Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"MM3" (2016)
Artista: Metá Metá.


É da banda Metá Metá a estupenda cantora Juçara Marçal, que nos presenteou com o seminal "Encarnado", em 2014. Mas, o grupo, a despeito de sua "estrela", nunca abdicou de uma personalidade própria, Sempre com uma mescla de ritmos, aparentemente díspares, a Metá Metá tem uma discografia bem interessante, para dizer o mínimo. E, eis que, há poucas horas atrás, ela lança, "de surpresa", seu mais novo disco, "MM3", que pode ser baixado gratuitamente no site oficial da banda.

De cara, solta aos ouvidos, uma sonoridade mais pesada, calcada, majoritariamente, por levadas com toques de jazz. Claro, a poderosa voz de Juçara, que aqui flerta bastante com cânticos afros, continua como um dos pontos positivos, mas, também é muito gratificante escutar arranjos bem trabalhados, mas, pouco convencionais, que dão um banho no show de mesmice que assola a música brasileira atual. Muito disso se deve ao saxofonista Thiago França e ao guitarrista e também vocalista Kiko Dinucci. Completam a formação deste disco, as participações especiais do baixista Marcelo Cabral e do baterista Sérgio Machado.



Pra quem conhece Juçara Marçal através de seu dico-solo "Encarnado", rapidamente vai encontrar semelhanças com este trabalho do Metá Metá. As letras possuem uma lógica própria, são poéticas, mas, também com uma visceralidade que chega a ser cortante, brutal. Exemplo? A primeira faixa, "Três Amigos" já dá uma um boa pista: "São três amigos para matar; Mais 12 santos para apedrejar; Um grande amor para sodomizar; É, não deu, não dá." A explosão no refrão confere um gosto a mais nessa canção, que é só a primeira do disco. Em frente.

A segunda música, "Angolême" já começa ditada pelo sax "venenoso" e dançante de Thiago, e que também possui uma letra inspirada: "Manca, pula, para e berra desespero na tela do celular; Vaga pela rua, na penumbra inventa seu amor fora do ar; Tem comida, mas, não come, tem morada, mas, sem chave pra entrar; Vai beijar o chão de pedra, transformada em pedra fria e cinza." A partir daqui, percebemos que um dos diferenciais da banda é justamente o respeito à inteligência do ouvinte, não buscando soluções de fácil digestão para a sua música.


"Imagem do Amor" se inicia até calma, mas, numa reviravolta de ritmo, mostra uma batida tribal muito envolvente, para ir alternando com arranjos simples, mas, competentes, de jazz. "A imagem do amor não é pra qualquer um." O som da Metá Metá também não, como bem comprova a quarta faixa, "Mano Légua", que mesmo com uma estrutura mais "pop", digamos assim, não perde a majestade, e é mais uma música com forte identidade do disco.

"Angolana", ao contrário das canções anteriores, não tem explosão, não inspira raiva ou revolta, ou até mesmo inquietação. É mais minimalista, com uma base mais tradicional, baixo, bateria e guitarra. E, mesmo assim, ainda consegue ser uma boa música. "Corpo Vão", por incrível que pareça, não tem nada de muito especial, se comparada às composições anteriores do disco. Dá, tranquilamente, pra se ouvir, sem grandes restrições, no entanto, acaba sendo uma música "igual" demais aos padrões que e própria banda criou. Não é descartável, porém, poderia ser melhor.


A bela e sofisticada "Osanyin" dissipa a má impressão da canção anterior, mostrando, mais uma vez, que o Metá Metá merecia uma atenção maior, até mesmo no meio mais alternativo. A agradabilíssima "Toque Certeiro" consegue ser, ao mesmo tempo, dançante e etérea. Tem semelhanças com ritmos do Carnaval, como o frevo, por exemplo, e sim (desculpem o trocadilho), é mais uma canção certeira de um disco, praticamente, irretocável. E, tudo se encerra com a sombria "Oba Koso", uma espécie de "resumo" do álbum, que mostra batidas tribais e sax ainda mais em harmonia que nas outras faixas. Ótimo final.

É, a música brasileira atual, mais especificamente, a independente, deve muito a artistas como Juçara Marçal, Thiago França e Kiko Dinucci. De forma seminal, estão mostrando que música pode ser audível, mas, sofisticada, bem trabalhada, e provocativa também. Parecem não estar preocupados em agradar gregos e troianos, produzindo algo desleixado. E, com uma simplicidade que chega a ser constrangedora, vão produzindo discaços em cima de discaços. Palmas para eles.

Site oficial da banda:
http://www.metametaoficial.com.br/

Link direto para o download do disco "MM3":
http://www.mediafire.com/download/dd4i8xke91i6hlt/MM3.rar


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…