Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"MM3" (2016)
Artista: Metá Metá.


É da banda Metá Metá a estupenda cantora Juçara Marçal, que nos presenteou com o seminal "Encarnado", em 2014. Mas, o grupo, a despeito de sua "estrela", nunca abdicou de uma personalidade própria, Sempre com uma mescla de ritmos, aparentemente díspares, a Metá Metá tem uma discografia bem interessante, para dizer o mínimo. E, eis que, há poucas horas atrás, ela lança, "de surpresa", seu mais novo disco, "MM3", que pode ser baixado gratuitamente no site oficial da banda.

De cara, solta aos ouvidos, uma sonoridade mais pesada, calcada, majoritariamente, por levadas com toques de jazz. Claro, a poderosa voz de Juçara, que aqui flerta bastante com cânticos afros, continua como um dos pontos positivos, mas, também é muito gratificante escutar arranjos bem trabalhados, mas, pouco convencionais, que dão um banho no show de mesmice que assola a música brasileira atual. Muito disso se deve ao saxofonista Thiago França e ao guitarrista e também vocalista Kiko Dinucci. Completam a formação deste disco, as participações especiais do baixista Marcelo Cabral e do baterista Sérgio Machado.



Pra quem conhece Juçara Marçal através de seu dico-solo "Encarnado", rapidamente vai encontrar semelhanças com este trabalho do Metá Metá. As letras possuem uma lógica própria, são poéticas, mas, também com uma visceralidade que chega a ser cortante, brutal. Exemplo? A primeira faixa, "Três Amigos" já dá uma um boa pista: "São três amigos para matar; Mais 12 santos para apedrejar; Um grande amor para sodomizar; É, não deu, não dá." A explosão no refrão confere um gosto a mais nessa canção, que é só a primeira do disco. Em frente.

A segunda música, "Angolême" já começa ditada pelo sax "venenoso" e dançante de Thiago, e que também possui uma letra inspirada: "Manca, pula, para e berra desespero na tela do celular; Vaga pela rua, na penumbra inventa seu amor fora do ar; Tem comida, mas, não come, tem morada, mas, sem chave pra entrar; Vai beijar o chão de pedra, transformada em pedra fria e cinza." A partir daqui, percebemos que um dos diferenciais da banda é justamente o respeito à inteligência do ouvinte, não buscando soluções de fácil digestão para a sua música.


"Imagem do Amor" se inicia até calma, mas, numa reviravolta de ritmo, mostra uma batida tribal muito envolvente, para ir alternando com arranjos simples, mas, competentes, de jazz. "A imagem do amor não é pra qualquer um." O som da Metá Metá também não, como bem comprova a quarta faixa, "Mano Légua", que mesmo com uma estrutura mais "pop", digamos assim, não perde a majestade, e é mais uma música com forte identidade do disco.

"Angolana", ao contrário das canções anteriores, não tem explosão, não inspira raiva ou revolta, ou até mesmo inquietação. É mais minimalista, com uma base mais tradicional, baixo, bateria e guitarra. E, mesmo assim, ainda consegue ser uma boa música. "Corpo Vão", por incrível que pareça, não tem nada de muito especial, se comparada às composições anteriores do disco. Dá, tranquilamente, pra se ouvir, sem grandes restrições, no entanto, acaba sendo uma música "igual" demais aos padrões que e própria banda criou. Não é descartável, porém, poderia ser melhor.


A bela e sofisticada "Osanyin" dissipa a má impressão da canção anterior, mostrando, mais uma vez, que o Metá Metá merecia uma atenção maior, até mesmo no meio mais alternativo. A agradabilíssima "Toque Certeiro" consegue ser, ao mesmo tempo, dançante e etérea. Tem semelhanças com ritmos do Carnaval, como o frevo, por exemplo, e sim (desculpem o trocadilho), é mais uma canção certeira de um disco, praticamente, irretocável. E, tudo se encerra com a sombria "Oba Koso", uma espécie de "resumo" do álbum, que mostra batidas tribais e sax ainda mais em harmonia que nas outras faixas. Ótimo final.

É, a música brasileira atual, mais especificamente, a independente, deve muito a artistas como Juçara Marçal, Thiago França e Kiko Dinucci. De forma seminal, estão mostrando que música pode ser audível, mas, sofisticada, bem trabalhada, e provocativa também. Parecem não estar preocupados em agradar gregos e troianos, produzindo algo desleixado. E, com uma simplicidade que chega a ser constrangedora, vão produzindo discaços em cima de discaços. Palmas para eles.

Site oficial da banda:
http://www.metametaoficial.com.br/

Link direto para o download do disco "MM3":
http://www.mediafire.com/download/dd4i8xke91i6hlt/MM3.rar


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…