Pular para o conteúdo principal
Lista


A palavra "monstro" sempre teve um sentido bastante pejorativo para nós, referindo-se simplesmente a criaturas malignas, e geralmente com aparência horrenda. Mas, olhando de perto, muitos desses "monstros" podem ser apenas seres incompreendidos, que serem o mais puro instinto. E, não raro, o verdadeiro monstro aparece na forma de um ser humano aparentemente comum. Portanto, esta lista não visa somente enumerar filmes com aquelas criaturas mais clássicas, e sim, abordar o monstro em sua concepção mais ampla (para o bem e para o mal).


10 Ótimos Filmes com Monstros (Literais ou Não)


10°
"Parque dos Dinossauros" (1993)
Filme responsável pela verdadeira "febre" por dinossauros que tomou conta de toda a década de 90. Mas, a produção fez por merecer o sucesso. Spielberg juntou todas as (boas) fórmulas do cinema de aventura aqui, causando uma tensão genuína na hora que as criaturas pré-históricas aparecem, em especial, o T-Rex, que rouba a cena toda fez que surge na tela. Mas, é bom lembrar que, em muitos momentos, é mostrado que o verdadeiro monstro é a ambição de alguns cientistas que, tentando ganhar dinheiro com os dinossauros, chegam a colocar a vida de crianças em risco, sem nenhum remorso. Perto desse tipo de gente, os Velociraptors são animais dóceis.



"Onde Vivem os Monstros" (2009)
O livro virou referência para a infância de toda uma geração nos EUA. Mas, não passava de uma publicação de poucas páginas, apenas com imagens. O amalucado diretor Spike Jonze resolveu adaptar a história para o cinema, e o resultado é sensível e triste. Retrata muito bem as inquietações de um menino que se depara com os seus "monstros interiores" (na verdade, criaturas que possuem cada uma das características da personalidade dele, como raiva e amizade). Um filme pouco usual para crianças (e, para adultos também), mas, que merece uma chance de ser conferido.



"Fúria de Titãs" (1981)

As antigas mitologias (principalmente, na Grécia) sempre foram terra fértil para toda a sorte de monstros. Uma das melhores produções do gênero é "Fúria de Titãs", que mesmo com efeitos especiais um tanto datados, consegue ser uma aventura e tanto. Esqueçam as ridículas refilmagens recentes, e sintam pavor com a Medusa e o monstruoso Kraken. Um espetáculo.


"O Estranho Mundo de Jack" (1993)
Um dos que sabem falar de monstros como ninguém é o cineasta Tim Burton. Não à toa, no começo da carreira, ele foi demitido da Disney por suas produções serem sombrias demais para crianças. Com o tempo, Burton mostrou talento em diversos grandes filmes, entre eles, esta animação em stop motion, na qual ele roteiriza e produz, e que possui uma visão bem peculiar a respeito do Natal. As criaturas que aparecem aqui causam pavor e carisma e doses completamente iguais, mostrando que monstros podem ser mais perturbados do que perturbadores.



"Princesa Mononoke" (1997)
Outro cineasta que sabe falar de monstros (e, de fantasia em geral) como ninguém é o japonês Hayao Miyazaki. Claro, ajuda  muito o fato das crenças nipônicas não verem tantas diferenças entre o bem e o mal, jogando qualquer concepção preconceituosa em relação aos monstros pelo ralo. E, é o que vemos em "Princesa Mononoke". Não há heróis, muito menos vilões. E, os monstros, muitas vezes, são retratados como seres dignos de piedade. Miyazaki, realmente, sempre esteve em outro nível.



"A Hora do Pesadelo" (1984)
Em seu primeiro grande filme, Wes Craven aproveita um monstro que nos amedronta (o pesadelo) e personificou isso num monstro "real". A representação de Freddy Krugger é a de nossos medos mais profundos, e cujos aqueles, muitas vezes, somos impotentes. Afinal, é no sono que nos tornamos mais vulneráveis. Com cenas extremamente perturbadoras, é inconcebível a piada que o personagem virou em produções posteriores.



"Um Lobisomem Americano em Londres" (1982)
Tudo nesse filme é ótimo, e supera, com folga, muita coisa atual feita sob a alcunha de "terror". Bom lembrar que o lobisomem é um dos monstros mais retratados na história do cinema. Mas, esta produção aqui ganha de todas, pois explicitou o que está por trás da mitologia da criatura: o eterno medo da transformação. Transformação essa que, de forma literal, apresenta ao espectador efeitos especiais tão naturais que ainda hoje assustam.



"O Silêncio dos Inocentes" (1991)
Talvez um dos filmes que mais exemplifique a concepção ampla de monstro nesta lista. Aqui, nada de criaturas disformes. Apenas, um homem. Seu nome: Hannibal Lecter. Seu ofício: médico. Seu hábito mais assustador: canibalismo. A representação da maldade humana foi tão magnificamente interpretada pelo genial Anthony Hopkins que até hoje fica difícil superá-la.



"O Labirinto do Fauno" (2006)
Os monstros de Guilhermo del Toro são especiais. Possuem mais sensibilidade do que muitas pessoas de carne e osso. E, muitas vezes, representam nossos sentimentos mais nobres. O auge da carreira de del Toro é "O Labirinto do Fauno", emblemático em mostrar criaturas amedrontadoras na aparência, e outras que metem medo pelo o que elas têm em seu íntimo. Fica a dúvida: quem são os verdadeiros monstros?



"Nosferatu" (1922)
A figura do vampiro tem várias versões. Mas, a que causa mais fascínio, com certeza, é a que mostra essa criatura da noite de forma triste e melancólica. Um ser que se recusa a morrer, e que precisa, como uma espécie de maldição, extrair a vida alheia. O vampiro é um monstro que está acima da concepção maniqueísta de bem x mal. E, nesse aspecto, "Nosferatu" é mais de que um filme de terror gótico, mas sim, um drama sobre a finitude e vulnerabilidade da existência  humana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…