Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"O Remorso de Baltazar Serapião" (2006)
AUTOR: Valter Hugo Mãe.




A ignorância cotidiana. A estupidez. A violência contra a mulher. O embrutecimento. Nossa realidade é o palco de inúmeras desgraças e uma medíocre humanidade que se recusa a se importar com isso. Mas, existem os inquietos, os perturbados, os inconformados.

O escritor Valter Hugo Mãe pode, muito bem, encaixar-se nesse perfil, mesmo que, sob certa ótica a literatura que iremos encontrar em "Baltazar Serapião" seja chocante, muito chocante. De início, o que mais salta aos olhos é a forma como a figura feminina é tratada.

Num ambiente onde superstições religiosas e toda a sorte de ignorância reinam, as mulheres são colocadas como figuras estúpidas, que precisam ficar caladas para não contaminarem os homens com seus pensamentos. E, estes, caso se achem enganados por elas, têm total liberdade de aplicarem as mais horríveis violências contra elas.

À primeira vista, apelativo, sim. Mas, a realidade seria menos apelativa? Ao ler as mais fortes partes deste livro, recordei-me do caso daquela moça na Índia, estuprada coletivamente, violentada com uma barra de ferro e depois jogada no meio-fio como um animal imundo.




O pouco que pode ser percebido da figura de Hugo Mãe e de sua obra faz pensar que tal violência aqui presente não se trata de um desdém à figura da mulher, mas uma forma de denúncia. Claro, uma denúncia incômoda, bastante indigesta, mas, não seria ela, de alguma forma, necessária?

Além desse aspecto, a obra expõe uma sociedade de castas, entre senhores e seus vassalos, numa terra miserável, onde a religião tenta ser o único alento, mas que ainda permite coisas como queimar supostas bruxas na fogueira.

E, é nesse ambiente que Baltazar Serapião vive com sua família; uma gente, em todos os aspectos, animalizada. Tanto, que eles possuem uma vaca, a Sarga, que é considerada gente, e que muitos das redondezas acreditam que foi ela que pariu Baltazar e seus irmãos.

Literatura fantástica em essência, o livro mescla muito bem misticismo e realidade. O próprio irmão de Baltazar, após a morte da mãe deles, começa a desenvolver o estranho dom de retratar figuras celestiais em pedra, passando a ser cortejado pelos mais nobres da região com um grande artista.




A promessa de uma vida melhor, porém, não deixa ninguém mais humano, ao contrário. Caso alguém esteja numa classe privilegiada, utiliza seu poder para humilhar os demais. Os mais miseráveis, então, deixam-se levar pela sua condição de bicho (bicho-homem) e cometem atitudes mais desprezíveis ainda.

É bom destacar também o tipo de escrita de Hugo Mãe, com inversões de palavras nas frases, pontuação singular e frases começadas em letras minúsculas, tudo muito bem elaborado e, incrivelmente, fluido. A forma textual é soberba, quase uma nova maneira de usar a língua portuguesa.

Porém, o mais incômodo do livro é, sem dúvida, a sua latente violência. Uma brutalidade injustificada pela miséria, ou por qualquer outra desculpa que pudesse oferecer alguma redenção. E, a passividade de todas as mulheres diante das injustiças que sofrem também pode ser entendida como uma crítica à submissão a que muitas se sujeitam e a nossa crescente indiferença, como um todo.

Muitos, até com certa razão, criticaram a falta de piedade de Hugo Mãe para com os seus personagens. Mas, reflitamos: encontramos menos do que isso na rua, assistindo TV ou lendo um jornal? Não seria um alerta do escritor? Ou a realidade se mostra tão melhor?




Gostaríamos que sim, e que, nesse caso, a arte não imitou a vida; apenas foi "criada", "imaginada". Mas, é com grande pesar, que podemos vislumbrar esta sociedade se embrutecendo a passos largos, tanto quanto Baltazar Serapião e sua desgraçada família.

Leitura dificílima. Uma das melhores da existência de qualquer pessoa. Um livro para, propositadamente, não se esquecer. Talvez Hugo Mãe não precisasse ter ido tão longe.

Ou, provavelmente, nós é quem fomos longe demais.

Cabe escolher.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…