Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Momentary Masters" (2015)
Artista: Albert Hammond Jr.


Um álbum solo é sempre um interessante exercício para o ouvinte mais ocasional, que gosta de uma determinado grupo. Curtindo uma banda em específico, às vezes, pouco ou nada se sabe como cada integrante soaria se fizesse algo próprio. E, não raro são os casos em que o resultado sai tão bom quanto seus grupos de origem. É o caso desse disco de Albert Hammond Jr., guitarrista do Strokes. Responsável pelas bases mais barulhentas, com guitarras bastante estridentes, era de se imaginar que um álbum solo dele soasse assim, certo? Porém, não é bem assim.


Logo na primeira faixa, "Born Slippy", percebe-se uma preocupação com melodias assobiáveis, unidas a base guitarrísticas minimalistas, típicas dos anos 80. E, o resultado, acreditem, ficou bom. Tanto é que a segunda música deste disco, "Power Hungry", soa muito com New Order. É quase como um revival sem ser, necessariamente, um revival, já que a estrutura da canção tem um quê bem moderno. Junto com "Born Slippy" faz um dupla legal de cartão de visitas para um trabalho que promete ser agradável.


Eis que a terceira faixa nos presenteia com "Caught by My Shadow", que soa como se o Arctic Monkeys tivessem voltado às origens, adicionando uns sintetizadores aqui e acolá. O resultado? Um rock alternativo de respeito. Já "Coming to Getcha" soa mais intimista, soturna, triste. E, igualmente, como as outras, mantém o disco num bom nível. Percebe-se, até agora, o cuidado de Hammond com uma coisa: a base melódica das músicas. Tudo é de bom gosto, simples, sem experimentalismos desnecessários, e com curta duração, como um disco urgente desses tem que ser.


Chegamos à metade do álbum com "Losing Touch", que também é muito bacana. Essa, por sinal, é a primeira que já lembra mais algo na linha do Strokes, mas, sem soar cópia. Música animada e poderosa na medida. Ah, e a pequena distorção no final da música dá uma charme a mais a ela. Coisa fina. É, então, que chegamos a "Don't Thing Twice", num clima quase dançante, quase lembrando Supergrass. Mais uma bela faixa com atitude, com a habilidade de Hammond em criar algo interessante em cima de uma referência, relativamente, antiga. Ponto pra ele.


"Razor's Edge" é outra música que lembra o trabalho do guitarrista no Strokes, só que ele, ao contrário das demais, não tem tanto carisma assim. É, animada, é dançante, é pesada, mas, só. Já, a seguinte, "Touché", mostra-se mais diferenciada, com um ótimo riff de guitarra. Não é um dos destaques do disco, mas, funciona muito bem, e agrada. "Drunched in Crumbs" e "Side Boob" encerram o disco, basicamente, reunindo o que de melhor Hammond mostrou ao longo desse trabalho. Ótimo resumo, ótima finalização, trabalho cumprido.


Bom dizer que como vocalista, Albert Hammond Jr. remete bastante a Alex Turner, cantor do Arctic Monkeys, o que não é, necessariamente, algo ruim. Pode incomodar alguns fãs mais xiitas, porém, o jeito de Hammond cantar é bem condizente com a proposta do som, e, já que funciona, não há porque ser tão rígido quanto a isso. No geral, "Momentary Masters" é uma ótima pedida, não somente para os apreciadores do Strokes, mas, de rock alternativo como um todo. Um trabalho simples, contudo, honesto. O que, nesses tempos, já é muito válido.

Download do disco:
https://torrentfunk.torrentunlock.xyz/torrent/11528101/albert-hammond-jr-momentary-masters.html


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…