Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Capitalismo: Uma História de Amor" (2010)
Direção: Michael Moore.


Falar mal do capitalismo virou lugar-comum, indiscutivelmente. Não que o sistema não mereça críticas, é que elas, geralmente, veem embaladas em tanto radicalismo e superficialidade quanto os elogios de seus mais ferrenhos admiradores. Ficamos então na escolha do "menos ruim", do argumento "menos viciado". Michael Moore, conhecido por suas produções sempre provocativas, tenta aqui lançar um olhar um pouco mais equilibrado sobre o tema, partindo do pressuposto do que causou a crise financeira de 2008.

Uma das várias críticas (bem colocadas) se referem ao mercado de hipotecas financiado por grandes bancos, como o CITIBANK, e que resultam, muitas vezes, na desapropriação da casa pelos donos. Algo realmente escandaloso, e que o documentarista explora de maneira eficaz, mostrando os meandros desse tipo de sistema, onde os grandes conglomerados financeiros sempre saem ganhando. As filmagens, com diversas famílias sendo desalojadas, são muito eficientes, e evitam o melodrama. Mostram apenas pessoas revoltadas com um verdadeiro roubo que sofreram.




O documentário também explora assuntos interessantes, sobre as características básicas do Capitalismo, inclusive, com a falácia de que todos, sem distinção, podem ser ricos. Isso, claro, é mostrado como o que é, de fato: um sonho, uma ilusão vendida nas propagandas. O lugar cada um, na verdade, já está, pré-estabelecido, como em castas sociais. A falta desse "sucesso capitalista" gera, na verdade, frustração, e, por isso, muitos tentam outros caminhos, seja através das já faladas hipotecas, seja através da criminalidade.

Outro aspecto muito bem conduzido pelo documentário é a relação das empresas com seus funcionários, desde o direito à greves e reivindicações, passando por demissões em massa, quando o prometido pelo "sonho capitalista" foi justamente o contrário. Um caso específico dá conta de apólices de seguro sem o conhecimento dos empregados, e quando estes morrem, é a empresa que lucra, ficando com o dinheiro do seguro. Um escândalo assombroso, e que envolveu, na época, instituições como a American Express e a Hershey's.




Claro que o lado político também iria entrar na ácida produção de Moore, mostrando, entre outros absurdos, gerentes da Bolsa de Valores infiltrados diretamente na política, um, inclusive, sendo Ministro do Tesouro Nacional. Conveniente, não? É daí que surge a proposta da tão divulgada "ajuda" aos bancos norte-americanos na quantia inacreditável de 700 bilhões de dólares. É impagável, por sinal, a sequência em que o cineasta vai de banco em banco com uma sacola tentando "reaver" o dinheiro do contribuinte. Sarcasmo puro.

Mas, também o documentário peca em algumas coisas um tanto forçadas, um tanto maniqueístas. Música dramática para pontuar o drama de algumas pessoas é, honestamente, desnecessário, pois os acontecimentos, por si, são absurdos, e não careciam de tal artifício. Quando a produção cita a vitória de Barack Obama à presidência dos EUA, esse subterfúgio também é usado, e, mais uma vez, sem necessidade. São coisas que se não acabam diluindo a crítica que Moore quer passar, pouco contribuem para que entendamos a complexidade do sistema.



Felizmente, o tempo, em outros aspectos, parece ter feito bem ao diretor. Ele está menos presente na frente da câmera, o que dilui aquela sensação de egocentrismo nas suas produções anteriores. Também está mais irônico, e até mais sutil, utilizando, algumas vezes, do humor para passar a sua mensagem. Isso, com certeza, acaba deixando a narrativa mais fluida, sem pesar tanto a mão. E, os especialistas que ele entrevista, realmente, lançam uma boa luz num assunto, aparentemente, batido e sem grandes novidades.

No desfecho, Michael Moore faz um pedido: "Não posso fazer nada sozinho. Juntem-se a mim". E, de fato, ele não está sozinho. Isso é muito bem pontuado nas "alternativas" mostradas na parte final do documentário, onde, por exemplo, empregados demitidos de uma empresa, unem-se e formam uma cooperativa, na qual todos têm fez e voz. O Capitalismo, enfim, vai continuar fazendo parte de nossas vidas, ativamente. Mas, isso não significa que devamos nos calar diante de seus (inúmeros) erros. Moore, um provocador nato, que o diga.


Nota: 8/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…