Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Shortbus" (2005)
Direção: John Cameron Mitchell.


As necessidades humanas; tão frágeis e tão desconcertantes, que buscamos por elas com frequência. Pode parecer vaidade, mas, é só carência. Pode ser extravagância, porém, acaba sendo a busca por um sentido real da vida. A corrida pelo prazer, a obrigatoriedade do carnal, das paixões, cada vez precisando ser mais profundas, mais sinceras, mais espontâneas. Em linhas gerais, é mais ou menos disso que trata "Shortbus".

Engana-se quem pensa que se trata de um filme erótico, ou uma mera comédia. Mas, não se culpem; ele foi vendido assim, e justamente por isso, foi um pouco mal-interpretado quando estreou nos cinemas. Só que essa confusão parece ter sido proposital. O diretor (e, também roteirista) John Cameron embalou reflexões bastante dolorosas em cenas leves, despojadas. Durante uma "brincadeira", por exemplo, um dos personagens diz: "Com 11 anos, eu escrevia um diário, e hoje me pego desejando as mesmas coisas dessa época."




Não há um protagonista aqui. Talvez a que mais se aproxima dessa definição seja Sofia, uma terapeuta de casais, com dificuldades de conseguir um orgasmo. Ao redor dela, transitam pessoas como James e Jamie, dois homens que estão enfrentando um crise no relacionamento, principalmente, devido à depressão de um deles. Há ainda Severin, uma dominatrix que tentar ajudar Sofia, mas também possui seus problemas existenciais.

Eles, e tantos outros, encontram-se no Shortbus, um clube no "inferninho" de Nova York que recebe com alegria todos aqueles que são rejeitados pela sociedade. Lá, tentam se enturmar, procurar seus nichos, grupos do qual se sintam bem. Falam de suas angústias, sofrimentos e decepções. E, transam (muito). Como uma válvula de escape, sem pudores, preconceitos ou qualquer tipo de amarra, sentem-se um pouco livres por compartilharem momentos tão íntimos.




Essas cenas, mesmo explícitas, por incrível que pareça, não são apelativas. É como um "Azul é a Cor Mias Quente" mais diversificado, digamos assim. As cenas de maior empatia sexual se dão entre James, Jamie e um novo parceiro que conheceram no clube, Ceth. Ajudou muito o diretor ter usado atores amadores para o filme, que ele escolheu numa seleção de vídeos, onde cada um descrevia uma experiência sexual importante que tiveram.

A trilha sonora, um indie do "bem", é quase um personagem à parte. Traduz com naturalidade o estado de espírito de cada um, e transmite uma boa mensagem de harmonia; ao final, o objetivo principal de "Shortbus" (tanto o clube, quanto o filme, diga-se). E, as estórias individuais, mesmo parecendo diferentes entre si, completam-se num mosaico de diversidades, onde se mostra o quanto as pessoas são frágeis, contudo, persistentes.




Pode até ser considerado um filme fácil de assistir (mesmo depois do espectador ser surpreendido com "alfinetadas" sobre a vida), porém, com certeza, não é uma produção simplista. Fala mais do que se percebe; estimula mais do que aparenta. Uma pequena pérola do cinema independente recente que, de fato, instiga e é bem interessante.



NOTA: 8,5/10. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…