Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"UMA NOITE DE CRIME" (2013)




Às vezes, não dá para entender certas exigências do público e dos críticos de cinema. Quando um filme se propõe a ser crítico, é quase unânime que querem que ele seja panfletário, à lá Michael Moore. Esquecem-se, no entanto, que o tiro, com frequência, sai pela culatra, e muitos cineastas, na empolgação de passarem a sua mensagem, deixam seus filmes pedantes, afastando-se da proposta inicial.

Peguemos a produção "Uma Noite de Crime" para exemplificar. Ele foi bastante malhado por uma boa parte das pessoas que o assistiram sob a justificativa de que ele começa levantando pontos interessantes, como a nossa relação com a questão da violência, e depois, descamba para um suspense vazio. Falam muito de "oportunidades perdidas" neste longa. Só que não é bem assim.




Ele, de fato, em seu início, foca-se num hipotético futuro, onde a população dos EUA conseguiu baixar a criminalidade do país ao instaurar o "dia da purgação". Nele, durante 12 horas, qualquer um pode cometer todo o tipo de crimes que não será punido. Serve, portanto, como uma catarse social, uma forma de extravasar o lado mais primitivo do ser humano.

O núcleo narrativo mostra uma típica família, vivendo feliz, principalmente, porque não tem que se preocupar com esse dia já que James Sandin, o patriarca, vende produtos de segurança. e acredita que sua residência está devidamente protegida. E, esse seu emprego mostrará ser uma grande ironia. Fugindo de um grupo de playboys que querem matá-lo, um mendigo se refugia na casa de James, e sua família passa a ser o alvo.




É partir desse momento que os detratores do filme torcem o nariz para ele. No entanto, era até óbvio que, durante o desenrolar da narrativa, o suspense imperasse um pouco em detrimento de outros temas. Só que, após isso, o longa não perde o ritmo. A ação é bem dosada, e no meio dela, as críticas à violência da sociedade ainda aparecem, só que de maneira mais espaçada. Ao final, ainda têm, nos letreiros, narrações de como foi o mais recente "dia da purgação", cujo último relato diz: "Tinha dois filhos que morreram hoje. Essa nação me tirou tudo"!

O filme, porém, rende-se a alguns defeitos típicos. São furos e lugares-comuns que poderiam ter sido evitados, como num instante quando James encarna aqueles heróis de ação e aventura, e mata vários invasores e poucos minutos. Não compromete o resultado, mas ficou forçado e sem nexo. Mas, esses pormenores são poucos, felizmente, e "Uma Noite de Crime" cumpre bem sua premissa de questionar valores sociais, com uma bem-vinda reflexão sobre a violência.




Como se vê, mesmo tendo elementos de ação e suspense, o filme não é tão raso quanto muitos apontam.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…