Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"La La Land - Cantando Estações" (2016)
Direção: Damien Chazelle 


Alguns gêneros cinematográficos causam certa ojeriza. É o caso dos musicais. E, a culpa não é dos grandes clássicos do estilo. O problema é que muita coisa ruim foi feita nos últimos anos sob a alcunha de ser um "musical", o que, logicamente, acabou criando um estigma. Então, cada vez que algo no estilo é anunciado, causa, no mínimo, desconfiança por parte dos cinéfilos. No entanto, vem a surpresa: "La La Land" é um dos melhores musicais feitos nesta década, mas, dada a qualidade geral, não significa algo de tão extraordinário.

Grande parte do mérito do filme se deve ao diretor Damien Chazelle, do igualmente bom "Whiplash", que, ao menos, conduz tudo com leveza e carisma. A cena inicial, por exemplo, mostrando pessoas num típico engarrafamento de Los Angeles, e saindo de seus carros para dançarem e cantarem, é realmente espetacular, e mostra bastante domínio do cineasta com a sua câmera. Um dos problemas de "La La Land", no entanto, é que os outros números musicais não são tão formidáveis quanto o de   sua abertura. Na verdade, tirando esse início, nada é formidável aqui que justifique o hype pelo qual o filme vem passando.




A começar pelo roteiro, que, apesar de simpático, é bastante bobo e ingênuo, tendo como base, essencialmente, o romance entre Mia, uma aspirante à atriz de Hollywood e Sebastian, um músico de jazz, que também almeja se firmar na carreira. No início, a trama com enfoque nela é chata e sem sal. Tudo bem que a intenção era mostrar a futilidade do mundo artístico, mas, as sequências (principalmente, musicais) são desinteressantes, pouco envolventes. Somente quando Sebastian entra na história, com enfoque na sua vida, que o enredo melhora consideravelmente, apresentando situações menos caricatas.

Daqui pra frente, é aquilo o que conhecemos bem em qualquer comédia romântica: encontros e desencontros, um romance agridoce, a dura realidade para o casal que irá aprender valiosas lições, etc, etc, etc. Nada de novo no front. Mesmo assim, e, por incrível que pareça, mesmo com uma história tão esquemática, com o passar do tempo, a trama vai ficando mais envolvente, mais carismática e mais humana. Mia e Sebastian, até nas brigas, formam um casal bonito de se ver, e passamos a nos importar mais com eles. Ironicamente, o filme vai deixando também de ser um musical tradicional, para apresentar somente algumas incursões aqui e acolá, cada vez mai calcadas no jazz, não por coincidência, já que a história vai ficando até mais triste, soturno e dramático.




Pra quem gosta de referências, um bom exercício é procurar as "homenagens" a musicais famosos ao longo do filme, dos mais óbvios aos menos conhecidos. O problema é que chega uma hora que vemos tanta referência, que, não raro, "La La Land" parece não ter "cara" própria, até mesmo porque, nesses momentos, tudo é feito de uma forma um tanto mecânica demais. Mas, como esses momentos vão ficando cada vez mais esparsos, o que fica na segunda metade do filme é uma história em que a realidade "bate à porta", com a busca da fama e do sucesso cobrando o seu preço. Não é nada extremamente aprofundado, diga-se, mas, são momentos muitos bons, feitos de maneira orgânica, sem soarem forçados.

Muito se falou da presença da atriz Emma Stone no papel de Mia, mas, a bem da verdade, ela apenas faz o básico, com uma interpretação que passa da irritante, no início do filme, para algo mais natural ao longo dele. Por incrível que pareça, melhor está Ryan Gosling, cujo jeito tímido e "travado" cai como uma luva na persona de Sebastian, sendo dele algumas das melhores cenas e diálogos. A direção de Damien Chazelle conduz bem a trama, seja nos momentos musicais, seja nos momentos em que a história se desenrola naturalmente. Porém, para uma trama até simples demais, o filme se alonga muito, com, pelo menos, meia hora em excesso. Mesmo com os números musicais, não se justifica uma duração de mais de duas horas.




No entanto, com um belíssimo final, que flerta com questões como a importâncias das nossas escolhas ao longo da vida, "La La Land" se redime bem de eventuais falhas com, invariavelmente, vamos encontrando ao longo de uma narrativa que, honestamente, é bem clichê. Mesmo assim, o casal principal vai conquistando, aos poucos, a simpatia do público, alguns números musicais e canções são ótimos, e a direção é segura a maior parte do tempo. Continua sem justificar todo o alarde em torno dele, mas, ao menos, é um filme que garante, na maior parte do tempo, momentos agradáveis pra quem gosta do bom cinema, independente de apreciar ou não musicais.


Nota: 7/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…