Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Quarto de Jack" (2015)
Direção: Lenny Abrahamson.


A metáfora e o simbolismo são elementos primordiais para o cinema. Isto é, quando sã bem empregados. Pois, geralmente, as estórias não têm feeling para contar uma coisa mostrando outra. Pra isso, é preciso uma boa dose de talento e sensibilidade. Junte a isso atores que defendem seus personagens com fervor. Pronto. Temos aqui um filme que, além de bonito, possui mensagens em camadas que vão se desdobrando ao longo do tempo, reconfortando o espectador. Emocionante, sim, mas, nada de piegas.

A princípio, "O Quarto de Jack" tem similaridade com "A Vida é Bela". Em ambos os casos, crianças são protegidas da realidade pelos seus pais, usando, pra isso, a imaginação fértil dos pequenos. Só que aqui, há uma diferença: o nível de isolamento. Jack e sua mãe Joy estão confinados num quarto, em cárcere privado. Jack nunca viu o mundo "real", lá fora. O único contato externo que tem é através de uma TV. Já, Joy, de início, é mostrada a nos como uma mãe perturbada, e até negligente. Mas, acredite: é apenas o início, e o roteiro reserva ótimas surpresas e entendimentos depois.




Esses entendimentos, por sinal, referem-se à caracterização dos personagens, principalmente da mãe de Jack. Parece que o roteiro, propositalmente, apresentou um esteriótipo dela para testar nossa capacidade de julgamento alheio. E, garanto que muitos, logo de cara, acham muitas atitudes dela absurdas para quem está numa situação tão difícil com o filho. Este, inclusive, aparenta ser o mais sábio e equilibrado dos personagens, até mesmo entre os adultos. Suas observações sobre o mundo são tão inocentes quanto verdadeiras.

O filme é, claramente, divido em duas partes: uma que se passa durante o confinamento no quarto e outra que retrata a vida de ambos após fugirem e recomeçarem a conviver na sociedade. E, ambas são interessantes, sendo a primeira, óbvio, mais angustiante. No entanto, o melhor desenvolvimento da estória se dá no segundo momento, onde vemos os esforços de Jack e Joy para permanecerem juntos e sãos, e ainda lidarem com conflitos familiares não resolvidos. E, essa readaptação pela qual eles passam possui uma incrível sensibilidade.




Bom destacar que as observações que Jack faz a respeito do "mundo" são ótimas. Isso porque ele tem ideias bem distintas estando dentro do quarto desde que nasceu, e outras que não diferem muito quando ele fica em liberdade. Apenas seu mundo físico se amplia, mas sua consciência sobre a vida permanece intacta, sempre tentando ver o melhor em tudo, experimentando de tudo. É ele o fio de ligação entre nós e o que a produção quer passar.

Incrível como o roteiro trata dessas questões sem que as situações pareçam inverossímeis ou absurdas. Mesmo aquilo que apenas aparenta ser um ou outro furo na estória, é perfeitamente explicado depois. Basta ter a paciência necessária e se deixar levar pela trama. Talvez o dado negativo seja o filme não dizer qual o paradeiro do sequestrador, que, na segunda parte, simplesmente, desaparece da estória, sendo mencionado apenas uma única vez.




Outro destaque positivo são as atuações. A princípio, Brie Larson, que faz Joy, e Jacob Tremblay, intérprete do pequeno Jack, não parecem ter alguma espécie de empatia. Mas, é o roteiro que aqui faz a diferença, pois a relação de ambos é pra se mostrar, de fato, conturbada, mesmo o amor entre ambos ser enorme, e bastante honesto. Os atores entenderam isso, e, ao longo da produção foram criando a afinidade que os personagens precisavam, culminando em momentos realmente emocionantes.

Portanto, tirando uma ou outra condução mais truncada da estória e a falta de destino do sequestrador, "O Quarto de Jack" é um eficiente retrato da necessidade constante de amadurecimento pelo qual passamos, mas, que é ofuscado, muitas vezes, por estamos presos a um "quarto", ou, simplesmente, a uma visão limitada das coisas. Um dos filmes mais sensíveis que estrearam nessa recente temporada.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…