Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Toni Erdmann"
2016
Direção: Maren Ade


FILME SENSAÇÃO NOS FESTIVAIS POR ONDE PASSOU, "TONI ERDMANN" NÃO SUSTENTA O HYPE, E SE MOSTRA UM DRAMA PESADO E POUCO INSPIRADO

Há um sério problema em relação à unanimidade: geralmente, ela esconde o posto do que se diz. Quando algo é excessivamente bem falado, é quase certo de que não é tão bom assim (o contrário também é válido). No cinema, especificamente, não faltam filmes cujo hype é altíssimo, mas, quando assistidos, não passa de um grande engodo (a produção nacional "Aquarius" foi um bom exemplo disso ano passado). Coincidentemente, também do ano passado, tivemos um filme alemão extremamente elogiado, que chegou a concorrer ao Oscar em 2017, mas, que, como em toda unanimidade que se preze, acabou se mostrando uma produção bem mediana. Trata-se de "Toni Erdmann".




O grande problema do longa é que ele tenta ser uma coisa que não é: uma comédia. Mas, tudo bem, vamos supor que a intenção fosse fazer uma "dramédia", mesmo, que pudesse misturar momentos engraçados, com outros mais tristes e reflexivos. Talvez seja pela pouca tradição do cinema alemão com o humor (vai saber), mas, a verdade é que tudo aqui é pesado, "carregado", sem ânimo, sem vida, e quando os personagens tentam fazer uma gracinha, soa forçado e constrangedor. O pior é que a premissa é muito boa. Basicamente, trata de um pai (Winfried) que vai fazer uma visita surpresa à filha (Inês), e passa a fazer pequenas brincadeiras no cotidiano dela, com o intuito de se aproximarem mais, e ela aprender que o sentido da vida não é apenas trabalho. Winfried chega ao ponto de criar uma segunda persona, Toni Erdmann, para interagir com Inês e os conhecidos dela.

No entanto, as incursões de Winfried, na maioria das vezes, são desastrosas mais vergonha alheia do que graça, propriamente dita. Evidentemente, que poderíamos supor que ele, de fato, não tem vocação para o humor, e que, isso sim, estar afastando a filha, ao invés de aproximá-la. Só que essas incursões, até para serem constrangedoras, precisariam ter alguma espécie de vivacidade, alguma forma de humor autêntico, algo que fosse, minimamente, engraçado. Mas, não. Praticamente, todas as maneiras de Winfried de alegrar o ambiente de Inês carecem de humor, e são chatas; tão chatas. que nem conseguem ter, digamos, uma espécie de melancolia, o que até tornaria a história mais interessante. Porém, nem isso temos. O roteiro parece travado o tempo todo, criando situações que não deixam a narrativa fluir, e que, às vezes, é mero pretexto para o filme pagar de "pusado", como na apelativa cena dos petit fours.




Só que, mesmo com tanto problemas, principalmente, no roteiro e na direção, "Toni Erdmann" até que nos oferece umas sequências. Uma delas é quando Winfried não acorda Inês para ir a importante encontro de negócios, o que causa uma briga nos dois, culminando com ele, aparentemente, indo embora, e ela, aos prantos, vendo o pai partir. É uma cena, por sinal, bem simbólica, e que capta bem a essência da premissa, já que mostra que Inês, no seu íntimo, também quer se libertar um pouco mais, quer ser mais despojada e engraçada, como o pai, pelo menos, tenta ser. Outro bom momento no filme é quando Inês está num restaurante com as amigas, e Winfried aparece "travestido" de Toni Erdmann, com uma peruca e dentes postiços realmente ridículos, mostrando até um bonito esforço de um pai tentando alegrar a vida de sua filha, o que acaba deixando a cena um pouco engraçada devido ao esforço comovente de Winfried. Há até mais uma boa sequência no filme, que é quando eles vão visitar uma estação de extração de petróleo, e um desentendimento faz com que um dos empregados seja demitido, sob os protestos de Winfried, em contrapartida à indiferença de Inês, o que demonstra, claramente, a diferença de pensamento de ambos.

No entanto, mesmo com algumas poucas cenas (somente três) que ainda conseguem passar um fiapo da intenção da premissa inicial, o que depõe muito contra a produção é a construção do personagem Winfried, que, unida à interpretação meio apática do ator Peter Simonischek. Não tem desculpa o fato de estarmos falando de um senhor, que, teoricamente, é desajeitade e não tem jeito para o humor. O personagem Monsieur Hulot, imortalizado por Jacques Tati, também era um completo desajeitado, e que, aparentemente, não tinha graça nenhuma. Mas, era só o ator/diretor Tati andar que começávamos a rir. E, é isso o que faltou em "Toni Erdmann": um Winfried com mais leveza, mais simpatia, mais graça, mais trejeitos para o humor. Paralelo a isso, pelo menos, a companheira de tela de Peter Simonischek, Sandra Hüller, que interpreta Inês, está muito bem no papel, e consegue passar com competência a personalidade de uma pessoa taciturna e que só pensa no trabalho, mas, que também tem uma vontade imensa de largar tudo (mesmo que momentaneamente), e viver de uma maneira menos pragmática.




Ao final, não temos nem uma comédia, e nem um drama. O que há, de fato, foi uma premissa muito boa e pertinente, mas, cuja realização ficou aquém da proposta. E, a culpa recai principalmente no roteiro, que incha a história com diversos momentos desnecessários, e a direção pesada e pouco inspirada de Maren Ade. Some-se a isso um protagonista  sem o mínimo de carisma, e interpretado da mesmíssima maneira. O que sobre é são algumas boas atuações, e pouquíssimas cenas interessantes, não justificando, de forma alguma, a longuíssima duração da produção, com inacreditáveis 162 minutos. É chato constatar, mas, a verdade é que, mais uma vez, a unanimidade provou estar errada, e o hype que se formou, totalmente infundado. Principalmente no cinema, nem tudo que reluz é ouro.


Nota: 5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…