Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO 

"SECOS E MOLHADOS" (1973)




Poucas são as obras que podem, tranquilamente, figurarem tanto no quesito da qualidade, quanto no da importância. Foram produtos relevantes à sua época, que trouxeram algo de novo, e mesmo assim, resistiram ao tempo, e vistos hoje em dia continuam sendo bem apreciados.

O primeiro disco do Secos e Molhados, banda que tornou Ney Matogrosso conhecido, é uma dessas obras. Historicamente, teve sua importância. Quando lançado, o campeão de vendas eram ninguém menos que Roberto Carlos. Já o álbum de estréia do grupo teve mais de 1 milhão de cópias comercializadas em apenas alguns meses (muito mais do que o "Rei do ieieiê" durante um ano inteiro!).

Ainda temos uma das melhores capas de disco lançados por um artista brasileiro. Com suas cabeça servidas nas bandejas, era como se estivessem dizendo que não tinham medo de arriscar novos caminhos musicais. E, arriscaram, diga-se de passagem.




O som, uma mistura até então pouco feita entre rock, MPB e música latina, parecia um caldeirão, onde cada elemento se encaixava como se tivessem sido feitos um para o outro. Some-se a tudo isso a voz marcante de Ney Matogrosso e a performance visual da banda.

"Sangue Latino" é a música que inicia o disco. Um belo início, inclusive. Uma das melhores canções do trabalho, marcante na carreira da banda. Sua letra evoca o sofrimento do povo latino, e foi uma tentativa de unir um certo engajamento com algo que pudesse ser popular. Conseguiram.




"O Vira" é uma música alegre e bem-humorada que trata de assuntos pitorescos do nosso folclore. Rapidamente, tornou-se um dos maiores sucessos do grupo. "O Patrão Nosso de Cada Dia" vai por um viés mais crítico. O compositor dela, João Ricardo, fez referência à oração do Pai-Nosso no título, e a letra, que fala da relação patrão-empregado, é a mais direta possível: "Eu vivo preso à sua senha, sou enganado."

"Primavera nos Dentes" tem uma letra simples, mas acaba se destacando pela sua sonoridade quase progressiva. Já, "Assim Assado" possui referências indiretas à Ditadura (o tal Guarda Belo mencionado na canção), e contém uma das melhores toadas do disco, com sons que vão do puro rockao nosso folclore. Outras que merecem destaque são "Rosa de Hiroshima", numa clara menção à Segunda Guerra, e a hipnótica "Prece Cósmica".




Segundo o jornalista Felipe Tadeu, "o grupo conseguiu com o seu álbum inicial restaurar a liberdade estética e comportamental no Brasil depois do fim do Tropicalismo, num acinte contra a carranca dos verdugos que ocuparam Brasília e ditaram vetos moralizantes, torturando gente, insuflando a barbárie."

De fato, o que temos aqui é atitude em diversos pontos. Sem proferirem discursos diretos ou inflamados, o Secos e Molhados foi um tapa sem mão em todo o sistema, até mesmo porque tirou (mesmo que temporariamente) Roberto Carlos das paradas de sucesso (um notório omisso quanto ao que estava acontecendo no Brasil).

Unido a tudo isso, vemos uma música com apuro e qualidade. Então, meus caros, deu no que deu: um clássico, que ainda hoje é lembrado com um dos melhores álbuns lançados por aqui. Dizer que é básico na coleção de qualquer um seria pouco.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…