Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Perdidos na Noite" (1969)
Direção: John Schlesinger


Desesperança, pessimismo, solidão. A Guerra do Vietnã gerou marcas profundas na sociedade norte-americana, e um desses reflexos foi no cinema. Hollywood, antes berço de produções iluminadas pela prosperidade, começava a ficar um pouco mais realista, mais crua, mais visceral. A década de 70 foi o auge dessa tendência, com filmes como "Serpico" e "Taxi Driver", que expunham a escória da sociedade sem muitos pudores. Mas, o grande pioneiro nisso, aquele que trouxe Hollywood para uma fase mais adulta, foi "Perdidos na Noite".

E, por ter sido pioneiro, alguns temas abordados aqui chocaram na época de seu lançamento, como a prostituição de garotos de aluguel,, que, junto com a questão das drogas, dos marginalizados e da indiferença criam um panorama nada glamouroso dos EUA. E, tudo sob a ótica do ingênuo Joe, texano, que viaja a Nova York em busca de novas oportunidades. Acredita ter um charme irresistível,e por isso, vai tentar seduzir senhoras ricas em troca de dinheiro. Sua alegria é visível, e o filme acompanha esse sentimento do personagem começando num ritmo um tanto festivo.




Só que, na cidade grande, não será tão fácil assim. Com abordagens mal sucedidas, e já começando a ficar angustiado, Joe conhece o trambiqueiro Enrico Salvatore Rizzo, ou, simplesmente, Ratzo. Aparentemente, eles têm pouco em comum. E, no final das contas, são mais parecidos do que imaginam. Ambos estão "perdidos" não só na noite, mas, num ambiente hostil, que não aceita os fracassados. Um lagar aonde uma pessoa pode estar caída no chão, e os transeuntes passarem por ele, como se nada estivesse acontecendo. Uma cidade aonde até mesmo os "invisíveis" são indiferentes ao outro, mais preocupados em transformar seus problemas em arte, numa alienação não tão diferente do resto da sociedade.

E, é aqui que Joe e Ratzo se tornam amigos. Mais que isso: passam a fazer pequenos delitos juntos. Tornam-se cúmplices e confidentes de sua própria miséria. Ratzo se mostra mais pessimista, mas, aceita Joe em sua "casa" como a um irmão. E, o "cowboy" mesmo com tantos atropelos, acredita em algo melhor, ainda tem fé. Isso inspira Ratzo de alguma maneira. De golpe em golpe, que não dão nem pra comprarem o necessário para comerem, vão sobrevivendo como podem. Tentando encontrar alguma saída, eles vão estreitando os laços de amizade, numa das construções de anti-heróis mais ternas da histórias do cinema. 




O filme não nos oferece um olhar de censura sobre os dois, e sim, de muita piedade. Não estamos diante de criminosos crueis, que merecem nosso repúdio, mas, sim, de gente comum, que está, simplesmente, sem rumo, caminhando por aí. Ao mesmo tempo, não se trata de apologia ao crime. São, acima de tudo, personagens mostrados de maneira bem realista, retratando um momento difícil da História recente, em que nada parecia fazer sentido, a não ser se rebaixar por migalhas. É essa a principal reflexão que "Perdidos na Noite" nos oferece, além de abordar, de maneira crítica, outros temas, como a alienação religiosa, por exemplo.

Interessante que a história de Joe antes de sua ida pra Nova York não é contada nem de maneira linear, nem de forma muita clara. São flashbacks que vão, ao longo da trama, dando pistas do que realmente aconteceu a ele, e que meio que explicam o porquê de sua personalidade tão ingênua e o motivo dele achar que ser garoto de programa seria viável. São momentos rápidos, mas que dizem muito do personagem, da forma como foi criado pela avó, das violências das quais teve que passar, entre outros traumas. Um recurso muito bem utilizado, e que gera o impacto necessário, num tempo que em esses artifícios nem eram comuns no cinema.




O roteiro, adaptação do livro "Midnight Cowboy", lançado 4 anos antes do filme, é um primor. Mescla momentos de humor e de drama com maestria. Todos os diálogos têm importância para a história; não são mero desperdício de tempo. A direção de John Schlesinger é inventiva o tempo todo, ajudada por uma edição ora clássica, ora frenética. Atuações? Digamos que Jon Voight e Dustin Hoffman estão "somente" impecáveis. Voight passa fácil a impressão de garoto ingênuo do interior, e que vai amadurecendo ao longo do tempo, mas, sem perder sua essência quase infantil. Já, Hoffman faz de Ratzo um personagem fascinante, às vezes, um pequeno crápula, às vezes, um valoroso amigo.

"Perdidos na Noite", é bom lembrar, foi o primeiro filme com classificação "X" a ganhar o Oscar, tendo, depois, sua classificação baixada para "R", mais branda, portanto. Além disso, iniciou uma dos mais produtivos períodos do cinema estadunidense. E, para o pioneirismo, nada melhor do que um clássico desse porte. Com personagens atemporais, história envolvente e críticas certeiras a uma sociedade cada vez mais em degradação, o filme continua com uma mensagem muito forte. Diria até necessária, e, acima de tudo, comovente, de uma época em que Hollywood, apesar dos pesares, mostrava-se relevante.


Nota: 10/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…