Pular para o conteúdo principal
POR UM 2015 MAIS HUMANISTA




2014 foi difícil. Uma ano de revelações, de tomadas de postura, onde mostramos que tipo de povo nós somos. Carregado, este ano que termina foi, infelizmente, de muito ódio, rancor, brigas, intolerâncias.

Já começou com o caso daquele menino que foi amarrado ao poste no RJ. Uma mulher se indigna com isso, tira fotos e protesta nas redes sociais. Só faltou ser morta, pois, de ameaças, sua vida ficou lotada. Afinal, bandido bom é bandido morto, e quem tem pena, que leve pra casa! Até jornalistas se mostraram a favor do linchamento, ou pelo menos, tentando justificá-lo. Esses mesmos se calaram quando uma dona de casa foi morta por ter sido confundida com uma sequestradora de crianças. Remorso, não foi. Talvez o silêncio tenha sido estratégico.


A barbárie como válvula de escape.


Chega a famigerada Copa do Mundo, e os nossos problemas acabaram. Mesmo com as vaias à presidente Dilma, todos se mostraram satisfeitos. Não importa que muitos operários tenham morrido na construção dos estádios; de pouco vale o fato de termos gasto bilhões da iniciativa pública para a realização do evento; estádios parados após a Copa, em todo o esplendor de um elefante branco, ficaram até agrdáveis aos nossos olhos; e os protestos nas ruas não ocorreram como o prometido. Tudo veio abaixo com o 7 X 1. Ficamos indignados pelos motivos errados, e ainda gostamos de termos realizado a "Copa das Copas".


Poucos perceberam que a Copa, em linhas gerias, foi um fiasco.


Eleições são um exercício pedante de ideologias que se completam. Dilma, Aécio e Marina fingiram que estavam em oposição, e não percebemos a coerência advinda de uma Luciana Genro ou de um Eduardo Jorge. Petrolão pra cá, Petrolão pra lá, a imprensa comprada (como sempre) e o mais do mesmo vence. Mediocridade nas urnas, tivemos que escolher (mais uma vez) o menos pior. E, tome-lhe ódio pra cima, principalmente a nós, nordestinos, acusados de ignorantes por termos reelegido Dilma (o que, na verdade, configura uma mentira, pois em números absolutos, Dilma teve mais votos no Sul-Sudeste). Mesmo bovinos, sobrevivemos.


Dilma e Aécio: nem tão inimigos assim...


Dado preocupante nessas eleições foi nosso retrocesso. Não, não demos nenhuma guinada à Direita. Apenas, boa parte saiu do armário, e, num arroubo de individualismo e má-fé, começaram a discursar os maiores absurdos. Os porta-vozes? Os de sempre: Bolsonaro, Feliciano, Malafaia, Roger, Constantino, Reinaldo... Nada de novo no front. Apenas as minorias sendo achincalhadas e pulhas aos montes sendo os mais votados em nome da moral e dos bons costumes. Triste e perversos trópicos.


Bolsonaro e Feliciano: duas figuras que nunca deveriam ter merecido destaque em 2014.


Chegamos ao fim de 2014, portanto, cansados. Lutas inglórias, má vontade de nossos amigos e parentes, um egoismo generalizado pairando no ar. A expressão "farinha pouca, meu pirão primeiro" nunca fez tanto sentido. Por isso, não precisamos de mais religião (já temos demais por aí, e ela não resolve nada), nem de tanta política (pois, é subir ao poder, já sabemos o que acontece). Precisamos é de mais humanismo, pois assim veremos os nossos diferentes e não os nossos iguais. Enxergaremos as coisas com menos ódio e preconceito, e o diálogo será mais proveitoso, sem dúvida.




Utopia? Talvez nem tanto. Com esforço, provavelmente, algum resultado virá.

Um feliz 2015 (MAIS HUMANO, E MENOS EGOCÊNTRICO).


Erick Silva
30/12/2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…