Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Hollow Bones" (2016)
Artista: Rival Sons.


Ser "retrô" tem feito, em linhas gerias, muito bem ao rock. Afinal, é com essa proposta de revisitar o passado que alguns dos melhores trabalhos do estilo foram feitos nos últimos anos, de "Ts This It" (do Strokes), a "Blunderbuss" (do Jack White). A banda Rival Sons está nesse bem-aventurado grupo de gente que não se incomoda em escancarar suas influências a cada álbum. E, é notória a evolução que ela vem adquirindo ao longo de sua carreira, com trabalhos cada vez mais elaborados, com forte carga no hard rock do Led Zeppelin, mas, preservando certa identidade.

Este "Hollow Bones" é o disco mais prazeroso de ouvir do Rival Sons. Tanto a estrutura do disco (composto por apenas 9 canções, como nos antigos lançamentos da década de 70, por exemplo), como na sonoridade que transborda carisma e competência, o álbum é um deleite para os amentes do som feito de épocas atrás. Tudo começa com a poderosa "Hollow Bones Part. 1", que, automaticamente, remete à melhor música do disco anterior, "Open My Eyes". Ambas possuem a mesma estrutura, e é como se a banda avisasse: aqui é a continuação do trabalho deles, e daqui pra frente vai ser uma crescente constante.



A impressão de que o Rival Sons está melhor do que nunca se concretiza com a segunda faixa desse disco, a excelente "Tied Up", com uma levada cadenciada até explodir num refrão ótimo pra ser cantado em shows. A magnitude desse trabalho continua com a empolgante "Thundering Voices", uma mistura fabulosa de batidas quebradas com partes mais suaves, num nítido esforço da banda em compor algo único e próprio, mesmo carregado de (boas) influências.

As ótimas "Baby Boy" e "Pretty Face" vem na sequência numa marcha mais lenta, mais intensa. Isso porque elas fazem a "preparação" para aquela que pode ser considerada a grande balada do disco, "Fade Out". E, como as marcantes baladas de outrora, ela transpira beleza e tristeza em doses iguais. É nessa canção que, inclusive, o talento de todo o grupo se sobressai, do vocalista ao baterista. Alguém aí lembrou de uma tal "Starway to Heaven"? Pois é.


Depois de tanta música bacana, não seria surpresa se o Rival Sons abaixasse a bola no restante do disco, ficando mais manso, ou até menos inspirado. Aqui, isso não acontece. "Black Coffee" comprova isso, num som que chega a lembrar os melhores momentos do Black Crowes, como coros gospel e tudo. Coisa linda de se ouvir. Temos então "Hollow Bones Part. 2", que, como era de se esperar, é mais experimental e menos direta do que a sua primeira parte, lá no começo do álbum. Apesar disso, consegue ser melhor que sua antecessora. Tudo se encerra com a introspectiva "All That I Want", que, num canto quase à capela, termina um discaço como esse da melhor forma.

Não esperem a revolução vinda do Rival Sons. O que temos aqui é , honestamente, uma banda deveras competente, que possui as influências certas, e que, mesmo assim, ainda proporciona aos nossos ouvidos algo com qualidade, energia e identidade. Que a banda possa continuar anos a fio na estrada para nos mostrar que o bom e velho estilo que Elvis Presley eternizou ainda pode ser feito com o mínimo de garra e vontade. "Rock'n roll can't never die!"

Link para fazer o download do disco:
http://freealbums.org/1740-rival-sons-hollow-bones-2016.html


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…