Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Mãe" (1926)
Direção: Vsevolod Illarionovich Pudovkin



Ah, as velhas adaptações literárias para o cinema... Sempre uma tendência, vez ou outra, temos a transposição de uma obra assim para a tela grande, na maioria das vezes, porém, sem resultados satisfatórios. O que não deixa de ser óbvio, afinal, alguns livros são, realmente, difíceis de se adaptar, seja pela estrutura narrativa, linguagem ou ambientação da história. É o caso de "A Mãe", do russo Maksim Górki. Pungente retrato da luta do proletariado contra um patronato explorador na essência, ele é um dos pilares da literatura russa. Mas, além da grande carga social que carrega, o livro também expõe a tomada de consciência por gente simples, mas, que aprende a pensar por conta própria, além das limitações de seu mundo. Aí está a dificuldade de sua adaptação, e é nesse ponto que a sua versão cinematográfica peca um pouco.

Logo no início da película, lemos algumas palavras de Lênin para, digamos, ambientar o espectador para o que virá a seguir. É um texto ótimo, e que dá a dimensão da grandeza dos personagens, sem dúvida, mas, fica um tanto deslocado, pois, ele acaba soando partidário demais, o que contradiz um pouco o que está implícito no livro (um libelo contra toda a forma de opressão). Mas, passado esse lapso, temos o começo da história, em si. A desesperança e a miséria logo tomam contam na tela, com um homem, trabalhador das fábricas, caindo de bêbado, e chegando em casa para buscar algo que possa trocar por vodka. Logo, conhecemos os protagonistas da trama: a esposa do homem bêbado, e o filho deles, Pavel. Num rápido momento de tensão, rapidamente percebemos o desajuste familiar ali presente, e facilmente, identificamos a personalidade de cada um; Pavel, aguerrido e com forte senso de justiça e a sua mãe, sofrida na desesperança de uma vida sem melhoras.





Após essa sequência, o filme demonstra outra boa faceta, ao expôr os interesses escusos envolvendo os trabalhadores do local, para que sejam cada vez mais explorados, e que toda e qualquer menção à uma greve seja logo abafada. Brutalizado pela situação de penúria em que vive, o pai de Pavel se mostra uma ótima "isca", facilmente manipulável por aqueles que detém o poder na região. Logo, torna-se uma espécie de "agente" a serviço dos donos das fábricas, encarregado de reprimir qualquer movimento grevista. Ao passo que Pavel, seu filho, vai se envolvendo mais e mais com com grupos que visam lutar contra a exploração dos trabalhadores, para desespero da mãe, que, assim como boa parte da sociedade da época, vê esses grupos apenas como baderneiros.

É, justamente, no trato com a personagem principal da história, que o filme erra muito em comparação ao livro. Na obra de Górki, ela é retratada como uma pessoa humilde, sem grande conhecimento, munida de muitos preconceitos em relação aos movimentos revolucionários, mas, que, ao longo do tempo, vai adquirindo consciência aos poucos, devido à influência de Pavel e seus amigos, e no final, sabe perfeitamente pelo o quê está lutando. Já, no filme, ela começa mais ou menos ignorante em relação à realidade, e termina quase que da mesma maneira, lutando contra seus opressores, sim, porém, não com consciência, mas, por instinto, sem refletir a respeito de suas ações. A emblemática cena dela segurando uma bandeira (certamente, vermelha) no encerramento da película, acaba servindo mais como uma ode ao Comunismo, com sequências carregadas de heroísmo e música pomposa ao fundo, do que como um importante retrato da tomada de consciência pelas camadas mais populares. Uma certa distorção, portanto, da s entrelinhas do livro de Górki.




Mesmo defeituoso no trato com a sua protagonista, o filme ainda consegue manter muito da essência do livro, como a importância da luta de classes e a ridicularização das autoridades russas, do Exército à Suprema Corte. A sequência, por exemplo, do julgamento de Pavel é um primor, nesse sentido, dando a real dimensão de como as autoridades mais respeitadas da sociedade eram, a bem da verdade, ridículas e dantescas, não se preocupando com a justiça, e sim, com futilidades. Chocante como, depois de décadas, essa visão continua atual. Os soldados também são retratados de maneira nem um pouco amena, como se fossem meros bobos da corte a serviço de interesses "maiores". 

Como cinema, "A Mãe" tem mais qualidades do que defeitos. Por vezes, exagera do tom melodramático para para arrancar o sentimento que se quer da plateia, mas, na maior parte do tempo, a narrativa flui de maneira satisfatória, com cada ação sendo contada no tempo certo, sem atropelos. Nesse sentido, a direção segura de Vsevolod Pudovkin é bastante competente. Igualmente boas são as atuações, em especial, de Vera Baranovskaya, que interpreta a mãe, e Nikolai Batalov, que faz o seu filho Pavel. São eles, por sinal, que dão a intensidade necessária ao texto de Górki, quando a direção resolve "enfeitar" demais algumas situações, simplificando a obra original além da conta. 




No fim, o que temos é uma adaptação cinematográfica satisfatória de "A Mãe", mas, ainda assim, aquém do poderoso texto original. Isso porque, com essa obra, Górki estava mais preocupado em conscientizar as pessoas, em fazê-las refletir a respeito de sua realidade, ao passo que os realizadores do filme acabaram fazendo algo mais parecido com uma doutrinação partidária. A mãe do livro é expressiva em mudar suas convicções. Já, a do filme é inexpressiva, e mesmo que, no final, faça a coisa certa, não parece fazer por consciência própria, e sim, pelo calor dos acontecimentos. Vale ser assistido, servindo até mesmo como documento histórico, mas, o livro, esse sim, continuará como um clássico absoluto da literatura, profundo e intenso como tem que ser.


Nota: 7,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…