Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Momentary Masters" (2015)
Artista: Albert Hammond Jr.


Um álbum solo é sempre um interessante exercício para o ouvinte mais ocasional, que gosta de uma determinado grupo. Curtindo uma banda em específico, às vezes, pouco ou nada se sabe como cada integrante soaria se fizesse algo próprio. E, não raro são os casos em que o resultado sai tão bom quanto seus grupos de origem. É o caso desse disco de Albert Hammond Jr., guitarrista do Strokes. Responsável pelas bases mais barulhentas, com guitarras bastante estridentes, era de se imaginar que um álbum solo dele soasse assim, certo? Porém, não é bem assim.


Logo na primeira faixa, "Born Slippy", percebe-se uma preocupação com melodias assobiáveis, unidas a base guitarrísticas minimalistas, típicas dos anos 80. E, o resultado, acreditem, ficou bom. Tanto é que a segunda música deste disco, "Power Hungry", soa muito com New Order. É quase como um revival sem ser, necessariamente, um revival, já que a estrutura da canção tem um quê bem moderno. Junto com "Born Slippy" faz um dupla legal de cartão de visitas para um trabalho que promete ser agradável.


Eis que a terceira faixa nos presenteia com "Caught by My Shadow", que soa como se o Arctic Monkeys tivessem voltado às origens, adicionando uns sintetizadores aqui e acolá. O resultado? Um rock alternativo de respeito. Já "Coming to Getcha" soa mais intimista, soturna, triste. E, igualmente, como as outras, mantém o disco num bom nível. Percebe-se, até agora, o cuidado de Hammond com uma coisa: a base melódica das músicas. Tudo é de bom gosto, simples, sem experimentalismos desnecessários, e com curta duração, como um disco urgente desses tem que ser.


Chegamos à metade do álbum com "Losing Touch", que também é muito bacana. Essa, por sinal, é a primeira que já lembra mais algo na linha do Strokes, mas, sem soar cópia. Música animada e poderosa na medida. Ah, e a pequena distorção no final da música dá uma charme a mais a ela. Coisa fina. É, então, que chegamos a "Don't Thing Twice", num clima quase dançante, quase lembrando Supergrass. Mais uma bela faixa com atitude, com a habilidade de Hammond em criar algo interessante em cima de uma referência, relativamente, antiga. Ponto pra ele.


"Razor's Edge" é outra música que lembra o trabalho do guitarrista no Strokes, só que ele, ao contrário das demais, não tem tanto carisma assim. É, animada, é dançante, é pesada, mas, só. Já, a seguinte, "Touché", mostra-se mais diferenciada, com um ótimo riff de guitarra. Não é um dos destaques do disco, mas, funciona muito bem, e agrada. "Drunched in Crumbs" e "Side Boob" encerram o disco, basicamente, reunindo o que de melhor Hammond mostrou ao longo desse trabalho. Ótimo resumo, ótima finalização, trabalho cumprido.


Bom dizer que como vocalista, Albert Hammond Jr. remete bastante a Alex Turner, cantor do Arctic Monkeys, o que não é, necessariamente, algo ruim. Pode incomodar alguns fãs mais xiitas, porém, o jeito de Hammond cantar é bem condizente com a proposta do som, e, já que funciona, não há porque ser tão rígido quanto a isso. No geral, "Momentary Masters" é uma ótima pedida, não somente para os apreciadores do Strokes, mas, de rock alternativo como um todo. Um trabalho simples, contudo, honesto. O que, nesses tempos, já é muito válido.

Download do disco:
https://torrentfunk.torrentunlock.xyz/torrent/11528101/albert-hammond-jr-momentary-masters.html


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…