Pular para o conteúdo principal
Lista

10 Exemplos de que Blockbusters Hollywoodianos não Precisam ser Descartáveis


De origem inglesa, a palavra "blockbuster" pode ser traduzida livremente como arrasa-quarteirão. Muito usada no cinemão hollywoodiano, essa expressão tem por objetivo indicar aqueles filmes que tendem a ser muito populares, arrecadando enormes quantias de dinheiro mundo afora. Geralmente, são produções com elevado custo, e com um cuidado visual assombroso. O problema: geralmente, os deslumbrantes efeitos especiais dos blockbuster são inversamente proporcionais à qualidade em outros aspectos, como atuações, direção ou roteiro. Não raro, filmes assim possuem uma história que, além de ruim, é mal conduzida. No entanto, existem honrosas exceções, aquelas produções que conseguiram ir além da mediocridade, e entregaram filmes não só visualmente magníficos, mas também com história e conteúdo. Se todos os blockbusters fossem assim, seria ótimo.


10°
"Tubarão" (1975)
Quando as mega produções de Hollywood não eram tão recorrentes como hoje em dia, o jovem Steven Spielberg conseguiu fazer um arrasa-quarteirão, mesmo com um orçamento até modesto para os padrões atuais (cerca de US$ 9 milhões). A equipe ainda enfrentou diversos problemas na produção, de atrasos nas filmagens até complicações técnicas com o tubarão mecânico. Mas, foi válido: "Tubarão" foi a maior bilheteria da década nos EUA, e inaugurou a época moderna dos blockbusters hollywoodianos em grande estilo. No enredo do filme, em si, quase nada acontece. Mas, o espectador não consegue desgrudar os olhos da tela graças ao inigualável talento de Spielberg em contar uma boa história de forma envolvente. A sequência final do ataque ao barco é uma das mais assustadoras do cinema.



"Aliens: O Resgate" (1986)
Ao contrário dos outros filmes da cine-série "Alien", que envelheceram mal, este "O Resgate" permanece com o seu frescor de aventura, mesmo passados 30 anos de seu lançamento. Coube a James Cameron, que tinha acabado de fazer o primeiro "Exterminador do Futuro" voltar com a horrenda criatura nos cinemas. Com uma abordagem mais brutal e alucinante do que o seu antecessor ("O 8° Passageiro"), "Aliens: O Resgate" possui cenas angustiantes, e ainda traz a personagem Tenente Ripley numa ótima sequência de empoderamento feminino. O resultado não poderia ser outro senão um sucesso absoluto. Foi a última vez em que vimos um filme de qualidade com os Aliens.



"Guerra nas Estrelas: O Império Contra-Ataca" (1982)
O assumidamente nerd George Lucas já havia construído um filme interessante no primeiro "Star Wars", com uma trama bem amarrada, personagens carismáticos e toda uma mitologia que se inspirava em outras histórias, mas que tinha personalidade própria. Com "O Império Contra-Ataca", porém, ele deu vários passos à frente, mostrando um desenrolar mais sombrio e desolador para o destino dos heróis, culminando com uma das revelações mais impressionantes do cinema em todos os tempos. O filme ainda se dava ao luxo de possuir algumas sequências um pouco mais violentas do que o normal, dando até um tom mais adulto ao enredo. Indiscutivelmente, o melhor filme de toda a saga.



"X-Men 2" (2003)
Foi o diretor Bryan Singer com o primeiro "X-Men", lançado em 2000, que se inaugurou a era recente dos filmes de super-heróis no cinema. Se o primeiro já era bom, este é excelente, desenvolvendo melhor os personagens, e possuindo abordagens um pouco mais críticas. Afinal, não nos esqueçamos de que Stan Lee criou os X-Men como forma de falar sobre o preconceito, seja ele qual for. E, é justamente nesse filme que o tema é melhor abordado, com os mutantes sendo perseguidos de todas as formas.


"Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban" (2004)
Os dois primeiros filmes do pequeno bruxo Harry Potter são um deleite para as crianças. Mas, quando diretor mexicano Alfonso Cuarón entrou na saga, o tom ficou mais sinistro, e até mais elaborado. Em alguns momentos, a produção parece aqueles filmes de terror mais densos dos anos 80. Além disso, o roteiro é muito bem bolado, e, como peças intricadas de um quebra-cabeças, faz o espectador ter que rever certas cenas para entender a história. E, ainda assim, consegue ser um filme para todas as idades.


Trilogia "O Senhor dos Anéis" (2001 a 2003)
O clássico de escritor Tolkien sempre foi tabu em Hollywood. Considerado um livro "difícil" de ser filmado, nunca ninguém tinha se atrevido a tentar transpor para a tela grande as aventuras na Terra Média. Até que o australiano Peter Jackson resolveu encarar o desafio, e o resultado foi bem melhor do que o esperado. Todos os três filmes da saga são ótimos em termos de roteiro, espírito de aventura, atuações e efeitos especiais. Não é exagero dizer que a palavra "épico" ganhou outra conotação quando "O Senhor dos Anéis" lotava salas pelo mundo todo.


 
Trilogia "Jogos Vorazes" (2012 a 2015)
Talvez o grande erro da saga "Jogos Vorazes" tenha sido o fato dela ter sido "vendida" como uma mera produção para adolescentes, ao estilo "Crepúsculo". Ledo engano. Tratando de tamas espinhosos, como a alienação da população pela mídia, a luta pelo poder dos mais ricos e os horrores de um governo ditatorial, "Jogos Vorazes", mesmo não aprofundando tantos esses assuntos, aborda cada um deles de maneira honesta e eficaz, fazendo nossos jovens pensarem e refletirem sobre o mundo em que estamos. Que outro blockbuster atual chegaria a tanto?


 
"Matrix" (1999)
Com "Matrix", os irmãos Andy e Lana Wachowski não construíram apenas um belo filme de ação, mas, sim uma ficção científica que iria ser determinante para as produções do gênero dali por diante. Não há, nos últimos 15 anos, nenhum filme do estilo que, de alguma forma, não tenha se inspirado em "Matrix". Também pudera. Assim como nos primeiros "Guerra nas Estrelas", ele possui um enredo repleto de referência, com pitadas de filosofia e alguma crítica social. Pena que as continuações sejam infinitamente inferiores ao universo criado pelo primeiro da série.


 
"O Exterminador do Futuro 2" (1991)
O diretor James Cameron já vinha colecionando sucesso em cima de sucesso nos anos 80. Mas, nada comparado ao que ele iria fazer em "Terminator 2". Uma história emocionante, unida ao carisma dos personagens, e com efeitos especiais ainda hoje impressionantes fizeram do filme um dos maiores clássicos da ficção científica de todos os tempos. Não existe uma cena descartável, nenhum diálogo fora do lugar, nada que desabone este trabalho.


 
"Batman: O Cavaleiro das Trevas" (2008)
Se em "Batman Begins", o cineasta Christopher Nolan já havia feito uma honrosa reformulação do Homem Morcego nos cinema, com "O Cavaleiro das Trevas", ele extrapolou todos os limites, mostrando uma histórica genial, e ainda possuindo um dos vilões mais memoráveis de toda a sétima arte, a cargo do atuação vigorosa de Heath Ledger. O filme acabou virando um retrato triste e visceral da decadência da sociedade. E, tudo isso num filme de super-herói. Não é preciso mais.

Comentários

  1. Muito boa a lista! Confesso que não assisti harry potter e nem jogos vorazes por ter comprado a ideia (como vc mesmo cita) de filmes para crianças e adolescentes. Mas a lista está excepcional!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…