Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"O Remorso de Baltazar Serapião" (2006)
AUTOR: Valter Hugo Mãe.




A ignorância cotidiana. A estupidez. A violência contra a mulher. O embrutecimento. Nossa realidade é o palco de inúmeras desgraças e uma medíocre humanidade que se recusa a se importar com isso. Mas, existem os inquietos, os perturbados, os inconformados.

O escritor Valter Hugo Mãe pode, muito bem, encaixar-se nesse perfil, mesmo que, sob certa ótica a literatura que iremos encontrar em "Baltazar Serapião" seja chocante, muito chocante. De início, o que mais salta aos olhos é a forma como a figura feminina é tratada.

Num ambiente onde superstições religiosas e toda a sorte de ignorância reinam, as mulheres são colocadas como figuras estúpidas, que precisam ficar caladas para não contaminarem os homens com seus pensamentos. E, estes, caso se achem enganados por elas, têm total liberdade de aplicarem as mais horríveis violências contra elas.

À primeira vista, apelativo, sim. Mas, a realidade seria menos apelativa? Ao ler as mais fortes partes deste livro, recordei-me do caso daquela moça na Índia, estuprada coletivamente, violentada com uma barra de ferro e depois jogada no meio-fio como um animal imundo.




O pouco que pode ser percebido da figura de Hugo Mãe e de sua obra faz pensar que tal violência aqui presente não se trata de um desdém à figura da mulher, mas uma forma de denúncia. Claro, uma denúncia incômoda, bastante indigesta, mas, não seria ela, de alguma forma, necessária?

Além desse aspecto, a obra expõe uma sociedade de castas, entre senhores e seus vassalos, numa terra miserável, onde a religião tenta ser o único alento, mas que ainda permite coisas como queimar supostas bruxas na fogueira.

E, é nesse ambiente que Baltazar Serapião vive com sua família; uma gente, em todos os aspectos, animalizada. Tanto, que eles possuem uma vaca, a Sarga, que é considerada gente, e que muitos das redondezas acreditam que foi ela que pariu Baltazar e seus irmãos.

Literatura fantástica em essência, o livro mescla muito bem misticismo e realidade. O próprio irmão de Baltazar, após a morte da mãe deles, começa a desenvolver o estranho dom de retratar figuras celestiais em pedra, passando a ser cortejado pelos mais nobres da região com um grande artista.




A promessa de uma vida melhor, porém, não deixa ninguém mais humano, ao contrário. Caso alguém esteja numa classe privilegiada, utiliza seu poder para humilhar os demais. Os mais miseráveis, então, deixam-se levar pela sua condição de bicho (bicho-homem) e cometem atitudes mais desprezíveis ainda.

É bom destacar também o tipo de escrita de Hugo Mãe, com inversões de palavras nas frases, pontuação singular e frases começadas em letras minúsculas, tudo muito bem elaborado e, incrivelmente, fluido. A forma textual é soberba, quase uma nova maneira de usar a língua portuguesa.

Porém, o mais incômodo do livro é, sem dúvida, a sua latente violência. Uma brutalidade injustificada pela miséria, ou por qualquer outra desculpa que pudesse oferecer alguma redenção. E, a passividade de todas as mulheres diante das injustiças que sofrem também pode ser entendida como uma crítica à submissão a que muitas se sujeitam e a nossa crescente indiferença, como um todo.

Muitos, até com certa razão, criticaram a falta de piedade de Hugo Mãe para com os seus personagens. Mas, reflitamos: encontramos menos do que isso na rua, assistindo TV ou lendo um jornal? Não seria um alerta do escritor? Ou a realidade se mostra tão melhor?




Gostaríamos que sim, e que, nesse caso, a arte não imitou a vida; apenas foi "criada", "imaginada". Mas, é com grande pesar, que podemos vislumbrar esta sociedade se embrutecendo a passos largos, tanto quanto Baltazar Serapião e sua desgraçada família.

Leitura dificílima. Uma das melhores da existência de qualquer pessoa. Um livro para, propositadamente, não se esquecer. Talvez Hugo Mãe não precisasse ter ido tão longe.

Ou, provavelmente, nós é quem fomos longe demais.

Cabe escolher.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…