Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Cemitério dos Vagalumes" (1988)
Direção: Isao Takahata.


Falar de guerras no cinema pode soar clichê. Quando envolve crianças, então, parece que a coisa já virá viciada com aquela manipulação dramática de melodrama. Mas, existem ocasiões em que certas estórias devem ser contadas, mesmo correndo esse risco. Só que o resultado de algumas fica tão fascinante que a emoção vem natural, e não forçada, mesmo que numa aura bastante triste.

"O Cemitério dos Vagalumes" é extremamente lindo. E, intenso. Dos primeiros segundos, quando vemos o jovem Seita caído no chão, como um mendigo, nosso envolvimento com estória e personagens é total. Mas, não esperem sentimentalismos baratos ou maniqueísmos fáceis. Cada cena tem o peso dramático que a narrativa exige, e isso vale não polpar o espectador com situações fortes.



E, logo no início, sem a mínima cerimônia, já sabemos o destino de Seita. Um destino que se torna ainda mais cruel após vermos ele tentando sobreviver aos horrores da guerra junto com a sua irmãzinha Setsuko. A animação não economiza em cenas de difícil digestão, principalmente, quando mostra um dos personagens enfaixado e ensanguentado, devido às explosões.

Como párias num ambiente hostil, Seita e Setsuko vão ganhando a antipatia da tia, que lhes deu abrigo, mas exige que sejam mais produtivos, principalmente, em tempos tão difíceis. E, cada vez mais os irmãos vão tentando levar a vida da maneira mais independente possível, contra tudo e contra todos.



Esse, por sinal, é um aspecto, interessante do filme. Existem os vilões, que bombardeiam a cidade, e tornam a vida das pessoas muito complicada, mas os próprios moradores dela se mostram péssimos seres humanos. Não raro, Seita e Setsuko passam fome, e não conseguem a ajuda de ninguém, cada um mais preocupado com a própria sobrevivência.

Nesse meio tempo, os irmãos vão, ao menos, tentando se sustentar como podem, e, acima de tudo, preservar aquilo que tentam tirar deles a todo momento: a inocência. A forma com que tentam enxergar a vida, sempre com beleza, é um banho de bálsamo no espectador, que, diante de tanta tragédia e mesquinhez, ainda vislumbra algum conforto pela visão deles.



Mas, tal inocência vai cobrando seu preço, e começamos a questionar quem é o verdadeiro algoz numa guerra, e até que ponto chega a barbárie, seja do opressor, seja daquele que se sente oprimido. É duro ver a saga de duas crianças num mundo desses. É muito triste, mas absolutamente necessário, pois nos lembra a importância das coisas pequenas, dos mínimos gestos.

Definitivamente, "O Cemitério dos Vagalumes" não é uma animação para crianças, apesar de ser sobre elas. Levando-se em consideração que o filme foi baseado num romance homônimo de Akiyuki Nosaka, escrito a partir de sua experiência pessoal, a produção ganha ainda mais peso e pungência. Poderoso, talvez seja a palavra mais adequada.



Chorar faz parte, e não é demérito pra ninguém. Aqui, não tem como. A estória é tão singela e sofrida, que não nos resta outra alternativa a não ser dar vasão às nossas emoções. Sublime em todos os aspectos, "O Cemitério dos Vagalumes" nos relembra de nossa frágil humanidade, mas que, mesmo em tempos difíceis, precisamos de uma certa dose de inocência.

NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…