Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"As Sufragistas" (2015)
Direção: Sarah Gavron.


A olhos vistos, o movimento Feminista, felizmente, vem ganhando cada vez mais espaço, e claro que uma produção como "As Sufragistas" se torna oportuna. Afinal, o filme traz um importante recorte da história da Inglaterra, quando as mulheres trabalhavam em condições sub-humanas, ganhando pouco e não tendo, sequer, direito ao voto. É quando, depois de anos de tentativas de negociações, um movimento intitulado de Sufragistas resolve lutar pelo direito das mulheres baseado na desobediência civil. E, obviamente, as autoridades reprimiram esses atos o quanto puderam.

Como base nisso, o filme nos mostra a jornada de algumas que pertenceram a esse movimento, com destaque especial para Maud Watts, típica mãe de família, casado, com filho, e trabalhando em condições difíceis. Seu marido, Sonny, também trabalha no mesmo local que ela. Mas, como geralmente acontece, ela é quem passa mais tempo no emprego, porém, ganhando menos. E, ele, como de costume à época, controla todos os passos da esposa, inclusive, o seu salário.




Não tarda, porém, até que Maud conheça o movimento sufragista. Relutante de início, vai se engajando mais e mais na causa, até se tornar uma das principais militantes do movimento. Com isso, evidentemente, passa a ser hostilizada no trabalho e na vizinhança, chegando a ser expulsa de casa pelo marido. E, de tanto ser violentada por tentar seguir as leis (chegando a ser presa algumas vezes), entende que quando uma lei é injusta, é legítimo quebrá-la. Muito tem influência nessa linha de pensamento Emmeline Pankhurst, praticamente a matriarca do movimento Sufragista.

O filme, si, tem alguns problemas. Primeiro, parece que algumas cenas ficaram, involuntariamente, truncadas porque não souberam o que fazer com elas. Acabou que algumas sequências ficaram mal-feitas (como a repressão da polícia numa aglomeração das sufragistas), enquanto outras ficaram corridas demais, não dando tempo para o espectador absorvê-las. Digamos que um pouco menos de "dinamismo" na narrativa faria muito bem no conjunto da obra.




Outro ponto fraco é a tão falada personagem Pankhurst, interpretada por Meryl Streep. Sendo tratada pelo roteiro quase como uma figura mística, messiânica, ela só aparece uma única vez em cena, discursando até algumas verdades, mas, atoladas em lugares-comuns. Um tratamento melhor e mais presente dela daria um outro gás à narrativa, já que tirando Edith Ellyn (personagem de Helena Bonham Carter), as outras sufragistas são ou muito indecisas ou muito fracas mesmo.

Ao menos, a pertinência do tema se sobrepõe a esses deslizes. As cenas de violência e humilhação às sufragistas passam a revolta necessária para entendermos quão difícil era a situação de quem nascia mulher naquele período, Nesse sentido, bem impactante a sequência em que Maud é literalmente obrigada a interromper sua greve de fome enquanto está encarcerada. O próprios comentários de muitos homens, rebaixando a mulher, são repugnantes (algo que, infelizmente, ainda hoje ocorre).




E, claro que, numa produção dessas, duas coisas são o destaque maior. Primeiro, a parte técnica é caprichada, já que, de fato, a reconstituição de época da Inglaterra do começo do século passado é muito eficiente. E, segundo, as atuações, onde todas as atrizes (principalmente) estão à vontade em seus papéis, com destaque para Bonham Carter e Carey Mulligan (que interpreta Maud). Só Meryl Streep deixou a desejar porque, justamente, não teve o tempo merecido em tela. Uma pena.

Entre erros e acertos, "As Sufragistas" se mostra um filme, acima de tido, importante e necessário ser visto, principalmente, entre aqueles que acham que as mulheres já tiveram (ou têm) muitos privilégios. Bom destacar que, no final da produção, são enumerados alguns países que, ao longo dessas últimas décadas, aprovaram o voto feminino, só faltando citar o Uruguai, pioneiro na América Latina nesse quesito, ainda no ano de 1927.

Para maiores informações sobre o verdadeiro Movimento Sufragista, seguem alguns links:

http://mdemulher.abril.com.br/cultura/m-trends/quem-foram-as-sufragistas-da-vida-real

http://asminanahistoria.com.br/9-curiosidades-de-as-sufragistas-e-uma-surpresa/

Nota: 7,5/10.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…