Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Marcas da Violência" (2005)
Direção: David Cronenberg.



Cronenberg é um diretor com estilo. Seus filmes têm uma carga autoral muito forte, e, mesmo os mais recentes, que possuem cenas mais comedidas e sutis, possuem aquela carga de outsider com o cineasta mostrou desde os primórdios, incluindo seu grande sucesso "A Mosca". Este "Marcas da Violência" pode ser definido com um meio termo de várias suas produções.

A estória original em quadrinhos é muito bem bolada e envolvente. Tratando de um típico pai de família que, aos poucos, vai mostrando sua verdadeira face, e desencadeia uma onda de violência sem limites, o enredo conta, de forma muito competente, como essa espiral de sangue afeta na vida das pessoas, e como atos violentos acabam caindo na banalidade do dia a dia.




Coube a Cronenberg realizar uma forte adaptação para cinema, e, de quebra, revigorou a carreira dele, que estava em baixa. Mas, convenhamos que, aqui, ele realmente caprichou. Primeiro, ele não precisa apelar para cenas excessivamente agressivas e gratuitas. As poucas que aparecem no filme têm função narrativa; não é o mero choque pelo choque.

Com isso, o cineasta pôde se ater mais à construção psicológica de seus personagens, em especial, Tom Stall (interpretado de forma excelente por um Viggo Mortensen pós-"Senhor dos Anéis"). E, o ator, de fato, não decepciona. Sua transformação de pacato cidadão de bem em alguém que nem a sua família conhecia é impressionante. Em certos momentos, só o olhar de Viggo mete medo no espectador!



Mas, é bom que se diga que as outras atuações também são muito válidas. Maria Bello faz bem a esposa desesperada, que não sabe como lidar com a atual condição do marido, enquanto Ashton Holmes interpreta competentemente um filho que, mesmo hprrizido com o pai, mostra-se com potencial tão violento quanto ele.

Talvez, o que mais o filme erre seja na construções dos grandes bandidos. Carl Fogarty (feito por Ed Harris) e Richie Cusack (interpretado por William Hurt) são personagens interessantes, mas que serviram, na trama, apenas como ponte para desencadear a violência do interior de Tom. Nada mais. Grande desperdício, diga-se.



No entanto, é na forma como o diretor mostra a chamada "família perfeita norte-americana" que Cronenberg ganha pontos. A ironia de mostrar as fachadas sociais, quando, na realidade, coisas terríveis podem estar sendo escondidas até no seio daquela família mais tradicional, oferece boas reflexões a respeito das relações humanas.


No geral, "Marcas da Violência" é um ótimo filme, não sendo o melhor da fase recente de Cronenberg (posto, esse, que vai para "Senhores do Crime"). Porém, é uma produção vigorosa, e até ousada para os padrões atuais de Hollywood, que está, cada vez mais, presa a fórmulas prontas.

NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…