Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Cemitério dos Vagalumes" (1988)
Direção: Isao Takahata.


Falar de guerras no cinema pode soar clichê. Quando envolve crianças, então, parece que a coisa já virá viciada com aquela manipulação dramática de melodrama. Mas, existem ocasiões em que certas estórias devem ser contadas, mesmo correndo esse risco. Só que o resultado de algumas fica tão fascinante que a emoção vem natural, e não forçada, mesmo que numa aura bastante triste.

"O Cemitério dos Vagalumes" é extremamente lindo. E, intenso. Dos primeiros segundos, quando vemos o jovem Seita caído no chão, como um mendigo, nosso envolvimento com estória e personagens é total. Mas, não esperem sentimentalismos baratos ou maniqueísmos fáceis. Cada cena tem o peso dramático que a narrativa exige, e isso vale não polpar o espectador com situações fortes.



E, logo no início, sem a mínima cerimônia, já sabemos o destino de Seita. Um destino que se torna ainda mais cruel após vermos ele tentando sobreviver aos horrores da guerra junto com a sua irmãzinha Setsuko. A animação não economiza em cenas de difícil digestão, principalmente, quando mostra um dos personagens enfaixado e ensanguentado, devido às explosões.

Como párias num ambiente hostil, Seita e Setsuko vão ganhando a antipatia da tia, que lhes deu abrigo, mas exige que sejam mais produtivos, principalmente, em tempos tão difíceis. E, cada vez mais os irmãos vão tentando levar a vida da maneira mais independente possível, contra tudo e contra todos.



Esse, por sinal, é um aspecto, interessante do filme. Existem os vilões, que bombardeiam a cidade, e tornam a vida das pessoas muito complicada, mas os próprios moradores dela se mostram péssimos seres humanos. Não raro, Seita e Setsuko passam fome, e não conseguem a ajuda de ninguém, cada um mais preocupado com a própria sobrevivência.

Nesse meio tempo, os irmãos vão, ao menos, tentando se sustentar como podem, e, acima de tudo, preservar aquilo que tentam tirar deles a todo momento: a inocência. A forma com que tentam enxergar a vida, sempre com beleza, é um banho de bálsamo no espectador, que, diante de tanta tragédia e mesquinhez, ainda vislumbra algum conforto pela visão deles.



Mas, tal inocência vai cobrando seu preço, e começamos a questionar quem é o verdadeiro algoz numa guerra, e até que ponto chega a barbárie, seja do opressor, seja daquele que se sente oprimido. É duro ver a saga de duas crianças num mundo desses. É muito triste, mas absolutamente necessário, pois nos lembra a importância das coisas pequenas, dos mínimos gestos.

Definitivamente, "O Cemitério dos Vagalumes" não é uma animação para crianças, apesar de ser sobre elas. Levando-se em consideração que o filme foi baseado num romance homônimo de Akiyuki Nosaka, escrito a partir de sua experiência pessoal, a produção ganha ainda mais peso e pungência. Poderoso, talvez seja a palavra mais adequada.



Chorar faz parte, e não é demérito pra ninguém. Aqui, não tem como. A estória é tão singela e sofrida, que não nos resta outra alternativa a não ser dar vasão às nossas emoções. Sublime em todos os aspectos, "O Cemitério dos Vagalumes" nos relembra de nossa frágil humanidade, mas que, mesmo em tempos difíceis, precisamos de uma certa dose de inocência.

NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…