Pular para o conteúdo principal
Animação Não Recomendável

"Batman: A Piada Mortal" (2016)
Direção: Sam Liu.


Um clássico não se torna um clássico por acaso. Há motivos para que isso ocorre. No caso da HQ de "A Piada Mortal", o que surpreendeu na ápoca de seu lançamento (1988) foi a abordagem corajosa do texto de Alan Moore, que mostrou o Batman e o Coringa não como meros rivais, muito menos, usando a batida dicotomia herói x vilão. A relação de ambos é mostrada na publicação como algo doentio, em que um está sempre no limite do outro, num jogo que só vai acabar com a morte de um deles. É como se um precisasse do outro para poder sentir a sua existência completa. Além dessa abordagem psicológica muito forte, a história ainda discutia a questão da loucura, por exemplo.

Ou seja, "A Piada Mortal", até este ano, estava intocável como um clássico absoluto... Até a DC resolver ganhar um dinheirinho extra em cima da história, que, por si, já tinha se esgotado de maneira estupenda com o "Cavaleiro das Trevas" de Nolan. Mas, sabem como é a indústria de entretenimento; sempre querem espremer até a última gota de um produto pra ver o quanto rende. Eis que chegamos nesta animação de "A Piada Mortal", que é como se fosse uma anedota do Coringa: possui um mau gosto tremendo.




O problema principal do desenho é a confusão. Seus primeiros 30 minutos se focam em mostrar a Batgirl, com a clara intenção de tentar criar empatia com o público para que este sinta a dor que ela vai sentir no decorrer do enredo. Tentar fazer algo diferente é sempre louvável, contanto, que você faça bem feito. Essa primeira parte é desprovida de carisma, com uma história pra lá de chata, personagens e passagens clichês, além de um vilão que não convence. Sim, tem sangue e até uma inusitada insinuação sexual em alguns momentos, mas, é muito pouco (e, até gratuito) pra posto como algum destaque.

Só após esse início morno é que a trama original, de fato "começa". E, aí está outro problema: faltou ousadia. O desenho segue, literalmente, quadro a quadro os eventos da HQ. Até a piada que o Coringa conta no final é a mesma dos quadrinhos. Pra quem nunca leu a revista, pode até se chocar com alguns eventos mostrados, mas, honestamente, dificilmente quem for procurar essa animação não tenho lido "A Piada Mortal". Por mostrar os acontecimentos exatamente como como ocorrem nos quadrinhos, a animação perde impacto, e, principalmente, perde as nuances do texto original e suas boas provocações.




Outro ponto, estranhamente, negativo é a forma de animação do desenho. Num mesmo aquela série animada do Batman que passava na TV há uns 20 anos atrás tinha tantas limitações. Misturam algo tradicional (mas, mal feito) com alguns poucos efeitos em computação gráfica, e o resultado fica feio. Se a intenção era dar um ar de animação japonesa ao desenho, sinto informar, mas, "A Piada Mortal" falha imensamente. A própria dublagem original não ajuda muito, com todos (menos o que dá voz ao Coringa) passando uma apatia incrível em suas falas.

Por incrível que pareça, a parte positiva, mesmo com todos os seus defeitos, são os primeiros momentos da animação, mostrando a interação da Batgirl com o Batman. Mesmo inconsequente nas suas atitudes, a personagem ainda consegue passar um pouco de humanidade, e é quem acaba desequilibrando um pouco as estruturas do Homem Morcego, coisa que faz, de certa forma, uma ligação com a segunda (e principal) parte do desenho. Mesmo assim, ainda é tudo muito raso, às vezes, beirando o caricato.




Não é à toa que Alan Moore tem tanta raiva da adaptação de suas histórias para cinema. Passados quase 30 anos de seus maiores clássicos, os realizadores da sétima arte parecem não ter entendido o cerne da obra de Moore, sempre produzindo coisas de gosto duvidoso baseadas no que o escritor fez, desde "A Liga Extraordinária" até "Watchmen". A animação de "A Piada Mortal" engrossa esse caldo, como uma adaptação sem sentido, covarde e sem um pingo de originalidade. Lembando que esse ano tivemos o bisonho "Batman versus Superman", que provocou vergonha alheia em muita gente. Que fase, hein, Batman?!

#VoltaNolan


Nota: 2/10.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…