Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Casamento de Maria Braun" (1979)
Direção: Rainer Werner Fassbinder.


Por mais que se queira negar, a figura feminina no cinema, com suas honrosas exceções, sempre foi colocada de uma forma distorcida, machista, enfim. Trata-se da velha estória da mocinha que é salva pelo herói de um grande bandido. A personalidade de muitas personagens femininas nos filmes é fraca, limitando-se a ser, às vezes, o alívio cômico de inúmeros enredos. Mas, há aqueles que espantam por mostrarem uma mulher verdadeiramente forte.

Maria Braun está nesse seleto grupo. Em meio à Segunda Guerra, ela se casa com Hermann, por quem nutre um amor, que, apesar do pouco tempo que se conheceram, parece já ser bem consolidado (pelo menos, na cabeça de Maria). Tanto é que, com o desaparecimento dele em combate, ela não desiste de procurá-lo. Atravessa ruínas e mais ruínas, pendurando um cartaz com a foto e o nome de Hermann.



Nesse meio tempo, começamos a vislumbrar o caráter da protagonista, que não se deixa abater por adversidades, muito menos, dobra-se diante de uma sociedade que, mesmo numa guerra, coloca-se como conservadora e castradora. Para se ter uma ideia, a total contragosto de sua mãe, Maria Braun decide ir trabalhar num cabaré, pois, com a difícil situação atual, precisa de dinheiro para sobreviver. O bom disso, é que ela não demonstra arrependimento, nem depressão por causa disso. Sempre tranquila e alegre, ela diz que se é preciso fazer, que seja, e pronto.

A empatia com a personagem principal é impressionante. O roteiro faz questão de não julgá-la em nenhum momento, mesmo quando ela toma atitudes ainda hoje condenadas pelos mais conservadores. Na realidade, Maria Braun não é retratada nem como heroína, nem como vilã; apenas uma pessoa comum, cheia de vida, e que sabe muito bem como funcionam os jogos de poder, principalmente, entre homens e mulheres.



E, até mesmo os personagens masculinos que se sujeitam aos "caprichos" da protagonista têm, de alguma forma, uma personalidade forte. Reconhecem que são apaixonados por ela, e um deles, realmente, mostra-se com um amor genuíno por ela, mas isso não é usado para depreciar os homens, que também são tratados com muita humanidade pela estória. E, essa é uma característica inerente a este filme: o senso aguçado do humano e das necessidades das pessoas em tempos difíceis.

Tudo pontuado por cenas muito bem construídas. Fassbinder faz aqui o que talvez seja o seu melhor filme, tanto em termos ideológicos, quanto em questões técnicas. A música, a (muitas vezes) sinuosa câmera, que traz um panorama interessante de cada cenário, as falas; tudo está, intimamente ligado, e a sensação é de que não falta absolutamente nada nas duas horas do filme. Tudo o que precisou ser contado, da forma como foi, está ali, diante de nossos olhos.



Sendo um recorte peculiar do período pós-guerra, "O Casamento de Maria Braun" nos leva à reflexões que vão desde a necessidade de um relacionamento, de uma companhia, até o senso de liberdade, tão importante, mas também tão pouco exercido em uma sociedade repleta de pudores. "Quando se está triste, a felicidade dos outros parece imoral", diz, num determinado momento, um dos personagens.



Mesmo sendo uma produção com ritmo, e até fácil de assistir, ela também é, proporcionalmente, poderosa na sua mensagem, e acerta em cheio as ideias (pré)concebidas dos espectador. Estáticos, mas maravilhados com Maria Braun, queremos que todos possamos viver como ela, sem amarras, mostrando, desde o início, seus desejos. Uma personagem, enfim, inteligente e audaciosa, ou, simplesmente, fascinante.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…