Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Hollow Bones" (2016)
Artista: Rival Sons.


Ser "retrô" tem feito, em linhas gerias, muito bem ao rock. Afinal, é com essa proposta de revisitar o passado que alguns dos melhores trabalhos do estilo foram feitos nos últimos anos, de "Ts This It" (do Strokes), a "Blunderbuss" (do Jack White). A banda Rival Sons está nesse bem-aventurado grupo de gente que não se incomoda em escancarar suas influências a cada álbum. E, é notória a evolução que ela vem adquirindo ao longo de sua carreira, com trabalhos cada vez mais elaborados, com forte carga no hard rock do Led Zeppelin, mas, preservando certa identidade.

Este "Hollow Bones" é o disco mais prazeroso de ouvir do Rival Sons. Tanto a estrutura do disco (composto por apenas 9 canções, como nos antigos lançamentos da década de 70, por exemplo), como na sonoridade que transborda carisma e competência, o álbum é um deleite para os amentes do som feito de épocas atrás. Tudo começa com a poderosa "Hollow Bones Part. 1", que, automaticamente, remete à melhor música do disco anterior, "Open My Eyes". Ambas possuem a mesma estrutura, e é como se a banda avisasse: aqui é a continuação do trabalho deles, e daqui pra frente vai ser uma crescente constante.



A impressão de que o Rival Sons está melhor do que nunca se concretiza com a segunda faixa desse disco, a excelente "Tied Up", com uma levada cadenciada até explodir num refrão ótimo pra ser cantado em shows. A magnitude desse trabalho continua com a empolgante "Thundering Voices", uma mistura fabulosa de batidas quebradas com partes mais suaves, num nítido esforço da banda em compor algo único e próprio, mesmo carregado de (boas) influências.

As ótimas "Baby Boy" e "Pretty Face" vem na sequência numa marcha mais lenta, mais intensa. Isso porque elas fazem a "preparação" para aquela que pode ser considerada a grande balada do disco, "Fade Out". E, como as marcantes baladas de outrora, ela transpira beleza e tristeza em doses iguais. É nessa canção que, inclusive, o talento de todo o grupo se sobressai, do vocalista ao baterista. Alguém aí lembrou de uma tal "Starway to Heaven"? Pois é.


Depois de tanta música bacana, não seria surpresa se o Rival Sons abaixasse a bola no restante do disco, ficando mais manso, ou até menos inspirado. Aqui, isso não acontece. "Black Coffee" comprova isso, num som que chega a lembrar os melhores momentos do Black Crowes, como coros gospel e tudo. Coisa linda de se ouvir. Temos então "Hollow Bones Part. 2", que, como era de se esperar, é mais experimental e menos direta do que a sua primeira parte, lá no começo do álbum. Apesar disso, consegue ser melhor que sua antecessora. Tudo se encerra com a introspectiva "All That I Want", que, num canto quase à capela, termina um discaço como esse da melhor forma.

Não esperem a revolução vinda do Rival Sons. O que temos aqui é , honestamente, uma banda deveras competente, que possui as influências certas, e que, mesmo assim, ainda proporciona aos nossos ouvidos algo com qualidade, energia e identidade. Que a banda possa continuar anos a fio na estrada para nos mostrar que o bom e velho estilo que Elvis Presley eternizou ainda pode ser feito com o mínimo de garra e vontade. "Rock'n roll can't never die!"

Link para fazer o download do disco:
http://freealbums.org/1740-rival-sons-hollow-bones-2016.html


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…