Pular para o conteúdo principal
Especial
10 Discos que Mudaram a Música Popular com Apenas uma Canção

Existem discos clássicos, em que todas as músicas são simplesmente formidáveis. Mas, há aquele seleto grupo de grandes obras, que foram importantes por causa de apenas uma canção. Sendo influência primordial para as gerações seguintes, uma composição, apenas, pode ter o poder de moldar toda a identidade de um gênero musical. Por isso, esta lista se presta a relacionar essas músicas que foram importantes (dentro do seu estilo), mas sem desmerecer os álbuns aos quais elas pertencem.

Boa viagem...


10º
Música: "Thriller"
Disco: "Thriller"
Ano: 1982
Artista: Michael Jackson
Estilo que moldou: pop


Este é um dos raros casos em que uma música ultrapassou a importância do seu som para influenciar outras mídias. É impossível dissociar "Thriller" de seu fantástico videoclipe, praticamente um curta-metragem de terror, dirigido por ninguém menos que John Landis ("Um Lobisomen Americano em Londres") e narrado pelo ator Vincent Price, com sua indefectível voz. Até hoje a música pop colhe os frutos desta canção, mas, sem nunca ter atingido o seu grau de qualidade.


Música: "Epic"
Disco: "Real Thing"
Ano: 1989
Artista: Faith no More
Estilo que moldou: rock misturado com rap



Sim, "Walk This Way", do Aerosmith com o Run DMC, já tinha feito grande sucesso ao unir o rock pesado com o rap, mas foi com "Epic" que a coisa se tornou (com o perdão do trocadilho) épica! Com o malucão Mike Patton à frente da banda (recém-chegado ao grupo), seus shows eram uma catarse coletiva, e essa energia se refletia bem neste disco, em especial, "Epic". Só não culpem o Faith no More por coisas do tipo Korn ou Limp Bizkit anos depois. Tem gente que não aprende bem a lição.


Música: "The Number of the Beast"
Disco: "The Number of the Beast"
Ano: 1982
Artista: Iron Maiden
Estilo que moldou: heavy metal clássico



Antes do Iron lançar seu primeiro disco, ainda com Paul D'ianno nos vocais, outras bandas já vinham com um estilo de rock pesado bastante definido, como Scorpions e Judas Priest. Mas, foi quando o carismático Buce Dickinson assumir o posto de frontmen da banda, que o heavy metal nunca mais seria o mesmo. Logo o primeiro disco dele à frente do grupo tem como carro-chefe "The Number of the Beast", que com sua levada rápida e temática sombria influenciou 9 entre 10 headbangers desde então. O Deus Metal agradece!


Música: "Bohemian Rhapsody"
Disco: "A Night the Opera"
Ano: 1975
Artista: Queen
Estilo que moldou: rock misturado com música clássica



Gosta daquele violino ou daquele valsete de tenor naquela música de metal preferida? Então, deva até a última linha de sua guitarra Fender ao Queen, que uniu, de maneira brilhante, duas vertentes musicais tão distintas. De tão boa, Freddy Mercury se recusava a tocá-la muito ao vivo, por achá-la complexa demais. Ah, e o clipe é clássico, mostrando a banda no auge.


Música: "Britzkrieg Bop"
Disco: "Ramones"
Ano: 1976
Artista: Ramones
Estilo que moldou: punk



Ok, a fúria dos Sex Pistols e o ecletismo do The Clash eram demais. Só que foi o Ramones e a sua pedra fundamental "Britzkrieg Bop" que verdadeiramente influenciaram o punk para sempre. E, com apenas dois minutos de duração. Quem nunca entrou numa roda de punk depois do grito de guerra "Hey ho! Let's go!", que atire a primeira pedra.


Música: "Panis et Circenses"
Disco: "Os Mutantes"
Ano: 1967
Artista: Mutantes
Estilo que moldou: rock brasileiro



Composta por Gilberto Gil e Caetano Veloso, e magnificamente interpretada pelos Mutantes, "Panis et Circenses" elevou o rock brazuca às alturas, ainda em estágio muito baixo devido à Jovem Guarda. Foi só a partir daqui que as guitarradas ganharam um tom mais adulto e provocador. Muitas bandas indies no Brasil de hoje são netas diretas dessa influência, além de todo bom rock feito neste país tropical.


Música: "I Wanna Be Your Dog"
Disco: "Stooges"
Ano: 1969
Artista: Stooges
Estilo que moldou: punk, protopunk, pós-punk e até os que querem ser punk



Se "Britzkrieg Bop" foi a máxima da simplicidade para o punk fazer música, anos antes, "I Wanna Be Your Dog" foi além, e mostra tudo o que os punks (até hoje) não conseguiram em termos de liberdade, loucura e anarquismo. Ter um doido como Iggy Pop como vocalista ajuda bastante, principalmente quando seus shows são a ode ao fim do mundo. Grande Stooges.


Música: "Smells Like Teen Spirit"
Disco: "Nevermind"
Ano: 1991
Artista: Nirvana
Estilo que moldou: rock alternativo



Num mundo infestado mais de pose do que de conteúdo, o Nirvana veio como o filho rebelde que deu alento à boa música que ainda iria ser feita nos anos 90. Os primeiros acordes de "Smells Like Teen Spirit" foram a catarse necessária para que o público prestasse mais atenção no underground do que no mainstream. Claro, tamanho sucesso e importância cobraram seu preço a Kurt Cobain, mas, sem dúvida, o legado deixado por essa música está longe do fim.


Música: "I Wanna Be Adored"
Disco: "Stone Roses"
Ano: 1989
Artista: Stone Roses
Estilo que moldou: britpop



Oasis, Blur, Stereophonics, Supergrass, e toda e qualquer banda de rock britânico dos anos 90 beberam nessa fonte. "I Wanna Be Adored" é a vida do britpop, desde os vocais rasgados, até a bateria seca, passando pelas guitarras minimalistas. Vendeu muito à época, mas a banda não conseguiu se recuperar da exposição que teve devido ao enorme sucesso, e durou apenas mais um disco.


Música: "Like a Rolling Stone"
Disco: "Highway 61 Revisited"
Ano: 1965
Artista: Bob Dylan
Estilo que moldou: todo e qualquer rock que tenha a honra de ser rock



O legado e a importância de "Like a Rolling Stone" não tem limites. Pra começar, num tempo em que o rock primava por composições mais simples, que não duravam mais do que três minutos, Bob veio com uma música de tema complexo e "viajante", embalada em seis longos (e espetaculares) minutos de duração. Some-se a isso o fato da canção ter inspirado o nome de uma das maiores bandas de todos os tempos. Depois dela, a ousadia no rock (e na música pop, em geral) já não tinha mais freios. O músico e compositor Paul Williams resume bem essa época de Dylan: "Ele era até mais do que os Beatles, um símbolo público das grandes mudanças geracionais na cultura e na política que ocorrem nos Estados Unidos e Europa. Ele era visto como, e em muitos aspectos, se fosse como um líder." Precisa dizer mais?

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…