Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017
Dica de Filme

"A Criança"
2005
Direção: Jean-Pierre e Luc Dardenne


TÍPICA CRÔNICA URBANA DOS IRMÃOS DARDENNE, "A CRIANÇA" MOSTRA, SEM MORALISMOS, O COTIDIANO DE UMA GERAÇÃO INCONSEQUENTE
Existe aquela categoria de cineastas da qual você sabe exatamente o que esperar, e mesmo que isso pareça ruim, há muitas exceções em que a previsibilidade de algumas obras não tira o brilho delas. É o caso dos filmes dirigidos pelos veteranos Jean-Pierre e Luc Dardenne, cuja obra (sólida e coerente) sempre aborda temas, aparentemente, pequenos, banais, "do cotidiano", mas, que dialogam com naturalidade com questões bem mais profundas. E, "A Criança" é mais um desses ótimos longas que, aparentemente, falam sobre o dia a dia de pessoas comuns, lançadas à própria sorte, porém, que mostram camadas e mais camadas de elementos que, no final, vão se mostrar bem críticos em relação à sociedade, às relações humanas e, principalmente, ao fato de que, mesmo vivendo em condiçõe…
Dica de Disco

"Deixa Queito"
2017
Artista: Macaco Bong


REELEITURA INSTRUMENTAL DE "NEVERMIND" SURPREENDE AO CAPTAR BASTANTE DA ENERGIA E DA URGÊNCIA DO CLÁSSICO DO NIRVANA
Pra se manter da arte, às vezes, é preciso uma boa dose de ousadia. Só que não apenas ousadia, mas, também saber o que se quer, qual fonte pegar para fazer o seu trabalho. A banda de rock instrumental Macaco Bong, então, depois de cinco discos razoavelmente bons, lança o seu 6º álbum com uma tarefa inusitada: fazer uma reeleitura daquele que é considerado o disco ícone da geração dos anos 90: "Nevermind", lançado pelo Nirvana em 1991, e que, até hoje, causa verdadeiras hecatombes na indústria fonográfica, sendo trabalho fundamental que vem influenciando diversas bandas independentes nas últimas duas décadas. Mexer num clássico assim parecia arriscado demais, não é? Mas, com categoria ímpar, a Macaco Bong conseguiu fazer uma homenagem diferente, autoral e que não desrespeita nem descaracteri…
Dica de Filme

"O Dia em que a Terra Parou"
2008
Direção: Scott Derrickson


REMAKE DE CLÁSSICO DA DÉCADA DE 50 CONSEGUE FAZER BOAS CRÍTICAS SOCIAIS, SEM ABDICAR DE SER UMA DIVERSÃO COMPETENTE E BEM DOSADA
É verdade que a maioria dos blockbusters hollywoodianos são bem medianos. E, quando são blockbusters de ficção científica, por exemplo, o perigo do filme ser muito ruim é bem palpável. Mas, existem aquelas produções que, mesmo não sendo extraordinariamente fantásticas, conseguem contar uma boa história, de maneira interessante, e com personagens com algum carisma. É o caso de "O Dia em que a Terra Parou", superprodução dirigida com sobriedade por Scott Derrickson (de "O Exorcismo de Emily Rose" e o recente "Doutor Estranho"), e que dividiu público e crítica à época de seu lançamento. No entanto, o longa tem mais a oferecer do que a nossa vã experiência cinéfila pode imaginar, e pode até surpreender quem espera assistir uma "bomba" repleta d…
Dica de Filme

"Adeus"
2011
Direção: Mohammad Rasoulof


UM RETRATO AO MESMO TEMPO INTIMISTA E ANGUSTIANTE SOBRE A RESTRIÇÃO DE DIREITOS CIVIS NO IRÃ, EM ESPECIAL, DAS MULHERES
Algumas coisas são básica. Tipo: a liberdade e a própria vida. Inegociáveis, porém, há lugares que desrespeitam facilmente esses princípios. Seja devido à religião, ou qualquer outro fator, é certo, por exemplo, que a vida das pessoas (principalmente das mulheres) no Irã é complicada. e, um dos filmes recentes a explorar bem essas questões é "Adeus". Não por acaso, ele é dirigido por Mohammad Rasoulof, cineasta iraniano, que, junto com outras 16 pessoas, foi preso em março de 2010, e, mesmo aguardando julgamento, foi autorizado pelo governo a dar continuidade ao projeto deste filme. No entanto,o longa continua não tendo autorização para ser exibido no Irã.



Toda a carga de opressão que permeou a realização de "Adeus" está presente no filme de maneira muito sutil, mas, avassaladora. O ritmo…
Dica de Filme

"O Operário"
2004
Direção: Brad Anderson


SUSPENSE UM TANTO CONVENCIONAL GANHA FORÇA ATRAVÉS DA MAGISTRAL INTERPRETAÇÃO DE CHRISTIAN BALE
A gama de filmes de suspense com tramas intrincadas, mirabolantes, cheias de reviravoltas (os chamados plot twists) é imensa. Poucos, no entanto, conseguem algum resultado satisfatório. Isso se deve muito porque os seus realizadores se prendem demais a "estilo", e se esquecem de coisas óbvias, como uma boa história e personagens interessantes que justifiquem o tal "estilo". E, é o que vamos mais ou menos encontrar em "O Operário", filme razoavelmente interessante, comandado por Brad Anderson, mais conhecido por ter dirigido séries de TV, como "The Shield" e "The Wire". Aqui, mesmo com uma trama que, ao final, mostra-se meio óbvia (apesar de seu forte apelo emotivo), ele consegue um resultado satisfatório, mesmo que carregado de alguns clichês.



Vamos acompanhando a vida cotidiana e …
Dica de Disco

"Villains"
2017
Artista: Queens of the Stone Age


MESMO UM POUCO DISTANTE DOS TEMPOS DE GLÓRIA, O QUEENS OF THE STONE AGE AINDA CONSEGUE SER SINÔNIMO DE ROCK DE QUALIDADE
O tempo passa, e algumas bandas pioram. Outras, melhoram. Já, umas poucas continuam as mesmas. E, esse é o caso do Queens of the Stone Age, que, me linhas gerais, continua a mesma (ou seja: o grupo de Josh Homme e cia está continua disposto a um nos presentear com um rock'n roll dos bons). Claro, nem sempre isso é possível. "Lullabies to Paralyze" (2005) e "Era Vulgaris" (2007) não são, necessariamente, o que de melhor a banda fez, posto esse que cabe a discos seminais, como "Rated R" (2000) e "Songs for the Deaf" (2002). No entanto, com o ótimo "...Like Clockwork" (2013), o grupo mostrou que ainda pode fazer um som vigoroso e, ao mesmo tempo, experimental. E, eis que chegamos a este "Villains", que continua deixando o Queens of the St…
Dica de Filme

"Antiviral"
2012
Direção: Brandon Cronenberg


PERTURBADORA DISTOPIA FAZ UMA INTERESSANTE ANÁLISE A RESPEITO DO CULTO DOENTIO ÀS CELEBRIDADES
O mundo está cada vez mais à mercê das celebridades. Com essa tendência, o consumo a tudo o que se refere a elas virou quase uma obrigação dos tempos atuais. Queremos nos espelhar nas celebridades, sentimos essa "necessidade", para termos nelas uma espécie de inspiração, como exemplos a serem seguidos. São, enfim, "semi-deuses" dos tempos modernos. Mas, e se pudéssemos ter "algo" além do que notícias de fofocas ou fotografias comprometedoras dos famosos mais queridos? Como uma doença deles, por exemplo? Isso mesmo. É essa a premissa insana de "Antiviral", primeiro filme de Brandon Cronenberg, filho do renomado cineasta David Cronenberg. E, assim como o pai, Brandon, a julgar por sua estreia no cinema, parece ter predileção pelos males do corpo e da alma das pessoas, transformando as doenç…