Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"VII - Strum und Drang" (2015)
Artista: Lamb of God.


Tudo intacto e no seu devido lugar. É isso o que pensa o ouvinte de longa data da banda Lamb of God ao ouvir apenas os segundos iniciais de "Still Echoes", primeira faixa do mais recente disco deles, "VII - Strum und Drang". A cadência, a bateria alucinada, os riffs certeiros e um vocal infernal. É, o Lamb of God não mudou muito (e isso pode ser bom ou ruim, dependendo do que você espera de um artista). A segunda música do trabalho, "Erase This", ainda mais pesada e rápida do que a anterior confirma: ame ou odeie, mas eles fazem música com muita competência.

E, olhem que o grupo passou, recentemente, por sérios problemas. Randy Blythe, o vocalista, foi acusado de ter causado a morte de um fã da banda na República Tcheca em um show em 2010. Preso dois anos depois, quando retornou ao país para tocar, foi julgado e inocentado. Some-se a isso, o baixista John Campbell ter precisado se afastar do Lamb of God em 2013 por problemas familiares.

Mas, como todo problema gera uma solução, esses acontecimentos serviram ainda mais para o amadurecimento deles (pelo menos, no som). Agora, depois de alguns discos lançados, já vemos a identidade do grupo bem dilapidada, com muitas influências, porém, sem soarem cópias. Conseguiram uma mescla do simples com o elaborado.


Bem, chegamos na terceira faixa, "512", cuja introdução lembra Iron Maiden (acreditem!). O vocal narrado parece algo épico. Até que o habitual peso toma conta. A banda está mais coesa do que nunca. O refrão alucinante, perfeito para shows. E, um solo curto, mas animalesco, de guitarra. Destaque do disco, sem dúvida.

"Embers". 4ª faixa. Introdução Thrash. Aqui, os vocais parecem um pouco Pantera. Sim, meus caros, já deu pra perceber: Randy Blythe está cantando de forma mais variada, e, queiram ou não queiram os juízes, o resultado ficou muito bom. Nenhuma invenção da roda, mas tudo absurdamente bem feito, acima da média. Até agora, não há o que reclamar.

Na música seguinte, "Footprints", o que dita o ritmo é a bateria monstruosa. Propositalmente ou não, é ela que prepara o terreno para a canção mais polêmica do álbum, "Overlord". Por que polêmica? Digamos que metade de seus 6 minutos é composta por uma balada, que muito me recordou o Metallica, fase "Load", e até um pouco do Alice in Chains. Problema nisso? Não! Ela é linda, e só desagrada a fãs xiitas, mesmo.

Ok, não gostou da balada deles? Calma que eles voltam com peso redobrado em "Anthropoid". Tipicamente Lamb of God, com um refrão para gritar junto, e momentos de "rodas punk" como tem que ser. Ah, e mais uma vez, parabéns a Randy Blythe. Suas interpretações são o que há de melhor nesse disco. Não desmerecendo o restante da banda, mais esse diferencial de interpretações dele ficou muito bem trabalhado.


"Engage the Fear Machine" é boa, mas poderia ter ficado melhor. A competência está lá, mas isso já virou obrigação do grupo. Não possuindo nenhum diferencial, além do "mais do mesmo", a canção é apenas passável. Sem problemas. É perdoável. Estamos já na oitava faixa. Querer excelência 100% do tempo não dá. Adiante.

Aí, chega "Delusion Pandemic", e a coisa ganha mais propriedade, mesmo mostrando o que já conhecemos. O ritmo do refrão é pegajoso, sendo somente interrompido por uma parte narrada do Randy (com bastante raiva, diga-se). O início de "Torches" remete, mais uma vez ao Metallica, e até algumas incursões de progressivo. Se levarmos em consideração que a banda está afiada instrumentalmente, então, concluímos: belo resultado.

Na versão deluxe do disco, temos duas faixas-bônus. "Wine and Piss" não tem muito o que dizer. É Lamb of God em estado bruto (literalmente). Já, "Nightmare Seeker" é arrastada e cadenciada, mas, assim como "Engage the Fear Machine" não possui destaques. Música simples e só. Ah, o que um pouco mais de capricho não faz...

Vale lembrar que o álbum possui participações especiais muito boas. Primeiro de Chino Moreno, dos Deftones, na música "Embers", e depois, Greg Puciato, do The Dillinger Escape Plan, na canção "Torches". Ambos contribuem para o resultado ficar ainda melhor, onde suas interpretações, por contrastarem com a de Randy Blythe, deixam as faixas bastante interessantes.


Sim, o Lamb of God sobreviveu, e lançou um ótimo trabalho para mostrar isso. Mesmo se repetindo em alguns pontos, é um disco que merece mais de uma escutada. Se há males que vêm para o bem, que, a partir de agora, a banda cresça ainda mais.

NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…