Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Encarnado" (2014)
Artista: Juçara Marçal.




A gama de bons artistas da música brasileira atual está escassa, e isso não chega a ser novidade. Há alguns anos que a criatividade nesse meio anda em baixa, principalmente pelo o que é passado pelos grandes meios de comunicação. Porém, essa acaba sendo também a desculpa perfeita para não procurar por novidades e se acomodar com o que é oferecido. Azar o dessas pessoas, pois não chegarão a conhecer Juçara Marçal.

A cantora fluminense (e não somente carioca, por favor) está num patamar acima das usuais intérpretes que circulam pela recente MPB. Ela não está preocupada em soar como uma caricatura de Elis Regina ou de Cássia Éller. Mesmo tendo similaridade com as duas, Juçara tem identidade própria, forjada a ferro e fogo no meio alternativo. Aqui não tem "samba pra gringo ver", mas, sim, uma miscelânia de referências espertas e bem elaboradas.




"Encarnado" é a primeira viagem-solo de Juçara. Mas, ela não está sozinha. Kiko Dinucci, guitarrista e membro da banda anterior da cantora, também a acompanha em seu disco. Outros que se fazem presentes são Rodrigo Campos no cavaquinho e em algumas incurções de guitarra, e Thomas Rohrer na rabeca. Isso mesmo: um disco inteiro sem bateria, ou qualquer outra forma de percursão. Aparentemente, a "estratégia" foi proposital, pois deixou Juçara interpretar à vontade, dando mais ênfase às letras das músicas.

A combinação de sons tão díspares quanto uma guitarra, um cavaquinho e uma rabeca, unidos à voz poderosa da cantora, dão um aroma especial a cada faixa, onde todas brilham individualmente. Começar a audição com "Velho Amarelo" é um choque (positivo) para os puvidos mais desavisados. Com um refrão maravilhoso, a canção pega o ouvinte em cheio, e, de cara, ele se habitua fácil à proposta estética do álbum.




"Damião" representa bem a postura de Juçara como intérprete: raivosa, revoltada, angustiada e desesperada. Minimalista (mas, muito interessante) em termos sonoros, é o tipo de música que mexe com os sentidos e mantras de quem escuta. Instiga e inquieta. Realmente, dá vontade de "ajudar Damião" a bater em quem o maltratou, em quem o humilhou, em quem o matou. Arte provocadora.

Até agora, foram duas músicas. Dois petardos. Dois espantos. Valem mais do que muita gente tida como a nova MPB. Que de nova, não tem nada (pelo menos, nas ideias e nas posturas). Eis que a terceira faixa, "Queimando a Língua", segue a mesma linha das demais. Ou seja, inusitada e fenomenal. Juçara interpreta como se estivesse declamando um "repente" (envenenado, diga-se). Trata-se de poesia musicada. Sem tirar, nem por.




"Pena Mais Que Perfeita" tem uma estrutura mais tradicional, mais leve, mas não menos estupenda. A linha de guitarra e a bela melodia de rabeca fazem uma boa cama para deitarmos no som, e nos sentirmos etéreos, plenos de espírito. Como se vê, até aqui, "Encarnado" vem se mostrando um trabalho com múltiplas possibilidades. Parecem vários discos gravados num só. Ficamos, então, pensando, o que a próxima canção nos reservará.

Surge a curta e simples (no bom sentido) "Odoya". E, é somente a introdução para o ápice do álbum, "Ciranda do Aborto". Tudo o que eu disse a respeito desse disco ser extremamente sensorial e mexer mentalmente com o ouvinte faz sentido aqui. A interpretação de Juçara, a letra (fortíssima, ora de uma crueza mordaz, ora de uma delicadeza sublime) e os instrumentos em arranjos insanamente bem elaborados. Tudo converge para uma experiência única.




Depois da catarse, vem a calmaria, alento. "Canção Para Ninar Oxum" é exatamente aquilo que se propõe: uma música singela, um sonho tranquilo após um longo pesadelo. Mas, aí vem a loucura e a ironia com "E, O Quico?". Cadenciada e muito interessante, parece ter sido composta especial para Juçara teatralizar nela de forma muito competente. "Não Tenha Ódio no Verão" também proporciona uma baita interpretação da cantora, mostrando que, sim, ela tem talento de sobra.

A música "A Velha da Capa Preta" talvez seja o ponto menos inspirado do disco. Isso porque a sua execução é apenas competente, e Juçara Marçal, ao longo das 9 faixas anteriores, "acostumou mal" o ouvinte com um trabalho acima da média. Mesmo assim, não é algo que incomode, o que desmereça o álbum. A criatividade (e a passionalidade sofrida da alma) volta na curta (porém, maravilhosa) "Presente de Casamento", com direito a interpretação à capela no final.




E, para terminar, "João Carranca", ao mesmo tempo, bem-humnorada e triste. Relata a vida de um boêmio namorador que encontra a tragédia nos ciúmes de sua amante. O fato da sonoridade da canção ser calcada no samba só reforça sua qualidade. Uma bela maneira de acabar um trabalho tão peculiar.

É bom que se diga que muitas das faixas de "Encarnado" são de vários compositores. E, isso se torna ainda mais especial, pois Juçara e sua banda conseguem de apropriar delas de tal maneira, que até pareceram algo autoral, totalmente espontâneo. Os letristas vão de Tom Zé ("Não Tenha Ódio no Verão"), até Itamar Assumpção ("E, O Quico?"), passando por Siba ("A Velha da Capa Preta"). No entanto, há de ressaltar que as duas melhores canções do disco são de seus instrumentistas: "Ciranda do Aborto" (do guitarrista Kiko Dinucci) e "Velho Amarelo" (do também guitarrista Rodrigo Campos).




O tema principal de "Encarnado" é a morte. Coincidentemente, é um disco que deu vida nova à combalida música brasileira do ano passado pra cá. Junto com outros artistas, como Criolo, Juçara Marçal vem demonstrando talento ao revisitar conceitos. Ela, por sinal, valoriza algo em desuso hoje em dia: a canção como formato. Em seu trabalho, a interpretação (fundamental) retoma um tempo em que nossos artistas tinham zelo e cuidado com os produtos que entregavam ao público.

Agora, é esperar que venham outros lançamentos tão inspirados, poderosos e densos quanto esse. Mas, Juçara Marçal está no caminho certo. Não parece querer agradar a gregos e troianos com "música pra tocar na rádio ou na novela". Corre riscos, aventura-se por temas difíceis, e consegue, mesmo que pelo caminho mais complicado, extrair arte pungente da música. Escutar uma artista assim nesses tempos é acalentador.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…