Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mediterrâneo" (2015)
Direção: Jonas Carpignano.


Alguns problemas mundiais parecem pontuais, ou até terem tido mais visibilidade recentemente. Um deles é, sem dúvida, o da xenofobia, que vem se agravando muito nos últimos anos, muito por causa dos conflitos armados ocorridos no Oriente Médio, e em especial, na Síria. Isso está ocasionando um verdadeiro êxodo a outros países, principalmente, em nações da Europa. Bom salientar que o custo disso é muito alto, visto que elas, dificilmente conseguem um emprego digno nesses lugares, e ainda precisam enfrentar o preconceito e o ódio da população local.

Em linhas gerais, esse é o pano de fundo de "Mediterrâneo", primeiro longa-metragem do diretor italiano Jonas Carpignano, que faz aqui uma bela estreia. Evitando sentimentalismos ou moralismos desnecessários, o roteiro apresenta personagens muito humanos, daqueles que você se identifica fácil, e que pode, até mesmo, encontrar na rua. E, esse artifício é proposital, já que um dos fatores que gera a xenofobia é, justamente, a não identificação com o outro, que é sempre visto como uma ameaça. Nisso, a figura de Ayiva é foi muito bem construída ao longo do filme.




Num primeiro momento, Ayiva é mostrado de uma maneira um tanto absurda, tentando fazer comércio num lugar, digamos, inóspito: em meio ao deserto, aonde refugiados estão imigrando para a Itália. De início, até censurarmos a atitude mercantilista do personagem, mas, com o passar do enredo, vamos vendo que aquilo, longe de qualquer julgamento moral, não passa de uma necessidade: Ayiva precisa mandar dinheiro para a sua irmã e sua filha pequena, que ficaram em Burkina Faso.

Quem o acompanha nessa jornada é o seu amigo Abas. Sendo mais jovem e impulsivo, este sempre está insatisfeito com a situação dos imigrantes, e acaba, muitas vezes, tomando as piores decisões, colocando em risco não só a sua vida, mas, a de Ayiva. O grande desafio, porém, será a adaptação na Itália. Até segunda ordem, todos eles estão ali de forma irregular, e conseguir um emprego não será das tarefas mais fáceis. E, ainda precisam, como se não bastasse todo o inferno que passaram para chegarem à Europa, enfrentarem o radicalismo da população local, que não os vê com bons olhos.




"Mediterrâneo" segue uma linha tensa do começo até o final. Não há espaço para momentos de paz. Mesmo quando Ayiva consegue se comunicar com sua irmã e com sua filha via chap, esse é um momento sofrido, já que ele não vislumbra nenhuma boa perspectiva na Itália. Por mais que se esforce, ele, e todos os outros, serão sempre os imigrantes, os que vieram para tomar os empregos dos habitantes do país, e isso gera nele tanto um conflito interno, quanto externo. E, toda essa tensão vai gerar muita violência, inclusive, provocada pelos próprios imigrantes, que, revoltados com a sua situação, saem em protesto pelas ruas.

O filme expõe um retrato bem forte dessa situação, não se prendendo a soluções fáceis. Em determinado momento, as atitudes inconsequentes de alguns dos imigrantes podem parecer absurdas, e até serem classificadas como "furo de roteiro" da produção. Mas, olhando de maneira mais atenta, acabam sendo até ações "normais" de quem teve tudo de mais precioso retirado, inclusive, a sua dignidade de ser humano. A solução encontrada pode ser a mais "burra" possível, mas, não é desprovida de verdade para quem já não tem nada a perder, ou não vê futuro algum.




Para ser o seu primeiro trabalho num longa-metragem (e, numa produção de grande porte), o cineasta Carpignano se sai muito bem no equilíbrio de diversos conflitos, construindo uma narrativa envolvente que não cansa em nenhum momento, e que traz um assunto bastante pertinente para ser debatido. As locações, principalmente, do início do filme, dão um tom necessário de documentário, fazendo que que o espectador "viaje" com os imigrantes, e tenha, minimamente, aquela sensação de se arriscar numa travessia perigosa em nome de uma melhor condição de vida. E, para dar mais veracidade a isso, os atores estão ótimos, em especial, Koudous Seihon e Alassane Sy, que interpretam Ayiva e Abas, respectivamente.

Ao final, ficamos com uma sensação de "incerteza". Afinal, o risco de estar numa terra estrangeira aonde, na maioria das vezes, você não é bem-vindo, é alto. Um drama humano que, infelizmente, parece está longe do fim. Ao menos, pessoas como os realizadores de "Mediterrâneo" tiveram a sensibilidade necessária para tentarem estabelecer um diálogo a respeito desse problema através do cinema, um dos poucos veículos atuais que ainda possui alguma forma de espírito transformador e transgressor. 


Nota: 8,5/10.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…