Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Um Brinde à Amizade" (2013)
Direção: Joe Swanberg.


Gêneros cinematográficos servem, em princípio, para delimitar gostos e orientar as escolhas do espectador. No entanto, hoje em dia são a "desculpa perfeita" para a falta de criatividade. Qualquer gênero possui os seus clichês, mas, nenhum filme precisa seguí-los à risca. Ao contrário, é sempre gratificante quando assistimos algo que subverte as regras do jogo, e chega a surpreender. Nas seara das comédias românticas, parece que não há mais nada de bom que possa ser feito. Será? Pois, bem: "Um Brinde à Amizade" prova que ainda se pode contar uma boa história assim, e com o frescor da novidade.

Muitos dos méritos da produção se devem ao cineasta Joe Swanberg. Um dos mais promissores nomes da cena independente atual, Joe, desde 2005, já dirigiu mais de 20 filmes, entre dramas, comédias e até um conto de terror. E, todos muito bem conceituados. A diferença dele pra outros diretores pseudo-cults é que ele não pretende inventar a roda. Trabalha com o que tem, muitas vezes, extraindo da banalidade do cotidiano, coisas brilhantes. E, é o que faz "Um Brinde à Amizade" ser tão bom.




A premissa parece básica: casal de amigos trabalham juntos numa fábrica de cerveja, e, entre um drinque e outro, vão descobrindo mais e mais afinidades. Nas mãos de qualquer um menos talentoso, isso seria a deixa perfeita para situações ridículas, com alta carga emocional (desnecessária), e piadas aos montes de gosto duvidoso. Mas, Swanberg conduz tudo com leveza, simplicidade e carisma, mostrando situações reais, que podem, realmente, acontecer com qualquer um. Isso causa uma empatia automática com quem assiste, mesmo para os que nunca passaram por algo do tipo.

O casal de amigos em questão é Kate e Luke, e de tão bem construídos, os personagens parecem interagir com o espectador a todo momento. A atração entre ambos será tão inevitável quanto o conflito gerado pelo fato deles já serem compromissados. O interessante é que, mesmo essa atração surgindo aos poucos, e ter razão de existir, Kate e Luke conseguem, na medida do possível, viverem uma amizade honesta e muito bonita. A química entre eles é tão natural, que no final, acabamos torcendo mais para que eles permaneçam como amigos do que qualquer outra coisa.




A narrativa é tão bem bolada que não esquece de mencionar Jill, a noiva de Luke, e Chris, namorado de Kate. Inclusive, os dois casais mostram-se muito amigos, após todos se conhecerem numa festa de empresa. Interessante notar que Kate e Luke se dão bem por terem gostos parecidos, e também seus respectivos companheiro e companheira acabam nutrindo uma certa amizade por terem posturas semelhantes. Melhor de tudo: o filme trata todos esses personagens com o devido cuidado, evitando obviedades. Na realidade, todos os quatro, independente dos seus (naturais) defeitos, são mostrados de maneira muito positiva, como pessoas do bem.

Geralmente, em produções assim, o elenco se destaca, e aqui não é diferente. Olivia Wilde (que faz Kate) e Jake Johnson (que faz Luke) estão muito bem em seus respectivos papéis. Claro, muito ajudou também o método adotado pelo cineasta Swanberg: este filme foi totalmente improvisado, não tendo roteiro inicial, e com os atores seguindo apenas uma vaga linha cronológica passada pelo diretor. Como curiosidade, é bom destacar que o elenco também escolheu os nomes de seus próprios personagens.




Como saldo, temos uma comédia romântica independente muito humana, envolvente e bem realizada. Até pelos diálogos bem construídos e da atmosfera descompromissada, lembra um pouco outra produção independente que quebrou convenções anos atrás: "Antes do Amanhecer". Não esperem, contudo, grandes conflitos ou arroubos fascinantes na história de "Um Brinde à Amizade". O negócio aqui é ser o mais minimalista possível, mas, sem perder a capacidade de refletir ou se divertir, a depender da dose. Uma bebedeira, enfim, das boas.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…