Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Estado de Sítio" (1973)
Direção: Constantin Costa-Gavras.



Falar de política no cinema é complicado. Geralmente, o resultado sai panfletário demais, e isso, eventualmente, afasta os espectadores que, muitas vezes, procuram apenas uma boa estória. O cineasta grego Constantin Costa-Gavras tem um mérito muito a seu favor: faz filmes bastante críticos, com uma carga política muito forte, mas que também são puro cinema, com enredo, narrativa e personagens bem elaborados.

A forma como surgiu este "Estado de Sítio" mostra como Costa-Gravas é um diretor diferenciado. Ele estava, à época, pesquisando sobre o embaixador norte-americano John Peurifoy, um dos responsáveis pelo golpe de estado que instalou uma ditadura na Grégia. Só que no meio dessas pesquisas, surge o nome de Dan Mitrione e menções à USAID - United States Agency for the International Development.



Com base nessas informações, o que Costa-Gavras fez? Viajou até o Uruguai para conhecer melhor a história das ditaduras latino-americanas (que já estavam mais do que instaladas em diversos países no início da década de 70), e achou melhor focar seu próximo filme nesse assunto. É aí que surge o embrião para "Estado de Sítio" ser feito, e como o resultado bem mostra, é um filme que vale mais do que muitas aulas de História.

O enredo se concentra no sequestro do agente americano Dan Mitrione por um movimento de guerrilheiros Tupamaros. No cativeiro, é constantemente interrogado por um dos integrantes do movimento, e esses diálogos são verdadeiramente esclarecedores. Não só mostram a engrenagem da atual norte-americana na implantação dessas ditaduras, como também suscita reflexões sobre as inúmeras violações ao direitos humanos no processo.


São nessas conversas, que vemos, inclsive a participação do Brasil. Até a deposição de João Goulart é mencionada. É mostrado, inclusive, um "treinamento" de tortura com jovens cadetes. Um jovem, nu, recebe choques elétricos sob os olhares atentos dessa plateia, tendo a bandeira brasileira asteada em segundo plano. Como se vê, Costa-Gravas não queria amenizar nenhuma crítica; colocou o dedo na ferida de forma clara, sem simbolismos.

E, como falei anteriormente, ainda consegue ser cinema. Na realidade, é tão bem feito, que, muitas vezes, chega a parecer um documentário. As tomadas aéreas, com centenas de militares sitiando ruas e avenidas é assustadoramente verossímil. A atuações são corretas, sem exageros, pois o principal aqui é a mensagem, a ideia. E, a forma narrativa possui suspense e fluidez suficientes para prender o espectador até o fim.


É bom ressalto algo: "Estado de Sítio" foi filmado num Chile ainda governado pelo socialista Salvador Allende. Inclusive, setores da Direita exigiam que o governo chileno proibisse a exibição de "A Confissão", filme anterior de Costa-Gavras, que fazia uma ferrenha crítica ao totalitarismo. O diretor chegou a cogitar terminar as gravações em outro país, após ser constantemente agredido nas ruas. Só após garantias do próprio presidente Allende, ele permaneceu, e terminou seu filme.

Algum tempo depois, Salvador Allende é deposto, e assume em seu lugar, o general Augusto Pinochet, que instaura uma das mais violentas ditaduras do período. Foram aproximadamente 40 mil pessoas torturadas, desaparecidas e mortas sob o poder de Pinochet. Nesse caso, a vida imitou, tristemente, a arte, e Costa-Gavras, involuntariamente, tornou-se uma espécie de profeta da desgraça que estava prestes a se abater sobre o Chile.


Hoje, olhando-se a História com calma, percebe-se o quanto os governos militares fizeram mal à América Latina, mesmo com uma parte considerável da população (principalmente, no Brasil) ainda apoiar tais regimes. Para eles, valeria uma assistida atenta em "Estado de Sítio", um exemplo claro de como a arte pode ser perene e relevante para entendermos nosso passado, e analisarmos o presente.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…