Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"As Noites Brancas do Carteiro"
2014
Direção: Andreï Konchalovsky


O ISOLAMENTO SOCIAL COMO BUSCA POR UM SENTIDO MAIOR NA VIDA

Alguns países possuem uma aura maio mística no imaginário popular. É o caso da Rússia. Para o bem e para o mal, após a implantação do Comunismo por lá, bem como a sua participação na Guerra Fria, quase sempre criaram uma polaridade do tipo "ame ou odeie". Nesse aspecto, é até interessante vislumbrar o cinema feito por lá, pois, a despeito dos noticiários tendenciosos, a sétima arte parece dizer mais de uma nação do que os folhetins jornalísticos. E, recentemente, vem surgindo uma ótima safra de filmes russos que provocam o nosso entendimento a cerca do país, ao mesmo tempo que critica com bastante ironia e sutileza o Estado Russo. Foi assim com o incrível "Leviatã". E, foi assim também com este "As Noites Brancas do Carteiro".




O filme começa despretensioso, quase documental, retratando o cotidiano de uma pequena vila isolada de tudo e de todos, onde os moradores vivem como seus antepassados, produzindo tudo o que precisam (principalmente, comida), e não possuindo avançadas tecnologias. A única ligação que ele têm com o cidade é através do carteiro, que vai de barco buscar todo tipo de correspondência para os moradores da vila, além de pegar encomendas de remédios e outras necessidades. E, é "somente" disso que o filme trata: do dia a dia dessas pessoas tão singulares e a sua vida, aparentemente, pacífica, sem problemas ou preocupações.

Este é o tipo de cinema que é preciso se apegar aos mínimos detalhes, pois, ele é bem simbólico e metafórico. Nota-se, por exemplo, a predominância da cor azul em vários momentos, desde as roupas que alguns moradores usam, passando por objetos triviais, ou que está presente até no barco que o carteiro usa para sair da vila. Pelo fato dessa cor significar paz, harmonia e tranquilidade, essa cor pode simboliza, muito bem, o estado de espírito daquelas pessoas, mas, como o azul está nos detalhes, e não na totalidade dos objetos, é como se aquela tranquilidade ali presente fosse apenas uma paz aparente, como se estivesse faltando algo para que a harmonia da vila fosse completa. Nisso, o diretor nos convida a espiarmos aquele cotidiano através de ângulos inusitados de câmera para entendermos qual o problema que, de fato, existe naquele lugar, e que impede que as pessoas sejam felizes.




Muito rapidamente, percebemos uma coisa: a vila é composta, predominantemente, por pessoas de meia idade a pessoas idosas. A exceção, é uma mulher jovem, que, junto  com seu filho pequeno, mora nessa vila a contragosto. O carteiro, por sinal, tem uma paixão reprimida por ela, ao mesmo tempo que tem pelo menino uma sincera amizade. No entanto, é através de um dos moradores da vila que entendemos a tônica do sentimento de quem mora ali: trata-se de um senhor que vive bêbado e que, aparentemente, não fala coisa com coisa. Mas, por se tratar de um filme lento, contemplativo, com poucas palavras, cada diálogo é muito importante para o entendimento da história. No caso desse senhor que vive bêbado, a explicação vem na fala de outro personagem: "Manter-se sóbrio é sentir muita dor."

Com o passar da narrativa, vamos entendendo que os moradores dali estão, quase todos, desesperançados com a civilização dita moderna, e, por isso, preferiram se isola, evitando qualquer contato externo. Nesse sentido, mesmo o carteiro sendo amigo de todos, e até confidente de alguns, ele não deixa de ser uma espécie de persona non grata no local; um elo inconveniente com aquilo que aquelas pessoas ali mais detestam. O próprio carteiro perece cansado de seu ofício, sempre naquela mesma rotina, acordando de manhã, vendo seus chinelos por um tempo antes de se levantar, tomar um chá, pegar o barco, ir pegar as correspondências, e voltar para entregá-las uma a uma, ao mesmo tempo que vai fortalecendo os laços com os moradores da vila. E, nesse cotidiano, vamos sendo habituados, vamos sendo inseridos, vamos sendo questionados. Uma sequência, em específico, mostra bem a desesperança dos habitantes dali, mostrando uma velha escola em ruínas, com o carteiro ouvindo as vozes das crianças que, um dia, estudaram naquele lugar. O abandono à civilização de fora se mostra, então, mais profundo do que imaginávamos.




Assim como "Leviatã", feito no mesmo ano, "As Noites Brancas do Carteiro" também faz uma bela crítica ao status quo da sociedade russa, só que de maneira mais introspectiva. Enquanto que no primeiro tínhamos claramente um Estado opressor, que, com sua burocracia e com sua corrupção, tiravam qualquer senso de liberdade do cidadão, neste aqui, o Estado se faz presente, na grande maioria do tempo, como uma mera lembrança que ficou no passado, e que trouxe dolorosas sequelas para quem tentou fugir dele se isolando na vila. Apenas tentou, é bom frisar, já que fica evidente de que a presença do Estado, como um fantasma que absorve qualquer possibilidade de felicidade, está sempre atormentando aqueles que deixaram de acreditar numa utopia que não faz mais sentido. Uma crítica, acima de tudo, corajosa feita pelo filme.

Como cinema, tudo aqui é tranquilamente bem feito, sem nenhum destaque aparente, seja das atuações, seja na direção, mas, todos muito bem engajados para passar a mensagem que a história se propõe da melhor forma possível. E, esse é o grande mérito de "As Noites Brancas do Carteiro": com uma trama simples, que, em alguns momentos, foge do convencional, conseguimos, através do microcosmo de uma vila que não tem mais do que vinte habitantes, refletir a respeito de assuntos profundos, que exigem um grau de atenção maior. Um cinema, decerto, fora dos padrões atuais, mas, que consegue resultados ótimos, com resoluções mínimas, porém, colocadas no momento certo. É cinema engajado, sim, mas, feito de maneira a ir além da mera reclamação básica, analisando, acima de tudo, o sentido do que é ser um cidadão num Estado que lhe massifica, e tira sua identidade. Uma bela provocação para os dias atuais.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…