Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Tartaruga Vermelha" (2016)
Direção: Michaël Dudok de Wit


O que pode ser "dito" sem palavras, apenas com gestos, movimentos, olhares, atitudes? Muito, não é verdade? Só que em se tratando de cinema, os filmes estão cada vez mais verborrágicos, necessitando muito dos diálogos. Nada contra, e está aí a maioria dos filmes de Tarantino para comprovarem que, quando as falas são boas, elas ajudam demais o filmes, e se tornam tão marcantes quanto algumas atuações, por exemplo. Mas, na maioria das vezes, o que temos é um amontoado de palavras ditas ao vento, e que tornam certos filmes ainda mais chatos. Portanto, chega a ser louvável, e até corajoso, que tenham feita uma animação como "A Tartaruga Vermelha", um longa de oitenta minutos sem absolutamente um diálogo sequer.

Esta ousadia acaba sendo uma faca de dois gumes, pois, para nos prender na cadeira por quase uma hora e meia, usando apenas imagens, seria preciso que a narrativa fosse, no mínimo, ótima, despertando o nosso interesse para o que viria na próxima cena. E, aqui temos isso, de forma muito bem feita, mesmo que num ou noutro momento, algumas imagens soem contemplativas em excesso, porém, nada que atrapalhe a concepção geral. A trama? Em tese, mais simples,impossível: um homem naufraga num ilha deserta, e tenta sair dela a todo custo, sendo misteriosamente impedido por uma tartaruga gigante. Lembraram de "Náufrago", com Tom Hanks? Pois,é, vai por aí, apesar da história aqui ser mais poética e menos aventureira do que o filme de Robert Zemeckis.




Por não ter falas, o mérito da animação está na direção segura do veterano  Michaël Dudok de Wit, unida os efeitos gráficos muito bem cuidados, a cargo dos Estúdios Ghibli. As cenas naturais são belíssimas, e, nesse aspecto, lembra muito os filme de Myiazaki, no tocante ao respeito pela natureza. O visual, apesar de parecer simples em certos momentos, consegue ser crível, sem ser enfeitado ou carregado demais. As sensações dos personagens também são bem exploradas pelo visual, principalmente, com alguns efeitos práticos. Por exemplo: quando escurece, as cores, em sua maioria, "somem", dando lugar a tons de preto e cinza, correspondendo a uma sensação de tristeza ou de desesperança.

A poética implícita no roteiro não fica atrás, tratando os acontecimentos com o náufrago, ora de forma onírica, ora de forma mágica. E, mágica, diga-se, no melhor da palavra, fazendo com que o inusitado na vida do protagonista sirva como uma bonita metáfora da necessidade do respeito à natureza e da ciclo inevitável da vida. Temas que podem parecer meio cabeçudos, chatos e até difíceis, mas, que aqui são tratados com uma sutileza muito envolvente, fazendo a gente refletir, mas, sem deixar tudo denso e profundo demais. O conjunto de alegorias presentes no enredo causam mais impacto ainda por se tratar de uma animação, ainda hoje, estigmatizada como um produto exclusivamente para as crianças. 




"A Tartaruga Vermelha" acaba sendo não só um desenho bonito, mas, ousado em sua proposta, principalmente, num tempo em que as animações da Disney estão bem prestigiadas, e todas elas, quase sem exceção, são extremamente movimentadas e verborrágicas; o contrário do que assistimos aqui, que vai por um caminho mais calmo e sensorialmente cativante. No final, é também uma bela homenagem, talvez involuntária, aos primórdios do cinema, em que as histórias tinham que ser contadas só através das imagens, e, por isso, os seus realizadores tinham que se esforçar para passar a mensagem que a trama exigia. "A Tartaruga Vermelha" demonstra que ainda tem gente talosa nesse sentido, e que uma animação não precisa ser histriônica para ser boa; muito pelo contrário.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…