Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Aprile" (1998)
Direção/: Nanni Moretti


Nanni Moretti é um cineasta que sempre teve algo relevante a dizer, e isso se aplica desde os seus primeiros filmes, até os mais recentes. E, o melhor: geralmente, suas produções possuem um humor inteligente, irônico, provocador, e, de certa maneira, até pouco histriônico, o que contrasta com o cinema italiano como um todo. A preocupação de Moretti é fazer rir e pensar, muitas vezes, de forma leve e descontraída, e em outras, nem tanto, mas, em todos os casos, respeitando a inteligência do espectador, não colocando soluções fáceis em suas tramas.

"Aprile", portanto, é puro Moretti, inclusive, com a presença maciça do cineasta a todo tempo na produção. Sim, pode até parecer uma certa vaidade da parte dele, mas, como os seus textos e mensagens, a cada filme, são muito bons, então, releva-se essa questão dele ser quase onipresente na película, e nos concentramos em suas críticas, que são muito peculiares e interessantes. Este filme aqui, na realidade, é uma espécie de "falso documentário", em que o diretor, que interpreta a si mesmo, tenta fazer uma produção para relatar os acontecimentos das eleições de 1996 e 1998, nas quais a Direita subiu ao poder. "Aprile", então, refere-se a abril, mês em que essas eleições ocorreram.




Logo nos primeiros minutos, o clima de descontração e deboche impera, com um pronunciamento do então candidato à presidência Berlusconi, e Moretti e sua mãe assistindo a tudo, e conversando de forma bem sarcástica, numa sequência bem hilária. Desde o começo, p cineasta se mostra interessado em fazer um musical com clima dos anos 50, mas, o momento político "exige um posicionamento", e fazer um documentário sobre a ascensão da Direita na Itália se mostra mais urgente. A partir daí, vamos vendo as desventuras do diretor em tornar o projeto viável.

O que talvez incomode a muitos, principalmente, nesses tempos de polarização fácil das ideias, seja o fato de Moretti ser um contumaz crítico de todos os lados, e isto é evidente em "Aprile". Num determinando momento ele diz (num belo exercício de metalinguagem): "Eu quero fazer um filme para mostrar o que eu penso, e não para convencer a Direita, ou bajular a Esquerda". Facilmente, também, encontraremos provocações a movimentos que se dizem de Direitos Humanos, a cineastas que se enveredam pelo caminho da Publicidade, etc. E, tudo com muita graça, num humor ora rasgado, ora requintado, mas, nunca apelativo.




O filme, contudo, perde um pouco de força com o nascimento do filho de Moretti, o que faz com que ele dê mais atenção à sua paternidade do que a seu trabalho como cineasta. É interessante, sim, ver retratado na tela como os acontecimentos de nossa vida pessoal tiram muito do foco daquilo que a gente acredita, mas, o problema é que a narrativa de "Aprile" acompanha esse momento mais light na vida do diretor, deixando a história um pouco arrastada. Nada de tão grave, assim, diga-se, pois, em determinado momento, o cineasta recomeça os seus trabalhos no documentário, e com o seu filho do lado, o rende cenas muito engraçadas.

Perto do final, temos um interessante "choque de realidade", o que, decerto, desagradou alguns, mas, que é plenamente condizente com o espírito inquieto de Moretti. A cena que encerra "Aprile", inclusive, serve como uma forma de "redenção" para o diretor, ao propor que precisamos fazer mais aquilo que gostamos, mesmo que isso vá de encontro às muitas patrulhas ideológicas existentes por aí. O que também mostra muito do senso crítico do cineasta em não se render à demagogia barata ou ao discurso fácil, cheio de frases de efeito. 



Enfim, pra quem já conhece o cinema de Nanni Moretti de longa data, não vai se decepcionar com "Aprile", que  talvez seja um dos filmes mais completos dele, aonde encontramos humor e drama muito bem embalados numa metalinguagem dentro de outra metalinguagem, mas, nada soar complexo ou pedante demais. "Brincando", o cineasta conseguiu fazer o filme que queria, passou o seu recado, criticou quem merecia, fez um panorama interessante da Itália atual e ainda se divertiu ao final de tudo. Com um autêntico espírito provocador, Moretti mostra porque é um diretor diferenciado. 


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…