Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Rise of Chaos"
2017
Artista: Accept


"THE RISE OF CHAOS" É MAIS UM ÓTIMO DISCO DO ACCEPT, MESMO PERDENDO UM POUCO DE FÔLEGO EM SUA PARTE FINAL

Depois de sua volta triunfal em 2010, com "Blood for the Nations", o Accept vem mantendo uma boa regularidade ao lançar, pelo menos, a cada dois anos, um disco que exige respeito. Foi assim com os petardos "Stalingrad" (2012) e "Blind Rage" (2014). E, agora, eis que temos mais um novo trabalho do grupo no mercado, e se não é um álbum pra ser chamado de clássico (pelo menos, ainda), mantém o nível do bom e velho heavy metal lá em cima. Afinal, estamos falando de veteranos do naipe de Mark Tornillo (vocal), Wolf Hoffmann e Herman Frank (guitarras), Peter Baltes (baixo) e Stefan Schwarzmann (bateria), e, é bom falar, todos continuam afiadíssimos em suas respectivas funções, o que torna o Accept uma das melhores bandas antigas ainda em atividade.

Voltando a "The Rise of Chaos", o que vamos encontrar aqui é o Accept de sempre, e isso é muito bom. Sem muita invencionice, o disco explora o vigoroso heavy metal que a banda nunca deixou de fazer, e que, por isso mesmo, tornou-se tão vindoura. Escutamos desde dedilhados empolgadíssimos de Hoffmann e Frank, até grandes entonações por parte de Tornillo, passando, claro, pela cozinha poderosa de Baltes e Schwarzmann. A imagem da capa é um primor, a cargo do artista húngaro Gyula Havancsák. "Mas, e as músicas, em si?" Estão quase todas excelentes, com exceção de uma ou outra que meio que "puxam o freio de mão", e acabam ficando um pouco monótonas, principalmente, nas últimas canções que compõem o trabalho. 




"The Rise of Chaos" começa a mil por hora, com "Die by the Sword". Música completa, muito bem executada, com refrão forte, épica, enfim. Ótima para shows. Na mesma pisada vai a composição seguinte, "Hole in the Head", cujo refrão também empolga, embalada por um instrumental vigoroso. Surge, então, a canção que dá título ao disco, e se trata de uma baita canção. Mais acelerada que as duas anteriores, ela é a prova de que o Accept está longe de pendurar as chuteiras. Em suma, a tríade de músicas que abre "The Rise of Chaos" é irretocável. Dito isto, logo em seguida, vem aquela que é séria candidata a melhor do álbum: "Koolaid". Apesar de mais lenta e cadenciada, ela é bastante competente em todos os sentidos, e ainda possui o melhor refrão de todo o disco. Nasce um novo clássico da banda. Só na quinta faixa, "No Regrets", é que o trabalho, pela primeira vez, não empolga tanto. Trata-se de uma boa composição, mas, que não está à altura das demais.

O poderio do Accept volta com a ótima "Analog Man", que, no refrão, lembra um pouco o AC/DC oitentista, o que não é nenhum demérito, diga-se de passagem. Ao contrário: dá ao ouvinte uma forte e bem-vinda nostalgia. Mais uma composição com peso e qualidade inquestionáveis. "What's Done is Done" não mantém o mesmo nível de outras canções do disco em termos de "carisma". Bem executada, mas, não vai muito além disso. "Worlds Colliding" não é excepcional, mas, é mais bem construída e tem mais punch que a anterior, principalmente, em seu refrão. Já, com "Carry The Weight", não tem jeito. A composição é muito igual a tantas outras presentes neste disco, sem brilho próprio. A derradeira música do álbum, "Race To Extinction", encerra este trabalho com o peso a a energia necessários, mas de forma não tão cativante quanto o início do disco. Um bom final, mas, que poderia ter sido mais marcante.



Saldo? Bem, sem dúvida, "The Rise of Chaos" é o mais "fraco" disco que o Accept lançou depois de seu recente retorno. O que não significa que se trate de um trabalho ruim (ou, sequer, mediano). É que, para um banda desse nível, o que os fãs esperam é sempre algo bem acima da média, beirando a perfeição (coisas que tivemos com "Stalingrad" e "Blind Rage"). Mesmo assim, "The Rise of Chaos" é um álbum bastante envolvente, empolgante e pesado (em especial, a sua primeira metade, um verdadeiro petardo aos ouvidos). E, apesar da parte final do disco deixar a desejar em comparação ao seu início, ainda temos, como um todo, um trabalho vigoroso, de heavy metal old school, sem invencionices, ou algo que possa descaracterizar o clássico som do Accept. 

Podem aumentar o som para o volume 10, sem medo!

Download:
https://rockbox.psychocydd.co.uk/details.php?id=f160ef3eae28926e0e498e32b02f909b39913621


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…