Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mediterrâneo" (2015)
Direção: Jonas Carpignano.


Alguns problemas mundiais parecem pontuais, ou até terem tido mais visibilidade recentemente. Um deles é, sem dúvida, o da xenofobia, que vem se agravando muito nos últimos anos, muito por causa dos conflitos armados ocorridos no Oriente Médio, e em especial, na Síria. Isso está ocasionando um verdadeiro êxodo a outros países, principalmente, em nações da Europa. Bom salientar que o custo disso é muito alto, visto que elas, dificilmente conseguem um emprego digno nesses lugares, e ainda precisam enfrentar o preconceito e o ódio da população local.

Em linhas gerais, esse é o pano de fundo de "Mediterrâneo", primeiro longa-metragem do diretor italiano Jonas Carpignano, que faz aqui uma bela estreia. Evitando sentimentalismos ou moralismos desnecessários, o roteiro apresenta personagens muito humanos, daqueles que você se identifica fácil, e que pode, até mesmo, encontrar na rua. E, esse artifício é proposital, já que um dos fatores que gera a xenofobia é, justamente, a não identificação com o outro, que é sempre visto como uma ameaça. Nisso, a figura de Ayiva é foi muito bem construída ao longo do filme.




Num primeiro momento, Ayiva é mostrado de uma maneira um tanto absurda, tentando fazer comércio num lugar, digamos, inóspito: em meio ao deserto, aonde refugiados estão imigrando para a Itália. De início, até censurarmos a atitude mercantilista do personagem, mas, com o passar do enredo, vamos vendo que aquilo, longe de qualquer julgamento moral, não passa de uma necessidade: Ayiva precisa mandar dinheiro para a sua irmã e sua filha pequena, que ficaram em Burkina Faso.

Quem o acompanha nessa jornada é o seu amigo Abas. Sendo mais jovem e impulsivo, este sempre está insatisfeito com a situação dos imigrantes, e acaba, muitas vezes, tomando as piores decisões, colocando em risco não só a sua vida, mas, a de Ayiva. O grande desafio, porém, será a adaptação na Itália. Até segunda ordem, todos eles estão ali de forma irregular, e conseguir um emprego não será das tarefas mais fáceis. E, ainda precisam, como se não bastasse todo o inferno que passaram para chegarem à Europa, enfrentarem o radicalismo da população local, que não os vê com bons olhos.




"Mediterrâneo" segue uma linha tensa do começo até o final. Não há espaço para momentos de paz. Mesmo quando Ayiva consegue se comunicar com sua irmã e com sua filha via chap, esse é um momento sofrido, já que ele não vislumbra nenhuma boa perspectiva na Itália. Por mais que se esforce, ele, e todos os outros, serão sempre os imigrantes, os que vieram para tomar os empregos dos habitantes do país, e isso gera nele tanto um conflito interno, quanto externo. E, toda essa tensão vai gerar muita violência, inclusive, provocada pelos próprios imigrantes, que, revoltados com a sua situação, saem em protesto pelas ruas.

O filme expõe um retrato bem forte dessa situação, não se prendendo a soluções fáceis. Em determinado momento, as atitudes inconsequentes de alguns dos imigrantes podem parecer absurdas, e até serem classificadas como "furo de roteiro" da produção. Mas, olhando de maneira mais atenta, acabam sendo até ações "normais" de quem teve tudo de mais precioso retirado, inclusive, a sua dignidade de ser humano. A solução encontrada pode ser a mais "burra" possível, mas, não é desprovida de verdade para quem já não tem nada a perder, ou não vê futuro algum.




Para ser o seu primeiro trabalho num longa-metragem (e, numa produção de grande porte), o cineasta Carpignano se sai muito bem no equilíbrio de diversos conflitos, construindo uma narrativa envolvente que não cansa em nenhum momento, e que traz um assunto bastante pertinente para ser debatido. As locações, principalmente, do início do filme, dão um tom necessário de documentário, fazendo que que o espectador "viaje" com os imigrantes, e tenha, minimamente, aquela sensação de se arriscar numa travessia perigosa em nome de uma melhor condição de vida. E, para dar mais veracidade a isso, os atores estão ótimos, em especial, Koudous Seihon e Alassane Sy, que interpretam Ayiva e Abas, respectivamente.

Ao final, ficamos com uma sensação de "incerteza". Afinal, o risco de estar numa terra estrangeira aonde, na maioria das vezes, você não é bem-vindo, é alto. Um drama humano que, infelizmente, parece está longe do fim. Ao menos, pessoas como os realizadores de "Mediterrâneo" tiveram a sensibilidade necessária para tentarem estabelecer um diálogo a respeito desse problema através do cinema, um dos poucos veículos atuais que ainda possui alguma forma de espírito transformador e transgressor. 


Nota: 8,5/10.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…