Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Sicario - Terra de Ninguém" (2015)
Direção: Denis Villeneuve. 


Villeneuve é um cineasta acima de qualquer suspeita. Sempre é certo de que seus filmes serão um ótimo e adulto entretenimento. Até seus momentos menos inspirados ("Suspeitos" e "O Homem Duplicado") estão, inegavelmente, acima da média do que a (atual) insossa Hollywood está nos oferecendo. Mas, nesse fase "norte-americana" do diretor ainda faltava algo, aquele ponto essencial que nos faz identificar um grande trabalho.

Vejamos. Os melhores filmes dele ("Redemoinho", "Polytechnique" e "Incêndios") tinham um elemento em comum: um ambiente inóspito, brutal, violento, e bastante opressor. Poderia ser uma cidade grande, o Oriente Médio ou até mesmo um massacre ocorrendo numa escola. O que importasse era que o lugar passasse uma sensação angustiante. Some-se a isso personagens bastante perturbados e traumatizados.




Eis que chegamos a "Sicario" que (adivinhem) possui tudo isso. O ambiente aqui, no caso, é o México, e seu problema envolvendo o narcotráfico. O personagem perturbado (e, de quebra, misterioso) ficou a cargo de Alejandro (interpretado de forma muito competente por Benicio Del Toro). Pra completar, como é de costume, Villeneuve não perde a mão da narrativa, e impõe um ritmo tal na trama, que pouco incomodam suas duas horas de duração.

Na estória, Alejandro funciona como uma espécie de "guia" para a oficial do FBI Kate Macer, que, após descobrir uma casa repleto de corpos de gente assassinada a mando de um grande traficante mexicano decide acompanhar uma missão para capturá-lo. Mas, não será fácil, pois além do lugar ser extremamente violento e estar imerso na corrupção, o próprio Alejandro mantém uma certa dubiedade nas suas reais intenções (que só serão expostas com o passar do tempo).




Até lá, o diretor não vai poupar o espectador, seja mostrando sem pudores a carnificina que reina nesse local, seja na angústia dos oficiais estarem mais próximos de seu objetivo, onde o perigo, claro, aumenta. A tensão é muito bem conduzida, mas não esperem grandes tiroteios e correrias desenfreadas. Felizmente, Villeneuve não tem esse vício. Tudo é oferecido em doses homeopáticas, o que deixa o filme ainda mais nervoso (e melhor).

A câmera, por sinal, consegue pegar cada ângulo preciso da ação, seja em momentos mais próximos aos personagens, seja nas tomadas aéreas. Um primor de técnica, que, inclusive, ajuda na narrativa da produção. A cidade, vista de cima, parece ser um lugar normal e pacífico. Ao chegar mais perto, as cores ficam mais escuras, e a câmera, mais trêmula. Uma manipulação de sensações como poucos cineastas sabem fazer nos dias de hoje.



"Sicario" só perde pontos mesmo na última cena de ação, onde o ambiente é a mansão do tal narcotraficante. Tristemente, o enredo se rende a clichês do gênero, oferecendo sequências pouco convincentes. Pelo menos, o desfecho dessa parte é satisfatório e até condizente com a proposta do filme. Mas, se certas forçadas de barra tivessem sido evitadas, com certeza, o resultado teria ficado muito mais instigante.

Mesmo assim, temos que admitir que este é o que de melhor que Villeneuve fez em terras norte-americanas, sem dúvida. Basta dosar certos exageros, e, facilmente, teremos no futuro filmes que rivalizem com petardos como "Incêndios" e "Redemoinho".


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…