Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Para Iluminar a Cidade" (1972)
Artista: Jorge Mautner.


Ser humano fascinante, Mautner nunca se limitou na sua arte, e pode, sem dúvida, ser colocado no rol dos "malditos da MPB", ao lado de gente como Tom Zé. Um cara de vanguarda? Pode ser. Ele, provavelmente, aceita bem a definição. Mas, ainda assim, é limitado para o talento dele. Tanto é que, a despeito de sua música atemporal, o homem já foi regravado por Caetano Veloso ("O Vampiro"), Gilberto Gil e Chico Science & Nação Zumbi ("Maracatu Atômico"), Gal Costa ("Lágrimas Negras") e Lulu Santos ("Samba dos Animais").

Some-se isso a uma necessidade quase biológica em ser cosmopolita. Não, meus caros, não tem nada de "fake" aqui. Com pais de origem européia, Mautner nasceu pouco tempo depois de seus pais desembarcarem no Brasil. Ele mesmo diz: "Nasci aqui um mês depois de meus pais chegarem ao Brasil, fugindo do Holocausto". Pra completar, o candomblé passa a ter forte influência em sua vida graças à sua babá Lúcia, que era ialorixá. Era quase certo que ele enveredaria para a arte, e que ela seria uma miscelânea única. Dito e feito. E, um dos melhores exemplos está no disco "Para Iluminar a Cidade".

Foi o primeiro gravado por Mautner, e ainda por cima, ao vivo, no Teatro Opinião, do Rio de Janeiro. Inclusive, o texto da contracapa é de ninguém menos que Caê. Eis um trecho: "Acabou-se o tropicalismo. Em Londres, apareceu Jorge Mautner com um guarda-chuva. Gostei logo dele porque ele é uma figura incrível e também porque ele foi logo me fazendo umas profecias muito boas (e que felizmente deram certo). Suas canções têm um cheiro de liberdade criadora que eu só encontrara em Jorge Ben."


De fato, "Para Iluminar a Cidade" é um trabalho delicioso, tendo como destaques as cadenciadas "Super Mulher" e "Estrela da Noite". A aura mística que essas faixas emanam é algo muito singular, e só escutando para sentir a realidade delas. E, claro, sempre com o seu indefectível violino a tiracolo, sua marca registrada até hoje. Todas as canções possuem uma poesia muito própria, a exemplo de "Olhar Bestial" e "Chuva Princesa". Lindíssimas, apesar de curtas, mas, talvez, por isso mesmo, sejam tão boas: dão a vontade de que fossem maiores.

"Anjo Bestial" tem muito de sonoridade afro, o que demonstra bem uma de suas mais importantes influências. Vale lembrar que um dos que participam do disco é o incrível Nelson Jacobina, tocando violão e guitarra, e ele arrasa no final de "Anjo Bestial". Já, a música "Quero ser Locomotiva" é engraçada e brinca com a métrica das palavras e suas sonoridades. Faixa bastante inusitada (ou melhor, nem tanto assim, em se tratando de uma criatura como Jorge Mautner).

Cantada em inglês, "Sheridan Square" é apenas bonita, e muito normal. Não condiz com as vibrações do artista em questão. "From Faraway", composta em parceria com Caetano, segue a mesma linha, o que é uma pena, pois o álbum vinha num louco e perturbador orgasmo mental com músicas verdadeiramente instigantes, para desembocar em canções até boas, mas, não mais que isso. Felizmente, o trabalho se encerra com a inspirada "Sapo Cururu", adaptação de nosso folclore. Belo desfecho.


Mautner, até hoje, prossegue inquieto, tanto quanto Tom Zé, Elza Soares e outros heróis da resistência. E, o disco "Para Iluminar a Cidade" é o seu atestado inquestionável de genialidade. Realmente, que maravilhosos tempos em que boa parte da nossa MPB realmente se preocupava em fazer algo relevante, ou, ao menos, perene por um longo tempo.

Salve Jorge Mautner!


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…