Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A Classe" (2007)
Direção: Ilmar Raag.


Linhas tênues precisam ser quebradas, vez ou outra. O risco é alto, mas, com isso, consegue-se fazer um debate mais amplo e profundo sobre assuntos que, geralmente, são tratados com superficialidade. Mas, não é fácil. A má-fé faz de uma boa abordagem algo distorcido, muitas vezes, distanciando-se do objetivo inicial. E, é assim que "A Classe" se insere.

É um filme bastante pertinente, mas não é para qualquer um assistir. Fica muito evidente que a interpretação que se pode tirar daqui seja o da violência pela violência. Só que, com um pouco de cuidado, vê-se que não é isso o que a produção se propõe. Longe de ser apelativa, ela mostra como a humilhação e o sofrimento podem afetar a mente de toda e qualquer pessoa.



Mas, não só isso. A partir do momento em que o enredo conta como Joosep passa a ser protegido por Kaspar, seu colega de classe, dos abusos dos outros alunos, o longa dialoga com outros assuntos, como a piedade e o altruísmo. Também se foca muito em como se pode ser covarde quando se está em grupo.

As sequências de humilhações são indigestas, nauseantes, mas não gratuitas. Provocam a revolta necessária, sem causar desequilíbrio na mensagem. Isso só é possível porque o filme consegue bem cuidado na construção não só dos personagens, mas do universo que os cercam. Kaspar, por exemplo, mora com um avó que até tentar conversar com ele, mas sem o menor tato.



Já, a vida de Joosep é mais complicada. Taxado como o "esquisito" do colégio, ele vive com uma mãe histérica, que não consegue entender a violência pela qual ele passa, e um pai que é pior ainda: adepto da caça, vive incentivando o filho a reagir da forma mais agressiva possível. É um típico machista estúpido, como vemos tantos por aí.

Com esse mosaico de personagens, o filme poderia ter caído facilmente no maniqueísmo, o que, felizmente, não faz. Todo soa (desconcertantemente) natural. E, é essa fluidez que permite indagar algumas questões, como até qual limite aguentamos uma violência até reagirmos ou se há algum atenuante quando, finalmente, revidamos, mesmo que de forma desproporcional.



É nesse ponto que "A Classe" se torna perigoso, e nem todos compreenderão suas sutilezas, suas minúcias. Com desleixo, podemos até pensar que o longa é uma ode à violência e à vingança. Mas, não é. Pois, a todo momento, Kaspar e Joosep tentam se manter quietos e calmos, na esperança de terem alguma paz.

Não é a reação posterior dos dois o mote do filme, e sim, como atitudes cruéis e covardes podem acabar com alguém, e, principalmente, como a irresponsabilidade de quem está ao redor ajuda nesse processo de destruição. Afinal, pais e professores, aqui, mostram-se inaptos para cuidarem de uma situação como essa. A culpa maior, portanto, não recai sobre Kaspar e Joosep.



Mesmo com essas ressalvas, é necessário assistir "A Classe". Está no mesmo patamar de outros "socos no estômago" que analisam a questão da violência, como "A Outra História Americana" e "Clube da Luta". E, coincidentemente, assim como eles, também corre o risco de se tornar incompreendido por um bom tempo. Comecemos, então, a dar o devido valor que este impactante filme merece.

NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…