Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"VIVA À LIBERDADE" (2013)




Nem sempre a primeira impressão ser diferente do previsto é algo necessariamente ruim. Peguemos como exemplo o filme "Viva à Liberdade". Além da produção ser italiana, o enredo fala da troca de papéis por irmãos gêmeos. Seria de supor que se trata daquelas comédias escrachadas, em tom de besteirol, fazendo a platéia morrer de rir o tempo todo. Aqui, no entanto, não é bem assim.

Esse longa tem até alguns momentos de humor, mas são esparsos durante toda a narrativa, e servem mais para sorrir do que para gargalhar. Ele, inclusive, é bem comedido, sem atuações exageradas. E isso é bom. A partir do instante em que quebra convenções ao anão dar exatamente o que esse tipo de estória geralmente nos oferece, "Viva à Liberdade" foca em outras questões bem mais interessantes, como o desconforto com a vida cotidiana e o nível de falsidade no jogo político.




E, essa estória poderia render, por sinal, um sem número de clichês, o que é evitado no filme. Sua narrativa começa mostrando a rotina do secretário geral do principal partido de oposição italiano, Enrico Oliveri. Cansado de todo o processo, decide simplesmente sumir sem dar maiores explicações. Desesperado, seu assessor Andrea resolve seguir a proposta da esposa de Enrico, e chamar seu irmão gêmeo, Giovani Ernani, para substituí-lo. O problema é que Giovani acaba de sair de um hospício, o que poderá gerar alguns transtornos.

De cara, já se percebe para onde vão certos aspectos na trama: enquanto Enrico descobre o lado bom da vida através de atitudes simples, Giovani, com sua mente inquieta, provocará choques de realidade no meio político, com sua irreverência, honestidade e carisma. Mesmo com esse desenrolar um tanto óbvio, a trama possui diversos positivos. Um deles é expor que os irmãos não são tão diferentes como se imagina, nem é colocado um maniqueísmo forçado onde um é bom é o outro é mau. À maneira de cada um, os dois se mostram ótimas pessoas.




Já a crítica política presente no filme, se não é tão mordaz quanto num "Doutor Fantástico", ao menos coloca interessantes diálogos na boca dos personagens. Quando Giovani está num restaurante, e é confundido com seu irmão por um jornalista que começa a entrevistá-lo, ele diz: "Meus eleitores fazem bem em casarem de mim. Inclusive, me canso com frequência deles. Se os políticos são medíocres, é porque seus eleitores são medíocres. E se são ladrões, é porque seus eleitores são ladrões (ou queriam ser)".

Como se nota, "Viva à Liberdade" é um drama com humor, pontado por alguns momentos sagazes. Possui um bom ritmo, uma direção segura, a cargo de Roberto Andò, e atores que encarnaram tranquilamente seus personagens, principalmente Toni Servillo, ótimo no papel duplo dos irmãos gêmeos. A produção ainda faz muito bem-vindas referências ao cinema (Fellini) e à literatura (Brecht), sempre de maneira leve e nem um pouco pedante.




Este filme pode não ser a melhor comédia (ou drama) de conteúdo crítico dos últimos tempos, mas desempenha muito bem a função de fazer o espectador rir enquanto pensa. E, em ano eleitoral aqui no Brasil, torna-se uma produção ainda mais interessante de se assistir.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…