Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Moonlight" (2016)
Direção: Barry Jenkins


Ritos de passagem são necessários para o amadurecimento de todos. Só que, muitas vezes, podem ter o efeito contrário: com o passar do tempo, e dependendo dos acontecimentos da vida, nem sempre a fase adulta se torna mais tranquila. Família, amigos, escola; tudo pode influenciar negativamente para o surgimento de algum trauma, ressentimento ou angústia profunda. No cinema, são diversas as formas de simbolismo que retratam situações dessa natureza, e "Moonlight", forte candidato ao Oscar desse ano, é mais um que nos apresenta as principais fases da juventude em sua concepção narrativa. Com algumas diferenças bem marcantes, é bom ressaltar.

A trama é centrada, no (ainda menino) Chiron, que, não por acaso, é chamado de "moleque" por todos, e este é o título da "primeira parte". E, ele é apresentado a nós de maneira tensa, quando é perseguido por garotos da vizinhança que querem bater nele. Salvo por Juan, traficante do local, v Chiron passa a ter uma certa amizade com ele, que, ao mesmo tempo, é conflituosa, já que a mãe do menino, além de se prostituir, ainda é viciada em crack. Vem a "segunda parte" do longa, chamada apenas de"Chiron", que mostra o rapaz já adolescente, e enfrentando os mesmos conflitos de infância, só que piorados. Na "última parte", intitulada de "nego", o filme mostra o proyagonista já adulto, e "aparentemente", livre de qualquer trauma.




Não esperem, no entanto, soluções óbvias na história de "Moonlight". O roteiro, espertamente, quebra algumas convenções, a maioria baseadas em esteriótipos e preconceitos, e não somente por conta do elenco ser predominantemente negro, mas, por também tocar em questões sérias, como a descoberta da sexualidade e a destruição física e psicológica que as drogas fazem. Só que não é nada esquemático, panfletário ou conservador, Chega a ser quase documental, por exemplo, como é mostrada a degradação de Paula, mãe de Chiron. ao longo dos anos, gerando alguns dos momentos mais dolorosos do filme.

Muitos alardearam (erroneamente) que este era "O Segredo de Brokenreak Mountain" da nova geração, o que é um tremendo exagero. De fato, a orientação sexual de Chiron gera alguns conflitos complicados para o rapaz ao longo de sua vida, mas, em linhas gerais, não chega a ser o mote principal da trama, que gira mais em torno dos problemas típicos de um subúrbio com enfoque em histórias particulares, além de mostrar a crueldade das pessoas perante não somente aos homossexuais, mas, a todos que consideram "estranhos". Por isso, a história não tem uma grande tensão sexual, só possuindo algo similar a isso nos seus minutos finais.




A grande sacada do filme está em mostrar, de maneira bem humana, como um garoto sem muita perspectiva na vida reage aos problemas que vão sendo impostos pra ele, ora de maneira contida e calada, ora na base da explosão de uma revolta de quem já não aguenta tanta humilhação. Nesse sentido, criança e adulto se equivalem na timidez, enquanto é na fase adolescente que vem, ao menos, um revide, um soco de volta, mesmo que as consequências sejam graves. O espectador acompanha o protagonista com o olhar de quem gostaria de fazer algo por ele, tamanho é o carisma dado ao personagem através do roteiro.

Interessante é que nessa passagem do tempo na trama, personagens vêm e vão, como se fosse a representação da própria vida: com o passar dos anos, conhecemos pessoas das quais, depois, não temos mais contato, mas, que deixaram a sua marca de alguma forma. Essas pessoas, inclusive, podem retornar, suscitando velhas paixões, e antigas dúvidas. Portanto, todos que aparecem aqui possuem algum grau de importância na vida de Chiron, e nisso, a história é amarrada para dar um sentido único à vida do protagonista, e fazer como que ele "descubra quem é".




O elenco todo está impecável, com destaque para Alex R. Hibbert e Ashton Sanders (que fazem Chiron criança e adolescente, respectivamente). Também merece menção Naomie Harris, brilhante e intensa como Paula, mãe de Chiron. Já, quanto à direção,  o já veterano Barry Jenkins (que também assina o roteiro) está bastante seguro, só perdendo um pouco a mão no terceiro ato, quando o protagonista, já adulto, meio que revisa o seu passado, numa sequência desnecessariamente longa, que poderia ter ficado mais enxuta na hora da edição. Tirando isso, a narrativa envolve muito bem o espectador na história, fazendo com que fiquemos ansiosos pelo final dela. A trilha sonora também é ótima, indo, sem concessões, do hip-hop à música clássica. Vale a pena, após assistir o filme, escutar somente a trilha que compõe a produção.

Em se tratado do assunto "indicado ao Oscar", é verdade que "Moonlight" não é tão audacioso quanto "A Chegada" (outro candidato de peso), mas, com certeza, é bem melhor resolvido dentro do que se propõe do que o incensado "La La Land". Caso esse ano a Academia faça justiça, se a produção de Dennis Villenueve não ganhar a estatueta dourada, o prêmio ficaria em boas mãos com "Moonlight", sem sombra de dúvidas. Sendo um drama até um pouco ríspido, cru, ele consegue tocar em temas interessantes e pertinentes, sem cair no piegas. Uma produção de forte teor social, e que merece não apenas ser assistido, mas, debatido por algum tempo. Em suma: um belo filme.


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…