Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO 

"ONCE MORE 'ROUND THE SUN" (2014)




O Mastodon é uma das poucas bandas atuais que vem mostrando uma carreira com bastante unidade. Todos os seus discos lançados até agora são dignos de nota, alguns sendo considerados por muitas pessoas como os melhores da década, caso de "Leviathan", "Blood Mountain" e "Crack the Skye". Após o ensolarado "The Hunter", de 2011, o grupo parece ter abandonado de vez os discos temáticos, partido para uma produção mais heterogênea. O resultado continua acima da média.

"Once More 'Round the Sun" é fácil um dos álbuns do ano. Começa sua viagem sonora com a música "Tread Lightly", onde uma suave introdução de violão logo é substituída pela poderosa massa sonora do Mastodon, aqui, mais entrosados do que nunca. A voz rasgada do baixista Troy Sanders já se faz familiar para quem acompanhou os lançamentos da banda ao longo desses anos.




Mas, é na faixa seguinte, "The Motherload", que vem a melhor surpresa: a canção é predominantemente cantada pelo baterista Brann Dailor, que se sai muito melhor do que o imaginado. O refrão logo é facilmente decorado e apreciado, e ainda tem um solo lá no meio que lembra o Metallica dos bons tempos. Disparado um dos ápices do disco. Funcionou tão bem que Dailor participa de muitos vocais nas próximas canções.

E, pra quem achou que o solo de guitarra na música anterior é mera coincidência, a terceira faixa, "High Road", não deixa dúvidas de que os integrantes andaram escutando bastante o clássico "Master of Puppets". Mesmo assim, não se trata de cópia. A identidade do Mastodon se faz presente a todo momento, o que era de se esperar, já que o grupo já tem um certo tempo de estrada.




Porém, as influências e "homenagens" não se fixam somente no Metallica, pois na música que dá título ao trabalho, ouvem-se ecos de Iron Maiden, principalmente, nas impressionantes cavalgadas de bateria. O disco só enfraquece um pouco na faixa "Asleep in the Deep", pois nela eles se repetiram muito, e a deixaram um tanto arrastada demais.

Contudo, logo após, temos uma sequência matadora, com "Feast Your Eyes", "Aunt Lisa", "Ember City" e "Halloween", músicas furiosamente rápidas, com excelentes refrões, e sonoridades exuberantes, à lá Mastodon. O álbum se encerra com a longa (mas, nem tanto assim para os padrões da banda) "Diamond in the Witch House", onde eles mostram todo o seu virtuosismo na veia progmetal, que já virou sua marca registrada. Grand finale.




Está sendo comum dizer que esse é o "Black Album dessa década", fazendo referência ao disco mais conhecido e vendido do Metallica. Não creio que chega a tanto. Como todo disco do Mastodon, esse aqui precisará de um tempo para ser devidamente digerido, apreciado e colocado no patamar que merecer. Poderá até ser considerado melhor que o "Black Album", muito provavelmente. No momento, basta dizer que "Once More 'Round The Sun" é um dos melhores lançamentos de uma banda de rock nos últimos tempos, cheio de atitude, bom gosto e energia.

PS: como já virou costume da banda, a capa deste disco é tão espetacular quanto a dos lançamentos anteriores, cheia de nuances, e puxando mais para um lado psicodélico. Isso só mostra o quanto eles são cuidadosos com todos os detalhes de seus trabalhos. Ponto pra eles!


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…
DICA DE FILME

"Para Sempre Lilya" (2002)
Direção: Lukas Moodysson.


A sociedade e seus excluídos. Marginalizados. Abandonados. Mesmo quando teimam em sobreviver, são hostilizados. A bem da verdade, muito já não nem sequer uma "vida". Nesse panorama desolador, temos filmes brilhantes que retratam esses personagens de maneira bela e não-maniqueísta. "Para Sempre Lilya" é um deles.

O próprio ambiente em que se passa a estória já é desolador: uma antiga União Soviética, onde chove o tempo todo. As pessoas não se ajudam, não estão preocupadas com mais ninguém a não consigo. A mãe de Lilya se enquadra nessa categoria. Muda-se para os EUA com seu novo companheiro, deixando a filha a própria sorte.


De início, Lilya vai tentar morar com uma tia opressora, porém, obviamente, a convivência não dá certo. Vivendo praticamente na miséria, ela não vê outra alternativa a não ser se prostituir para conseguir o mínimo necessário. Seu único alento é a amizade de Volodya, um ga…