Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"IV" (2016)
Artista: Carlos Santana.


Há nomes na música que, de tantos bons serviços prestados à sua arte, já não precisariam fazer mais nada. Um deles é Neil Young. Outro, é Bob Dylan. O estupendo guitarrista mexicano Carlos Santana se encaixa, facilmente, nessa prerrogativa. Tendo feito um show hipnótico ainda no longínquo primeiro Woodstock, e cravando sua marca como um dos melhores guitarristas de todos os tempos graças ao atemporal "Abraxas", Santana, no últimos anos, galgou um sucesso estrondoso (e, inusitado), devido ao acento pop de discos como "Shaman" e "Supernatural". Mesmo não tendo que provar mais nada, no entanto, faltava mostrar às recentes gerações porque este (agora) distinto senhor sempre foi considerado mestre. E, a resposta veio com "IV".

As duas primeiras canções do álbum ("Yambu" e "Shake It") são um empolgante cartão de visitas, e retomam aquela aura dos primeiros discos do guitarrista, com um ritmo latino irresistível, cheio de batucadas, e a indefectível sonoridade guitarrística de Santana. Talvez, a terceira faixa ("Anywhere You Want to Go") tenha sido pensada para ser o carro-chefe deste trabalho, um possível hit. De fato, a canção tem uma veia bem pop, mas, a percussão e a guitarra não deixam que a coisa descambe para o lugar comum. Já, "Fillmore East" é um exercício pedante de virtuosismo. Não empolga, e só serve para mostrar muita técnica, o que é uma pena, pois uma faixa instrumental é sempre uma boa oportunidade de conferir o real talento de um músico.



As voltam aos eixos com as ótimas "Love Makes the World Go Round" e "Freedom in Your Mind", que apesar de aceleradas, possuem uma vibração bem soul, lembrando Billy Paul, falecido recentemente. Não é à toa. As músicas têm participação de Ronald Isley, um dos artistas de R&B e soul mais cobiçados da atualidade, mas, que já tem uma carreira das antigas. O riff esperto de "Choo Choo" dá o tom festivo certo para a música, e, mais uma vez, a percussão dá um show à parte. Percussão tão formidável que, em seguida, mostra, de novo, a que veio com a instrumental "All Aboard".

"Sueños", mesmo sendo bonita, não acrescenta muito ao disco, e faz um contraponto negativo, bem como "Fillmore East". O que é estranho, pois, Santana prova, neste mesmo trabalho, que pode bem mais. E, "Caminando" é a prova disso. O ritmo cadenciado e pesado da faixa proporciona um dos mais instigantes momentos do disco, bem como a sentimental (e, nada descartável) "Blues Magic", essa sim, uma música poderosa , ao contrário das duas citadas anteriormente como as piores do álbum. "Echizo" e "Leave Me Alone"são bons momentos que poderiam ser melhores. Nelas, está tudo lá, da percussão extremamente talentosa à guitarra estridente de Santana. Mas, faltou carisma a ambas.


A climática e interessante "You and I" é a preparação para uma das melhores faixas do disco: "Come As You Are". Não confundam com a canção do Nirvana; não se trata de cover. Trata-se, isso sim, de uma música que emula muito bem os ritmos latinos, tendo uma levada à lá "Buena Vista Social Clube". E, tudo se encerra com a leveza de "Forgiveness". Se não é a melhor coisa do disco, ao menos, não decepciona. Mostra, enfim, porque este senhor de quase 70 anos ainda tem muita coisa a mostrar a uma juventude que está há um bom tempo consumindo música descartável e esquecível. Um álbum, até de certo ponto, inesperado, mas, que veio em boa hora.

Salve Santana!




Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…