Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Precisamos Falar do Assédio"
2016
Direção: Paula Sacchetta


AS VEIAS ABERTAS DE UM PROBLEMA QUE INSISTIMOS EM IGNORAR

Poucas mulheres se propõem a falar do assédio. Umas, porque ainda não perceberam o quanto ele é nocivo numa sociedade machista. Outras, não falam por medo, já que a mulher que se levanta contra esse tipo de violência, logo é estigmatizada da pior forma ("mal comida", "mal amada", "feminazi"..). Já, os homens é que não falam mesmo sobre o assédio. Na posição de "machos", muitos acham que têm direito sobre o corpo da mulheres, e que uma "cantada", por mais desrespeitosa que seja, é, na verdade, um "elogio". Então, cabe a elas se resignarem e aceitarem caladas, e a eles é dado todo o direito a possuir a mulher que desejar (em todos os aspectos).




O documentário "Precisamos Falar do Assédio" é, portanto, a resposta a uma grave demanda: a das mulheres que precisam, ao menos, desabafarem a violência que sofreram, seja física ou psicológica. A estrutura do filme é simples, mas, eficiente: as mulheres que vão dar seus depoimentos são colocadas isoladas dentro de uma van, com apenas uma câmera de frente para elas, aonde pode relatar os seus casos de assédio. As que se sentem confortáveis em expô o que passaram, mostram o rosto. Já, aquelas que não se sentem à vontade por motivos óbvios, podem esconder-se por detrás de máscaras, vozes distorcidas, ou, simplesmente, na sombra. Foram, ao todo, 140 mulheres que passaram pelo projeto, com idades entre 15 e 84 anos, de várias classes socais. O documentário, no entanto, possui apenas 26 desses 140 relatos. E, são declarações que, de fato, impressionam.

Infelizmente, um aspecto que parece estar longe de mudar é o do estupro de crianças e adolescentes pelos próprios pais. São casos estarrecedores de homens que abusaram de suas filhas, que desmentiram tudo para suas famílias, e que, por fim, traumatizaram pra sempre muitas mulheres, hoje em dia, adultas. Há um relato, por exemplo, em que uma mulher foi violentada dos 5 aos 11 anos de idade, quando foi expulsa de casa. A revolta do olhar dela é nítido, e, muito provavelmente, e intenção dela mostrar o rosto foi o de confrontar a família que não a apoiou naquele momento. Já, em outro caso absurdo, uma delas fala sobre o tio, que tinha por "hábito" passar a mão em todas as mulheres da família, com todos sabendo, e ficando omissos quanto a isso.




A gama de relatos é tão grande que aborda até a questão LGBT. Num determinado relato, uma mulher que andava no metrô quase foi violentada por ser lésbica, com o agressor dizendo claramente: "Agora, você vai saber o que é um homem de verdade!" Detalhe que nesse caso, haviam dois policiais que viram o ocorrido, e nada fizeram. Em outro momento, uma menina, também lésbica, conta como foi estuprada por um desconhecido, e que até hoje, não sabe quem é. Bom frisar que, em todos os relatos, nota-se uma constante: a omissão das autoridades. Numa fala de uma mulher, ela conta como foi abusada por um pai de santo, e como sofreu chacota e humilhação quando foi prestar queixa tanto numa delegacia comum, quanto numa especializada para as mulheres. Outra constante que se observa nas falas delas é o abuso da vítima enquanto ela está vulnerável (bêbada, por exemplo). E, os agressores, claro, negando que isso se trata do mais puro e perverso estupro.

"Precisamos Falar do Assédio" é um dos documentários mais importantes que surgiram no país nesses últimos tempos. Composto apenas pelas falas de quem, geralmente, não têm vez e voz, ele cumpre o seu papel de questionar uma sociedade machista, que acha que a mulher está sempre disponível aos desejos masculinos, seja em qualquer idade, seja em qualquer situação. Pra quem tem o mínimo de humanidade, é doloroso ouvir tantos relatos de abusos, mas, ao mesmo tempo, as protagonistas do documentário tiveram como desabafar, com certeza, tirando um pouco do peso de suas costas, e contribuindo, com isso, para uma consciência coletiva. Quem sabe, um dia, não precisemos falar mais sobre o assédio...

Site: https://precisamosfalardoassedio.com/#projeto (aqui, além dos todos os 140 depoimentos que, inicialmente, foram filmados para o documentário, há espaço para que cada mulher possa, individualmente, mandar o seu relato sobre o tema)..


Nota: 8,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…