Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Afrociberdelia" (1996)
Artista: Chico Science e Nação Zumbi.


Eis que o visionário "Afrociberdelia" está completando exatos 20 anos agora em 2016. Segundo disco de Chico e da Nação, ele mostrou, mais ou menos, os rumos que a banda iria traçar dali para frente. Não é segredo pra ninguém que "Da Lama ao Caos", mesmo fazendo relativo sucesso, não agradou o grupo, que queria algo menos "roqueiro", menos "pop", e consequentemente, mais voltado às raízes da banda. Por isso mesmo, chamam um velho amigo para produzir o trabalho: Eduardo BID. E, deu muito certo.

Sem as amarras estéticas ditadas pelo produtor conhecido produtor Liminha, responsável pelo trabalho anterior, a banda pôde, enfim, realizar com vontade e folga sua (ainda hoje) incrível mistura de ritmos populares, como côco, maracatu e caboclinhos, com o que de melhor vinha de fora, do afrobeat do Fela Kuti, às guitarras distorcidas do Sepultura. O resultado é um compêndio de 20 músicas, cada uma com cara própria, mas, que formam um conjunto coeso com a proposta de olhar para nossa cultura, sem abdicar do que é feito de bom ao redor do planeta.


Sim, aos gritos de "Eu vim com a Nação Zumbi, ao seu ouvido falar, quero ver a poeira subir, e muita fumaça no ar", Chico já anunciava com "Mateus Enter" que a banda não estava para brincadeira. A sequência energética com "Cidadão do Mundo" (em ritmo de embolada) e a explosiva "Etnia" continuavam o serviço de mostrar ao ouvinte um som instigante, diferente, "misturado", mas, com identidade. Tudo isso, para sermos interrompidos com a instrumental "Quilombo Groove", com um riff de guitarra assombroso de Lúcio Maia.

"Macô", "Um Passeio no Mundo Livre" e "Samba de Lado" eram perfeitas para serem executadas ao vivo, dada a energia que emanavam. Surge, então, os batuques de um maracatu, e com eles, um dos "hits" do dico: a emblemática "Maracatu Atômico", composta originalmente por Jorge Mautner, e regravada até por Gilberto Gil. Por sinal, o próprio Gil faz uma participação especialíssima em "Macô", o que não era de se estranhar, visto que o cantor e compositor baiano nunca escondeu a admiração que tinha por Chico Science.


"O Encontro de Isaac Asimov com Santos Dumont no Céu" e "Sobremesa" talvez sejam a parte mais fraca do disco, pois, nelas sobram discursos e falta um certo ritmo, um certo carisma. Felizmente, entre elas, está a pesada e ótima "Corpo de Lama". Chegamos, então, a mais um "hit", desta vez, composição própria de Chico Science e banda: o clássico "Manguetown", que praticamente definiu, em música, a cidade do Recife, com seus contrastes, suas festas, suas violências, suas alegrias, sua vida e morte, enfim. "Fui no mangue catar lixo, pegar caranguejo, conversar com urubu!"

"Um Satélite na Cabeça" e a instrumental "Baião Ambiental" são ótimas, mas, na verdade, servem mesmo como preparação para a parte mais pesada do álbum, quase um heavy metal: as fantásticas "Sangue de Bairro" e "Enquanto o Mundo Explode". Depois da catarse, o alento. Ouvimos a tranquilidade com "Interlude Zumbi", e passeamos despreocupados pela cidade com "Criança de Domingo" (incrível versão para uma música do IRA!). As bonitas "Amor de Muito" e a instrumental "Samidarish" deveriam fechar o disco com chave de ouro.


Bem, DEVERIAM, pois, o que temos é a intervenção capenga da gravadora que exigiu que fossem colocadas três remixes fajutos para "Maracatu Atômico". Quanto a isso, a banda não pôde fazer muita coisa. Então, o negócio é deletar da mente essas outras três faixas, e considerar que "Afrociberdelia" tem 20 músicas e pronto. Não mais que isso. 20 canções, inclusive, que levaram o álbum a ser considerado um dos mais importantes da música brasileira de todos os tempos. Podem procurar. Ainda hoje, é fácil encontrarmos ecos dele por aí, em bandas tentando soar igual.

Infelizmente, menos de 1 ano após o lançamento do disco, Chico nos deixou num acidente de carro. O que ele estaria fazendo hoje em termos de música? Não se sabe ao certo. Fato mesmo era que Chico Science sempre se mostrou um artista inquieto. Talvez, ele aprimorasse ainda mais o que ouvimos em "Afrociberdelia", o que, por si, já se mostrava uma enorme evolução musical na época. O que podemos fazer, isso sim, é apreciarmos este disco, hoje e sempre, e que mostra, claramente, como a música brasileira pode ser uma das mais criativas do mundo.


Viva Chico!


Nota: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…