Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO 

"SECOS E MOLHADOS" (1973)




Poucas são as obras que podem, tranquilamente, figurarem tanto no quesito da qualidade, quanto no da importância. Foram produtos relevantes à sua época, que trouxeram algo de novo, e mesmo assim, resistiram ao tempo, e vistos hoje em dia continuam sendo bem apreciados.

O primeiro disco do Secos e Molhados, banda que tornou Ney Matogrosso conhecido, é uma dessas obras. Historicamente, teve sua importância. Quando lançado, o campeão de vendas eram ninguém menos que Roberto Carlos. Já o álbum de estréia do grupo teve mais de 1 milhão de cópias comercializadas em apenas alguns meses (muito mais do que o "Rei do ieieiê" durante um ano inteiro!).

Ainda temos uma das melhores capas de disco lançados por um artista brasileiro. Com suas cabeça servidas nas bandejas, era como se estivessem dizendo que não tinham medo de arriscar novos caminhos musicais. E, arriscaram, diga-se de passagem.




O som, uma mistura até então pouco feita entre rock, MPB e música latina, parecia um caldeirão, onde cada elemento se encaixava como se tivessem sido feitos um para o outro. Some-se a tudo isso a voz marcante de Ney Matogrosso e a performance visual da banda.

"Sangue Latino" é a música que inicia o disco. Um belo início, inclusive. Uma das melhores canções do trabalho, marcante na carreira da banda. Sua letra evoca o sofrimento do povo latino, e foi uma tentativa de unir um certo engajamento com algo que pudesse ser popular. Conseguiram.




"O Vira" é uma música alegre e bem-humorada que trata de assuntos pitorescos do nosso folclore. Rapidamente, tornou-se um dos maiores sucessos do grupo. "O Patrão Nosso de Cada Dia" vai por um viés mais crítico. O compositor dela, João Ricardo, fez referência à oração do Pai-Nosso no título, e a letra, que fala da relação patrão-empregado, é a mais direta possível: "Eu vivo preso à sua senha, sou enganado."

"Primavera nos Dentes" tem uma letra simples, mas acaba se destacando pela sua sonoridade quase progressiva. Já, "Assim Assado" possui referências indiretas à Ditadura (o tal Guarda Belo mencionado na canção), e contém uma das melhores toadas do disco, com sons que vão do puro rockao nosso folclore. Outras que merecem destaque são "Rosa de Hiroshima", numa clara menção à Segunda Guerra, e a hipnótica "Prece Cósmica".




Segundo o jornalista Felipe Tadeu, "o grupo conseguiu com o seu álbum inicial restaurar a liberdade estética e comportamental no Brasil depois do fim do Tropicalismo, num acinte contra a carranca dos verdugos que ocuparam Brasília e ditaram vetos moralizantes, torturando gente, insuflando a barbárie."

De fato, o que temos aqui é atitude em diversos pontos. Sem proferirem discursos diretos ou inflamados, o Secos e Molhados foi um tapa sem mão em todo o sistema, até mesmo porque tirou (mesmo que temporariamente) Roberto Carlos das paradas de sucesso (um notório omisso quanto ao que estava acontecendo no Brasil).

Unido a tudo isso, vemos uma música com apuro e qualidade. Então, meus caros, deu no que deu: um clássico, que ainda hoje é lembrado com um dos melhores álbuns lançados por aqui. Dizer que é básico na coleção de qualquer um seria pouco.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…