Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Capitalismo: Uma História de Amor" (2010)
Direção: Michael Moore.


Falar mal do capitalismo virou lugar-comum, indiscutivelmente. Não que o sistema não mereça críticas, é que elas, geralmente, veem embaladas em tanto radicalismo e superficialidade quanto os elogios de seus mais ferrenhos admiradores. Ficamos então na escolha do "menos ruim", do argumento "menos viciado". Michael Moore, conhecido por suas produções sempre provocativas, tenta aqui lançar um olhar um pouco mais equilibrado sobre o tema, partindo do pressuposto do que causou a crise financeira de 2008.

Uma das várias críticas (bem colocadas) se referem ao mercado de hipotecas financiado por grandes bancos, como o CITIBANK, e que resultam, muitas vezes, na desapropriação da casa pelos donos. Algo realmente escandaloso, e que o documentarista explora de maneira eficaz, mostrando os meandros desse tipo de sistema, onde os grandes conglomerados financeiros sempre saem ganhando. As filmagens, com diversas famílias sendo desalojadas, são muito eficientes, e evitam o melodrama. Mostram apenas pessoas revoltadas com um verdadeiro roubo que sofreram.




O documentário também explora assuntos interessantes, sobre as características básicas do Capitalismo, inclusive, com a falácia de que todos, sem distinção, podem ser ricos. Isso, claro, é mostrado como o que é, de fato: um sonho, uma ilusão vendida nas propagandas. O lugar cada um, na verdade, já está, pré-estabelecido, como em castas sociais. A falta desse "sucesso capitalista" gera, na verdade, frustração, e, por isso, muitos tentam outros caminhos, seja através das já faladas hipotecas, seja através da criminalidade.

Outro aspecto muito bem conduzido pelo documentário é a relação das empresas com seus funcionários, desde o direito à greves e reivindicações, passando por demissões em massa, quando o prometido pelo "sonho capitalista" foi justamente o contrário. Um caso específico dá conta de apólices de seguro sem o conhecimento dos empregados, e quando estes morrem, é a empresa que lucra, ficando com o dinheiro do seguro. Um escândalo assombroso, e que envolveu, na época, instituições como a American Express e a Hershey's.




Claro que o lado político também iria entrar na ácida produção de Moore, mostrando, entre outros absurdos, gerentes da Bolsa de Valores infiltrados diretamente na política, um, inclusive, sendo Ministro do Tesouro Nacional. Conveniente, não? É daí que surge a proposta da tão divulgada "ajuda" aos bancos norte-americanos na quantia inacreditável de 700 bilhões de dólares. É impagável, por sinal, a sequência em que o cineasta vai de banco em banco com uma sacola tentando "reaver" o dinheiro do contribuinte. Sarcasmo puro.

Mas, também o documentário peca em algumas coisas um tanto forçadas, um tanto maniqueístas. Música dramática para pontuar o drama de algumas pessoas é, honestamente, desnecessário, pois os acontecimentos, por si, são absurdos, e não careciam de tal artifício. Quando a produção cita a vitória de Barack Obama à presidência dos EUA, esse subterfúgio também é usado, e, mais uma vez, sem necessidade. São coisas que se não acabam diluindo a crítica que Moore quer passar, pouco contribuem para que entendamos a complexidade do sistema.



Felizmente, o tempo, em outros aspectos, parece ter feito bem ao diretor. Ele está menos presente na frente da câmera, o que dilui aquela sensação de egocentrismo nas suas produções anteriores. Também está mais irônico, e até mais sutil, utilizando, algumas vezes, do humor para passar a sua mensagem. Isso, com certeza, acaba deixando a narrativa mais fluida, sem pesar tanto a mão. E, os especialistas que ele entrevista, realmente, lançam uma boa luz num assunto, aparentemente, batido e sem grandes novidades.

No desfecho, Michael Moore faz um pedido: "Não posso fazer nada sozinho. Juntem-se a mim". E, de fato, ele não está sozinho. Isso é muito bem pontuado nas "alternativas" mostradas na parte final do documentário, onde, por exemplo, empregados demitidos de uma empresa, unem-se e formam uma cooperativa, na qual todos têm fez e voz. O Capitalismo, enfim, vai continuar fazendo parte de nossas vidas, ativamente. Mas, isso não significa que devamos nos calar diante de seus (inúmeros) erros. Moore, um provocador nato, que o diga.


Nota: 8/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…