Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"DIRT" (1992)




Rótulos, às vezes, atrapalham e muito, principalmente no tocante à música. Quando a turma do grunge explodiu há mais de 20 anos em Seatle, várias bandas de sons muito diferentes foram colocados no mesmo pacote. O Alice in Chains, por exemplo, podia ter um visual que lembrasse todo aquele hype, mas sua música era calcada totalmente no heavy metal setentista, mais precisamente tendo o Black Sabbath como influência. Já, os outros grupos da cena eram mais voltados para o punk dos Sex Pistols, em sua maioria.




Depois de lançarem o ótimo "Facelift" e de terem emplacado um mega-hit, "Man in the Box", o Alice compôs aquele que seria seu disco essencial, "Dirt". Com linhas vocais mais arrastadas e soturnas de Layne Staley, guitarras ora enfurecidas, ora tristes de Jerry Cantrell, e ainda tendo uma coesa cozinha a cargo do baixista Mike Starr e do baterista Sean Kinney, o grupo conseguiu fazer um poderoso álbum de puro rock, mas pouco convencional, e, algumas vezes, nada comercial.

O trabalho já começa com a pesada e empolgante "Them Bones", cuja letra já entrega o tom sinistro que permeará quase todo o disco: "Eu acredito que sou esses ossos / Alguns dizem que nós nascemos na sepultura / Eu me sinto tão só, acabarei numa / Grande pilha de ossos velhos". Em seguida, "Dam That River" já é mais próxima do que a banda mostrou em "Facelift", ou seja, algo de muita qualidade.




"Down in a Hole" é o tipo de música brilhante que não se consegue ouví-la sem sentir todo o peso que a cerca. Nesse caso, é preciso se preparar psicologicamente, porque é uma canção bastante densa e depressiva, onde a letra diz: "Dentro de um buraco / Eu não sei se eu posso ser salvo / Olhe para mim agora / Sou um homem que não se deixa existir". A canção "Rooster" também é outra composição genial, com destaque para Staley. Sua introdução e finalização, com linhas vocais suaves, possuem muito bom gosto.

Já a música que dá nome ao disco, "Dirt", não tem nenhum apelo popular ou refrão pegajoso, e por isso mesmo é brilhante. "Angry Chair" é um petardo, onde a guitarra de Cantrell está melhor que nunca. E, pra finalizar um disco que beira a perfeição, temos o hit "Would?", que fez parte da trilha sonora do filme "Vida de Solteiro", cujo o enredo fala, justamente, da cena grunge de Seatle, e tem Matt Dillon como um dos atores principais.




Olhando bem atentamente, "Dirt" possui vários destaques positivos, porém, um que se sobressai são as letras. Praticamente todas abordam a questão dos problemas relacionados com as drogas, fazendo do álbum quase um trabalho conceitual. Das treze músicas, seis falam das experiências vividas por Staley com o vício em heroína ("Sickman", "Junkhead", "Dirt", "God Smack", "Hate to Feel" e "Angry Chair"). Inclusive, ele e o produtor Dave Jerden brigaram inúmeras vezes, pois este pedia constantemente ao vocalista que ficasse "limpo" para fazer corretamente as gravações.

O tempo provou, tristemente, que o conteúdo do disco não era pose. No ano de 2002, Layne Stale foi encontrado morto devido a uma overdose; em 2011, Mike Starr teve o mesmo destino. À época do lançamento de "Dirt", o guitarrista Jerry Cantrell explicou melhor sua temática: "Estas canções (de 'Junkhead' a 'Angry Chair') são colocadas em sequência no segundo lado por uma razão: elas contam uma história. Começa com essa atitude realmente ingênua e jovem em 'Junkhead', como drogas são demais, sexo é demais, rock'n roll, yeah! Então, enquanto progride, há um pouco de amadurecimento e um pouco de realização do que se trata, e não daquilo o que se trata." Literalmente, a vida imitando a arte...




Mesmo diante de tantas nuances, significados e "premonições trágicas", o álbum "Dirt" resistiu como um clássico absoluto dos anos 90. Um trabalho que, apesar de tantos problemas para ser feito, e possuindo várias músicas com assuntos pesadíssimos para o público em geral, mostra uma competência tal dos seus envolvidos, que não há outra alternativa a não ser comprá-lo, escutá-lo direto e não emprestá-lo a ninguém.




NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…