Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Gangues de Nova Iorque" (2002)
Direção: Martin Scorsese.


Este filme é superlativo em muitos aspectos. Primeiro, até hoje, mostra-se como uma das obras máximas do mestre Scorsese, ficando ali, só alguns degraus abaixo de "Taxi Driver", "Touro Indomável" e "Os Bons Companheiros" (o que, convenhamos, já seria algo extraordinário). Mas, o cineasta vai além, e nos presenteou com uma história bem forte, interpretada por um elenco primoroso, com uma narrativa de encher os olhos. Dessa safra recente de filmes do diretor, sem dúvida, "Gangues de Nova Iorque" é o melhor.

Pra fazer uma obra assim, Scorsese simplesmente mostrou o que sabia fazer de melhor. Pra começo de conversa, utiliza sua grande "paixão", a cidade de Nova Iorque, para ambientar as várias formas de violência. Só que ele não se limitou a falar de uma máfia recente, indo até os primórdios da região, mostrando aquilo que poderia ter sido a raiz de toda a violência que ainda hoje é marca registrada da cidade. Nisso, vislumbramos o início de verdadeiras gangues rivais, com suas rixas, seus códigos de honra, seus embates nas ruas, seus dribles para subornar e escapar da lei.




É nesse contexto que somos apresentados aos "Nativos" e aos "Coelhos Mortos", grupos que sempre viveram é pé de guerra. E é num desses embates decisivos que o líder dos "Coelhos Mortos" é morto pelo chefe dos "Nativos", Cutting, o Açougueiro. A partir de então, um grupo passa a viver ainda mais na marginalidade, enquanto o outro toma conta do lugar, instituindo até uma data comemorativa em homenagem ao dia em que derrotaram seus adversários. O filho do líder dos "Coelhos Mortos" sobrevive, e, voltando anos depois, busca vingança.

Só os primeiros minutos que apresentam essa pequena parte da história mostram o porquê de Scorsese ser considerado um gênio da sétima arte. Com muito domínio de câmera, ele consegue construir um enredo envolvente e muito brutal ao mesmo tempo. A cena da luta entre as gangues é extremamente bem filmada, com edição e trilha sonora fazendo da sequência uma das melhores dos filmes do diretor. O destaque também fica por conta da dupla de atores que contracenam juntos nesse momento: Daniel Day-Lewis e Liam Neeson.




A partir desse início, o filme vai se concentrar na volta de Amsterdam, após sair de um orfanato, e dos jogos de poder que passam a dominar Nova Iorque cada vez mais, com gangues rivais se matando nas ruas, a polícia fingindo que reprime e os políticos ganhando com isso. Por sinal, esta é uma das produções com maior crítica social de Scorsese, o que chega a ser uma grata novidade, pois, não há nada forçado ou panfletário nesse sentido. Vemos bastante corrupção em tela,  tudo muito revoltante, mas, com especial destaque para os desmandos políticos.

Porém, é grande atrativo da produção é mesmo o conjunto. A narração é tão fruída que nas duas primeiras horas, o espectador praticamente não sente o tempo passar. Após isso, é verdade, o filme tem uns 15 minutos em que a história "trava" um pouco, mas, acaba sendo necessário para a trama, pois, tudo converge para o impressionante embate final. Embate esse que expõe, claramente, que os verdadeiros vilões não são as gangues, e sim, quem está supostamente ao lado da lei. Brilhante conclusão de um brilhante filme.




Não obstante, temos ótimos personagens. Amsterdam, ao mesmo tempo que quer vingança, também se sente atraído em ficar no mundo de Cutting, sendo seu braço direito, ao passo que este se mostra um tremendo antagonista, frio e extremamente violento, cujas ações provocam fascínio e medo em doses iguais. Não é preciso dizer, pois, que Daniel Day-Lewis e Leonardo DiCaprio entregam interpretações excelentes, com especial destaque para o primeiro, numa encarnação completamente insana. O restante do elenco não faz feio, em especial, Cameron Diaz, num de seus melhores papéis.

"Gangues de Nova Iorque" é, em linhas gerais, um atestado. Um atestado de que o cinema pode, quando quer, contar uma boa história, de maneira formidável, com narrativas, diálogos e interpretações incríveis, e ainda ter boas doses de crítica social (que aqui expõe todo o racismo e xenofobia de quem se diz patriota, mas, que não passa de um perfeito ignorante). Com todos esses predicados, não tem como não deixar de louvar Martin Scorsese, e reverenciá-lo como o mestre que é. Simples assim.



Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…