Pular para o conteúdo principal
Filme Não Recomendável

"Você Acredita?" (2015)
Direção: Jonathan M. Gunn.



O título deste filme, na verdade, deveria ser "Você Acredita... Em Forçação de Barra?" Sim, pois, é isso o que os mais atentos espectadores encontrarão aqui. Independente de crenças, tentarei fazer uma crítica isenta, não desmerecendo ou desrespeitando nenhuma denominação religiosa, algo que realmente deve ser repudiado. Mas, é preciso também destrinchar o que essa produção passa, seja em termos de cinema, seja em questão de ideologia.

A princípio, é bom dizer que os seus produtores são os mesmos do péssimo "Deus Não Está Morto". Ou seja, se antes os roteiristas pesaram a mão na estória, em "Você Acredita?", as coisas não ficaram tão diferentes assim. E, por incrível que pareça, tirando uma introdução pra lá de clichê, com a velha e batida narração em off, até que o filme vai bem. A narrativa flui muito bem, os atores passam um razoável senso de realidade e as estórias individuais de cada um deles é, de fato, interessante.




O problema mesmo mão é o que a produção quer dizer, mas, COMO ela diz. Não há nada de errado em propagar a sua crença como algo bom e verdadeiro. Porém, o roteiro (sempre ele) força demais certas situações para demonstrar o quanto os cristãos, principalmente, são as únicas pessoas boas do mundo. E, isso tira todo o brilho de uma estória que renderia mais sem esse tipo de artimanha. É tudo milimetricamente arquitetado para acontecer tal ação DAQUELE jeito, e que vai repercutir de TAL MANEIRA.

Exemplo prático: depois de uma tensa sequência de perseguição policial (ponto para a parte técnica, como a edição, que realmente está muito boa), tudo termina de forma bastante irreal, onde, numa coincidência incrível, um dos personagens entra numa pequena igreja. Pior: sendo procurado, esconde-se entre os fieis, e, quando os policiais entram no templo, simplesmente, não o encontram, mesmo o local sendo muito pequeno. Ilógico, no mínimo.




Porém, tem mais: numa grande forçação, só para tentar mostrar o quanto cristãos são perseguidos, um bombeiro é processado pelo Estado porque consolou uma vítima de acidente à beira da morte, e esse mesmo Estado (ateu, portanto, mau), entende que ele converteu o pobre moribundo de maneira coercitiva (forçada, mesmo). Isso, inclusive, muito se assemelha a um arco de estórias, em "Deus Não Está Morto", onde uma moça, ao contestar cristãos, adquire câncer depois. Simplesmente, não dá!

O roteiro de "Você Não Acredita?", claramente, divide a sociedade em três categorias: cristãos fervorosos, que já estão salvos; pessoas que estão quase se convertendo, mas ainda não são seres humanos ideais, por isso, sofrem; e os ateus e agnósticos, maus por natureza, e que são os vilões da estória, claro. Não há, pois, como ser mais simplista, visto que no filme, só uma dessas categorias é altruísta e humanitária. Adivinhem qual é?




Pra não dizer que não falei de flores, além da parte técnica, muito bem caprichada (vide a impressionante sequência do acidente de carros), o filme tem alguns personagens muito bons, que, pelo menos, não ficam o tempo todo pregando que todos precisam acreditar em Deus e na cruz, e que possuem uma visão interessante da vida. Exemplo disso é J.D., que tem uma boa consciência a respeito da perda da filha, e consola sua esposa de maneira correta.

Mas, o que impera mesmo é a velha manipulação de situações para provar uma ideia. Repito: nada contra achar que se está certo, e querer mostrar isso. O problema são os artifícios desonestos. Tirando a técnica e um ou outro personagem bem construído, "Você Não Acredita?" repete os mesmos erros de "Deus Não Está Morto", tentando doutrinar apelando para a emoção fácil e articulando situações que, se formos olhar bem, estão longe da realidade.

Uma pena, porém, esse é mais um típico filme gospel que se perdeu por motivos óbvios.


Nota: 4/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…