Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Água Batizada" (2016)
Artista: Negro Leo.


Pra se apreciar certas formas de arte, às vezes, é preciso "bagagem", algum conhecimento prévio, principalmente, das influência que levaram tal artista a conceber uma determinada obra. Por exemplo: escutar esse "Água Batizada", mais novo disco do cantor e compositor maranhense Negro Leo, é viajar no tempo, mais especificamente, na época da Tropicália. Escutá-lo é como jogar um jogo de identificar as referência, que vão desde Mutantes até Tom Zé, passando por Secos e Molhados. Enfim, a nata do período.

É um trabalho aonde a psicodelia reina. E, mesmo assim, Negro Leo, que além de cantar e compor, ainda toca violino, consegue uma incrível unidade, como se esse tipo de som tivesse sido feito especialmente pra ele. Pra quem duvida, basta conferir a introdução progressiva da primeira faixa, "Ritos Confiáveis", para depois ouvir Negro Leo interpretar num tom semelhante ao de Arnaldo Batista. O rapaz sabe das coisa, e, de cara, já conquista o ouvinte com sua viagem sonora, que ainda vai revelar boas surpresas pelo caminho, tipo uma road trip das boas.



E, pra quem acha que o álbum já começa bem, passa a ter essa certeza com a segunda música do disco, "Fera Mastigada", que parece ter saído diretamente de "Transa", melhor trabalho de Caetano Veloso. A bela "I Have no Light That Shines Inside Without You" remete a outra ótima referência: o álbum "Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band". Nela, ficamos quase com a impressão de que o tempo parou no final dos anos 60, e que os Fab Four de Liverpool continuam na atividade.

Mesmo com um início muito bem conduzido, o ponto auto do disco vem na quarta faixa, "Cênico, Provável, Cosmético". E, o que essa lembra? Entre outras tantas coisas boas, não pude deixar de pensar no Terço, o "Pink Floyd brasileiro". As guitarras um pouco mais pesadas dão mesmo essa impressão, dando a nítida noção que, mesmo pra pouca idade, Negro Leo, já se mostra um criativo alquimista, amalgamando as melhores influências que pode numa estética bem particular.

Para conhecer um pouco de Negro Leo:

"Atalhos" é praticamente uma repetição do que já ouvimos até aqui do disco, e não acrescenta muito ao trabalho. Já, "Noite Invertida", ao emular os momentos mais tribais de Gilberto Gil, possui um carisma que é brasileiríssimo, mas, sem soar fake. Nacionalismo é isso aí! "Black Around the Clock" é mais uma brincadeira com o estilo roqueiro (como o próprio nome já denota) do que qualquer outra coisa. Bem sacada, mas, apenas isso. A curtíssima "Um Sentimento", que volta a lembrar Gil, serve como preparação para a climática "Noite", que remete um pouco às música mais lentas dos Mutantes, e mesmo bem intencionada na referência, é a mais chata do disco.

Contudo, depois de alguns (poucos) momentos sonolentos, a coisa volta a melhorar muito com o swing de "Marcha Para Longe", que é quase um ritual, uma mantra de invocação. Ironicamente, temos uma canção aqui que se caracteriza por não ser tão retrô assim: "Esferas". Essa, ao contrário é a que mais se parece com a produção independente atual, cuja letra vale mais do que o som em si. E, o disco se encerra com a ótima (e, tropicalista até a medula) "Borboletinhas Multicoloridas" e a curta (e, introspectiva) "Outro Sentimento".

Para conhecer mais ainda de Negro Leo:

Conclusão? Um trabalho satisfatório, sem dúvida. Tem alguns momentos um tanto modorrentos, é verdade, mas, a atitude de Negro Leo em compor um disco com tantas influências, e ainda parecer um trabalho só seu, já é digna de nota nesses tempos onde a mesmice impera na música. Agora, é torcer para que ele continue nesse bem aventureiro caminho, e possa nos presentear com mais viagens saudosistas, a um tempo em que a música ainda tinha muita relevância.

Site oficial:
https://negroleo.bandcamp.com/

Onde fazer o download do disco:
http://www.hominiscanidae.org/2016/08/negro-leo-agua-batizada-2016.html


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…