Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Lúcia e o Sexo" (2001)
Direção: Julio Medem.


Falar de sexo no cinema é sempre complicado. O tabu impede, cria travas, censura, restringe, enfim. Os recentes boicotes sofridos por "Azul é a Cor Mais Quente" e "Ninfomaníaca" comprovam muito bem isso. Mas, ainda existem aquelas produções, que a despeito de todo o puritanismo vigente, conseguem entregar uma estória excitante, mas, ao mesmo tempo, com bastante conteúdo. É o caso do espanhol "Lúcia e o Sexo".

O que, aparentemente, é um mero caso entre a garçonete Lúcia e o escrito Lorenzo, desemboca numa trama muito bem arquitetada. Encontros e desencontros, problemas do passado, a necessidade de manter as paixões acessas, e até a redenção por erros cometidos são colocados no roteiro de maneira muito inteligente e inusitada. E, ainda com uma pitada de metalinguagem, visto, que, muitas vezes, a própria estória se confunde com o livro que Lorenzo está escrevendo atualmente.




E, esse jogo entre realidade e ficção é um dos grandes trunfos da produção, além de mostrar personagens muito bem construídos e cativantes ao espectador. Lúcia, com o su jeito amalucado de se portar, é uma pessoa da qual torcemos pela sua felicidade, ao passo que Lorenzo, mais introspectivo, causa ora pena, ora revolta, por ser tão inerte em certas ocasiões. Quando uma grande tragédia se abate sobre ele, é que isso fica mais evidente.

Lúcia tenta ajudá-lo de todas as maneiras, mas, ele parece ser incapaz de superar um grande trauma, além de, cada vez mais, estar imerso em seu livro, mais depressivo, mais angustiado. No meio disso, ele até tenta viver um romance razoável com ela. Os dois parecem se dar bem, inclusive, e principalmente, no sexo. Também entra em cena Elena, outra grande personagem, que outrora teve uma noite de amor com Lorenzo, e desse momento, ficou grávida dele.




Elena talvez seja a real protagonista do filme, a que liga o destino do casal principal, e a que mais sofre com a tragédia em questão, a que abala profundamente Lorenzo. É só depois de coincidências, nada forçadas, diga-se, que a sua personagem cresce na estória, Tudo muito bem amarrado, citando até a futilidade e a rapidez das conversas online, via Internet, mas de uma forma até poética, o que confere ao filme uma complexidade muito bem-vinda.

As cenas de sexo, mesmo não sendo tão explícitas assim, são muito bem filmadas, e, dentro do contexto da estória, não destoam, nem são apelativas. O diretor conduz tudo com mão leve e sensível, mesmo tocando em assuntos pesados algumas vezes. E, o simbolismo das imagens são de uma beleza ímpar, principalmente, quando envolvem a filha de Lorenzo. Mesmo com a temática do sexo e dramas pessoais muito intensos, é um filme bastante sensível.


"Lúcia e o Sexo", por fim, é uma produção muito peculiar, em vários aspectos. Não se limita a cenas de conteúdo sexual, nem complica demais uma estória, por si só, de uma enorme carga dramática. Tudo, basicamente tudo, flui bem, fazendo deste filme uma experiência diferente, excitante (por que, não?) e emocionante. Uma pérola do cinema recente.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…