Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"FOME DE TUDO" (2007)




É cada vez mais difícil encontrar alguma qualidade na música feita no Brasil. E, não me refiro a qualidade no sentido genérico da coisa, mas algo que tenha um arranjo marcante, uma letra inteligente ou uma sonoridade arrojada. Nem mesmo esses elementos isolados encontramos com frequência por aí.

Mas, o que dizer de um disco que reúne todas essas características? A Nação Zumbi é uma banda com uma carreira irretocável. Desde que começou, lá nos idos dos anos 90, com Chico Science, que ela vem fazendo uma  música relevante, mas, infelizmente, sem reconhecimento de grande parte do público.




Isso nunca pareceu incomodar os integrantes do grupo, apesar deles terem feito um álbum (este "Fome de Tudo") com um acentuado apelo pop. Mas, não um pop esquecível após a primeira ouvida, e sim um de fácil assimilação, porém, cheio de detalhes, sejam num som inusitado ali, seja numa letra cheia de referências acolá.

O disco começa com "Bossa Nostra", uma provocação do que seria nossa Nossa Nova hoje. A sonoridade mescla fúria e harmonias de guitarras fantásticas. A letra também se destaca: "Ninguém quer saber o gosto de sangue, mas o vermelho ainda é a cor que incita a fome..."




"Infeste" tem uma boa influência das batidas africanas de Fela Kuti, com sons exuberantes e cadenciados. Já "Carnaval" presta homenagem à nossa festa mais popular de um jeito bem peculiar, onde a letra expõe as "loucuras" que os foliões fazem nas ruas durante esse período.

"Inferno", com participação da cantora Céu (ironia), é um dos ápices do trabalho. Minimalista e com linhas vocais agradáveis, é uma ótima canção introspectiva. Outro destaque vem em seguida: "Nascedouro" tem clima irresistível de gafieira, com inusitados (e bem colocados) naipes de metais.




E, assim o disco segue, com múltiplas variações e surpresas, desde a pesada música-título até "Toda Surdez será Castigada" (uma verdadeira "viagem", com participação perfeita de Junio Barreto).

A temática, como o próprio nome do trabalho indica, faz menção à fome, com evidente influência de Josué de Castro. Mas, não é só a fome por comida, mas por arte, por humanidade, por vida. Não à toa, ele termina com a música "No Olimpo", que diz: "Todos os dias nascem deuses, alguns melhores, outros piores do que você..."




Com este disco, a Nação fechou uma sequência impressionante de clássicos modernos da música brasileira, iniciada com o instigante "Rádio S.AMB.A.", lançado em 2000. "Fome de Tudo" é um álbum que consegue ser popular e, mesmo assim, transparece a todo momento esmero e cuidado em cada composição, em cada riff de guitarra, em cada estrofe.

Um trabalho arrebatador.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

  1. pra mim é 10, amigo. Cecília

    ResponderExcluir
  2. É um disco fenomenal, mesmo. Mas, eu daria 10 pra "Nação Zumbi" e "Futura", que romperam alguns paradigmas da própria banda, e viraram clássicos...

    Grande abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…