Pular para o conteúdo principal
DICA DE DOCUMENTÁRIO

"O Céu Aberto" (2011)
Direção: Everardo González.




A História foi, é, e sempre será inusitada. Por mais que se façam previsões de como tal acontecimento vai influenciar o rumo das coisas, às vezes, de onde menos se espera, alguma novidade surge. Foi o que aconteceu em fevereiro de 1977, quando o Monsenhor Romero foi nomeado arcebispo de El Salvador.

O país vivia num ferrenho regime autoritário, e as oligarquias da região, principalmente, os grandes fazendeiros, exploravam o povo de todas as formas possíveis. O trabalho chegava às raias da escravidão, onde os mais pobres trabalhavam tendo como pagamento apenas um prato de comida (que, em muitos casos, estava estragada).




Nesse ambiente desolador, Monsenhor Romero se torna arcebispo por indicação dos setores mais conservadores de El Salvador, o que deixa o povo apreensivo. Porém, gradativamente, o religioso passa por uma transformação pessoal e ideológica, principalmente, após o assassinato de seu amigo, o Padre Rutilio Grande, que fazia projetos de conscientização social.

Ele começa, então, a compreender mais claramente o sofrimento das pessoas mais humildes de seu país. Passando a ficar do lado dessa parcela da população, inicia uma campanha de conscientização entre os camponeses. Claro que incita o ódio daqueles que sempre se mantiveram no poder.




Suas missas, por exemplo, pareciam mais reuniões de sindicatos do que cultos religiosos. Nelas, Monsenhor Romero ensinava ao povo que era justo lutar pelos seus direitos e correr atrás de alguma dignidade. Nascia aí o embrião das Ligas Camponesas de El Salvador, com total desaprovação dos mais poderosos da região.

O arcebispo passa a sofrer ameaças e a ser hostilizado de todas as formas. Frequentemente "acusado" de comunismo, acaba utilizando o único meio que ainda dispunha para passar sua mensagem: o rádio. Suas palavras são ouvidas em uníssono, e, com isso, passa a ser chamado de "a voz dos sem-voz". Monsenhor Romero passa a ser um dos principais divulgadores da Teologia da Libertação em solo latino-americano, ao lado de nomes como os de Dom Pedro Casaldáliga e Dom Hélder Câmara.




O documentário "O Céu Aberto" centra-se justamente no período que vai desde 1977 (ano da nomeação do Monsenhor Romero como arcebispo) e até 1980 (onde ele, infelizmente, é assassinado enquanto celebrava uma missa). A produção é muito correta e coerente ao tratar de todo esse processo.

É especialmente marcante quando ele faz um pronunciamento dirigido ao exército de El Salvador: "Eu gostaria de apelar, especialmente, para os homens do exército. Irmãos, nossa própria gente está matando seus irmãos camponeses. E, com uma ordem dada pelos poderosos daqui. Para um homem, deve prevalecer a lei de Deus que diz: 'Não matarás'. Para uma lei imoral, ninguém é obrigado a cumprí-la!" Tal sermão foi sua sentença de morte.




"O Céu Aberto" cumpre muito bem seu papel. Traça um panorama histórico revelador de El Salvador, e mostra, através de arquivos da época e de depoimentos de pessoas que viveram naquele momento, como a consciência de uma boa parte da população foi mudando devido a tantas dificuldades, tendo como epicentro a figura do Monsenhor Romero, que hoje é tratado como santo no país.

O ritmo espontâneo e envolvente da narrativa não tira o sentimento de revolta ao assistir o documentário. Ao contrário: potencializa esse incomodo no espectador, do início até o final. E, sentimos impotência ao vemos o que alguém numa posição de comando é capaz de fazer para se perpetuar no poder.

Não se trata apenas de um documento histórico, mas uma prova de que totalitarismo e opressão aos mais necessitados andam sempre juntas, mas que o sofrimento do povo pode ser amenizado por ele mesmo. Basta que tenha uma referência como Dom Romero, a "voz dos sem-vozes".

A quem se interessar mais, seguem alguns links referentes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_de_El_Salvador

http://www.ihu.unisinos.br/noticias-ignacio/533953-hoje-ha-23-anos-eram-assassinados-seis-jesuitas-em-el-salvador

http://www.diarioliberdade.org/america-latina/reportagens/45684-elei%C3%A7%C3%A3o-hoje-em-el-salvador-esquerda-deve-vencer-j%C3%A1-no-primeiro-turno.html


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…